Vai enviar a declaração do IRPF 2021? Veja quais documentos apresentar ao fisco

Cada caso é um caso e o contribuinte precisa ficar atento a quais documentos enviar ao IRPF 2021. Veja o que separar para evitar a malha fina.

Cindy Damasceno

Apesar da Receita Federal ter otimizado a declaração do IRPF nos últimos anos, nem sempre é fácil saber o que apresentar ao fisco. Os contribuintes com casos mais específicos quem pode ficar mais receoso com a documentos do IRPF em 2021: quanto mais detalhes para acompanhar, maior a probabilidade de o preenchimento incorreto levar à malha fina

Por isso, o ideal é separar os próximos dias para alinhar a documentação. Reservar esse tempo antes do encerramento do prazo pode ser o diferencial para evitar dor de cabeça, atenta o diretor responsável pelas áreas de consultoria trabalhista e previdenciária da Mazars Brasil, Bruno Giannella.

Continua após a publicidade

“Agora é um bom momento para que o contribuinte possa avaliar a necessidade de um especialista, e para que ele consiga juntar as informações em tempo hábil”, conta. 

É preciso, contudo, ter em mente as particularidades de cada situação porque nem sempre a documentação a apresentar é evidente. “Cada caso é um caso”, alerta o diretor. Por isso, o iDinheiro ouviu especialistas e separou um guia de documentos para o IPRF 2021

Continua após a publicidade

Acompanhe a cobertura 

IRPF 2021: como separar os documentos

Organização é a chave na hora de preencher a papelada. O professor de contabilidade da Universidade Presbiteriana Mackenzie Murilo Torelli aconselha a separar a documentação por blocos de conteúdo.

“Primeiro, separar as receitas de trabalho, ou recebidas de aplicações financeiras. Segundo bloco, organizar as despesas que você teve, como médicas e hospitalares. E último bloco, os bens e direitos e evoluções patrimoniais, ou outros bens tangíveis e intangíveis, claro, para os contribuintes em geral”. 

A mesma técnica é defendida pelos professores Camila Oliveira e Márcio Sampaio da Trevisan Escola de Negócios. Em resposta ao iDinheiro, a dupla enumerou comprovantes úteis para manter controle na documentação do IRPF 2021: 

  • Informes de rendimentos de Pessoa Jurídica, 
  • Extratos das contas correntes e contas de investimentos, 
  • Listagem de todos os bens e direitos em seu nome, notas e recibos de despesas com instrução, saúde e previdência. 

A separação, garantem os docentes da Trevisan, permite que cada ficha da declaração do imposto de renda seja preenchida por um dos grupos de informação. Isso torna o envio mais didático e mais fácil. 

Continua após a publicidade

Quem deve enviar declaração do IRPF em 2021?

Nem todos os brasileiros precisam preencher a declaração do fisco. Se enquadram na obrigatoriedade os residentes no Brasil que acumularam, em 2020, rendimentos ou receberam bens e direitos acima do limite permitido pelo Fisco. Saiba os limites de cada um: 

  • Rendimentos tributáveis: Maior que R$ 28.559,70
  • Rendimentos isentos e não tributáveis: acima de R$ 40 mil
  • Bens e direitos (acumulados em 31 de dezembro de 2020): acima de R$ 300 mil 
  • Receita bruta da atividade rural: acima de R$ 142.798,50

Quando vale a pena recorrer a um contador?

O contribuinte comum — aquele em que a renda não varia muito de ano a ano — não precisa procurar por um serviço especializado. Mas, em situações com mais detalhes, ter um olhar profissional pode diminuir a chance de erros.

“[Se o contribuinte] tiver processos de compras e vendas de ativos, têm várias fontes de renda, vale a pena pensar no processo de preenchimento da declaração”, recomenda o professor Murilo. 

Veja outros perfis que podem recorrer ao contador, de acordo com os especialistas:

  • Investiu com criptomoedas;
  • Acumulou ganho de capital; 
  • Recebeu espólios; 
  • Se retirou do Brasil em caráter definitivo (saída definitiva); 
  • Investiu em renda variável.  

Guia de termos na hora da declaração

Rendimento tributável e rendimento não tributável

Rendimentos tributáveis são todos os montantes recebidos pelo contribuinte ao longo do ano, e nos quais incide a tributação. Já os isentos ou não tributáveis, em suma, estão na ponta oposta e se referem aos recebidos que não estiveram sujeitos à incidência. Cada uma dessas modalidades têm um teto limite para isenção. 

Continua após a publicidade

Rendimento tributável: salário, bolsa de estudos (contraprestação de serviços), prêmios (recebidos em concursos e competições), notas promissórias, aluguel (do inquilino e do proprietário), indenização (por morte ou por danos morais), auxílios, prêmio assiduidade e complementação previdenciária. 

Rendimentos isentos ou não tributáveis: bolsa de estudos (bonificações), diárias e ajuda de custo,  indenização paga por despedida ou rescisão de contrato de trabalho. Cada categoria possui regulamento próprio sobre a tributação. (Confira regras no manual do IRPF). 

Bens e direitos

Patrimônio do contribuinte e de seus dependentes, estejam esses em território brasileiro ou não.

São considerados bens e direitos:

  • bens imóveis, veículos automotores, embarcações e aeronaves, independentemente do valor de aquisição;
  • antigüidades, obras de arte, objetos de uso pessoal e utensílios, adquiridos a partir do ano-calendário de 1996, cujo valor de aquisição unitário seja igual ou superior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais);
  • saldos de aplicações financeiras e de conta corrente bancária cujo valor individual, em 31 de dezembro do ano-calendário, exceda a R$ 140,00 (cento e quarenta reais);
  • investimentos em participações societárias, em ações negociadas ou não em bolsa de valores e em ouro, ativo-financeiro, adquiridos a partir do ano-calendário de 1996, cujo valor de aquisição unitário seja igual ou superior a R$ 1.000. 

Dedução

A dedução do Imposto de Renda são as despesas que você pode abater da declaração. Podem ser consideradas deduções: despesas escolares (filho (a) ou enteado (a) cursando escola de ensino médio ou técnica; dependentes universitários até a idade de 25 anos; despesas médicas dedutíveis (pagamentos efetuados pelo contribuinte para o seu próprio tratamento ou o de seus dependentes); pensão alimentícia. (Confira regras no manual do IRPF). 

Receitas brutas das atividades rurais

Valor acumulado com vendas de produtos frutos de atividades rurais.

Quer continuar acompanhando as novidades sobre os documentos do IRPF 2021? Então, assine a newsletter iDinheiro e ative as notificações push para se manter sempre atualizado.

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.