Calculadoras

Calculadora de Férias

Este Simulador de férias gratuito permite que você saiba o valor exato que irá receber quando for tirar alguns dias de folga. Com ele, você conseguirá simular qual o valor de férias proporcionais, de um terço e do abono pecuniário, caso opte pela venda, de acordo com a CLT.

Cálculo de férias

Salário bruto
Salário registrado na carteira de trabalho, remuneração que um trabalhador recebe por mês, sem considerar os descontos oficiais obrigatórios.
Valor total de hora extra
Quanto o trabalhador tem para receber referente a horas extras
Número de dependentes
Pessoa da qual o trabalhador seja tutor ou curador. Pessoa que pode ser incluída no Imposto de Renda do trabalhador como dependente.
Dias de férias
Número de dias que serão tirados como férias.
Abono pecuniário (Vende 1/3)
Você acordou com a empresa de vender 1/3 das férias?
Adiantar 1ª parcela 13º
Você acordou com a empresa o recebimento da primeira parcela do 13º?

Resultado

Eventos Ref. Proventos Descontos
Valor férias - -
1/3 férias - -
Abono pecuniário - -
1/3 Abono pecuniário - -
Adiantamento 1ª Parcela 13º - -
INSS -
IRRF -
Totais
Valor férias líquido

Como funcionam as férias?

Após o período de um ano de trabalho, todo trabalhador tem direito de até 30 dias para descansar e usá-los conforme preferir. Tudo isso, sem deixar de receber o salário.

O empregador tem até um ano a partir da data em que o direito foi adquirido para conceder o período de descanso. Ao mesmo tempo, caso o funcionário fique dois anos sem gozar do direito, poderá recebê-lo em dinheiro.

Continua após a publicidade

Quando isso acontece, serão pagas as férias vencidas e não tiradas, sendo equivalente a um valor de duas vezes o salário.

Para que o pedido de férias seja feito da melhor forma possível, o interessante é fazer um acordo com o empregador. É preciso informá-lo das datas desejadas com uma antecedência mínima de 30 dias.

Continua após a publicidade

Caso o trabalhador tenha mais de 5 faltas injustificadas no ano, terá o período de férias reduzido, conforme a lista:

  • 6 a 14 faltas: 24 dias corridos;
  • 15 a 23 faltas: 18 dias corridos;
  • 24 a 32 faltas: 12 dias corridos;
  • acima de 32 faltas: não tem direito.

Faltas que não podem ser descontadas nas férias são:

  • falecimento de cônjuge, ascendentes, descendentes, irmãos ou pessoas que viviam sob a dependência econômica;
  • casamento;
  • nascimento de filho;
  • doação voluntária de sangue;
  • alistar como eleitor;
  • cumprir as exigências do Serviço Militar;
  • provas de vestibular para ingresso no ensino superior;
  • quando precisar comparecer a juízo.

Acredita-se que o ideal é tirar os 30 dias de uma vez só, mas várias empresas preferem fracionar em duas partes. A única exigência é que nenhum dos períodos seja menor do que 10 dias.

Posso tirar as férias antes de um ano?

Não existe previsão legal sobre o adiantamento do pedido de férias. O que acontece, de acordo com a lei, é a garantia naqueles casos em que são declaradas as férias coletivas, sendo aplicadas a todo um setor ou empresa.

Elas podem ser usadas em dois períodos anuais, seguindo aquela questão de não ser inferior a 10 dias corridos.

Continua após a publicidade

O Art. 140 da CLT diz: “Os empregados contratados há menos de 12 (doze) meses gozarão, na oportunidade, férias proporcionais, iniciando-se, então, novo período aquisitivo.”

Recebo minhas férias junto com meu salário do mês?

O pagamento das férias é feito de seguinte maneira: quando o trabalhador sair para o período de descanso, receberá todo o salário do mês acrescido de mais ⅓.

Ele deverá ser pago até dois dias antes do início do período de gozo e, neste momento, o trabalhador deverá assinar um recibo afirmando a quitação do pagamento.

Se houver uma rescisão de contrato e o trabalhador não tiver completado o período de 12 meses, poderá receber as férias proporcionais aos meses trabalhados.

Continua após a publicidade

O que é ⅓ (terço) de férias?

Existem duas formas de compreender essa questão do ⅓. A primeira delas é o valor acrescentado ao salário de um profissional que irá se ausentar do trabalho para um merecido descanso.

Ele é uma espécie de bônus para que o trabalhador possa aproveitar o período da forma que preferir.

Para fazer o cálculo, é muito simples. É só selecionar o valor total do seu salário e adicionar o valor correspondente a ⅓ dele.

Se o funcionário é pago por hora ou tem salário variável, o ⅓ é calculado em cima da remuneração dos 12 meses do período aquisitivo e dividindo por 12.

Continua após a publicidade

Caso o pagamento do ⅓ seja feito em rescisão de contrato, o trabalhador deverá recebê-lo junto com todas as outras verbas rescisórias.

Outro termo chamado de “⅓ de férias” é a possibilidade de vender o período equivalente aos 10 dias para o empregador. O cálculo é o mesmo que ensinamos acima.

Como fazer o cálculo de férias?

Conforme já adiantamos, o cálculo é simples. Você deve somar ao seu salário total o valor de ⅓.

Como calcular férias proporcionais?

As férias proporcionais são aqueles meses já contabilizados, referentes ao período aquisitivo que ainda não se completou. Ou seja, vale para quem tem menos de 12 meses de empresa.

Continua após a publicidade

Nesse sentido, se a pessoa for demitida antes do prazo de um ano, deverá receber o valor correspondente às férias proporcionais.

Para fazer o cálculo, basta multiplicar o salário pelo número de meses trabalhados. Depois, divida o resultado por 12. Por fim, soma-se ⅓, que deve ser pago para todos os trabalhadores.

De forma simplificada: salário x meses trabalhados / 12 + ⅓.

Como calcular 15 dias de férias?

Vamos tomar como base um funcionário que vai tirar 15 dias para descansar e recebe R$ 2.000:

  • Diária de trabalho: R$ 66,66;
  • Dias de férias: 66,66 x 15 = R$ 999,9;
  • Valor de ⅓: 999,9/3 = R$ 333,3;
  • Valor total pago para 15 dias: R$ 1.399,86.

É importante ressaltar que, do valor, será descontada a contribuição de INSS, que é de 8%, além do Imposto de Renda.

Continua após a publicidade

Como fazer o cálculo de férias vencidas?

Para calcular as férias vencidas, primeiramente, você deve multiplicar o seu salário por dois. Depois, divida o valor por três (correspondendo ao ⅓ sobre as férias) e adicione ao salário multiplicado anteriormente.

  • Se alguém recebe: R$ 1.000;
  • Salário multiplicado por dois: R$ 2.000;
  • Valor dividido por três: R$ 666,66;
  • Soma dos dois valores: R$ 2.666,66.

Na hora de calcular as férias vencidas, o trabalhador deverá receber a média da hora-extra, adicional noturno, gratificações, comissões e outras verbas combinadas. Por isso, é importante somá-los ao fazer o cálculo.

E as férias coletivas?

Conforme já adiantamos, as férias coletivas são concedidas para toda a empresa ou um setor específico. Serão contemplados todos os funcionários, sejam eles recém admitidos ou com mais de 1 ano de empresa.

O prazo será definido em convenção coletiva de trabalho, e podem ser usado em dois períodos anuais, desde que nenhum deles seja inferior a 10 dias corridos.

Continua após a publicidade

Empregados menores de 18 anos e maiores de 50 anos também não podem ter fracionamento do período. Caso tenham, deverão ter férias individuais após o período coletivo para quitar o período aquisitivo.

As férias coletivas podem ser descontadas do trabalhador. No caso de 20 dias coletivas, por exemplo, terá 10 dias restantes para o período individual.

Sobre o pagamento, ele funcionará normalmente, sendo de um salário inteiro somado a ⅓ proporcional.

Como fica a folha de pagamento após férias?

Quando o trabalhador volta do momento de descanso, ele não tem direito ao salário. Isso acontece porque sua remuneração já foi paga.

Continua após a publicidade

O pagamento, então, é referente ao mês do descanso. Então, ao voltar, não tem nenhum saldo pendente.

É preciso ter atenção caso o trabalhador tire férias na metade do mês. Supondo que ele voltou no dia 15, todos os dias posteriores a esse serão contabilizados para o saldo do salário no mês seguinte.

É possível somar as férias?

De acordo com a lei, não há a possibilidade de acumulação, já que elas servem para “recuperar” o trabalhador. Esse direito não pode ser renunciado.

Conforme já ressaltamos: o empregador tem até um ano a partir da data em que o direito foi adquirido para concedê-las. Ao mesmo tempo, caso o funcionário fique dois anos sem sair de férias, poderá recebê-la em dinheiro.

IRRF sobre férias: como funciona?

O cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) incidente sobre as férias deve ser efetuado de forma separada dos demais rendimentos pagos naquele mês, mediante aplicação da tabela progressiva.

Além disso, também é computada na base de cálculo o valor da remuneração das férias acrescidas do abono constitucional de ⅓.

Publicidade