Saiba como ficará a contribuição ao INSS a partir de fevereiro

Com o reajuste do teto previdenciário, a contribuição ao INSS muda para empregados com carteira assinada, domésticos e trabalhadores avulsos.

Heloisa Vasconcelos
Heloísa Vasconcelos

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) divulgou o índice de reajuste da aposentadoria em 2021, incluindo o teto dos benefícios previdenciários. Com isso, a contribuição ao INSS por empregados com carteira assinada, domésticos e trabalhadores avulsos também muda.

Devido ao reajuste de 5,45% na aposentadoria, baseado no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), quem ganha menos irá contribuir menos para o INSS e quem ganha mais terá uma parcela maior do salário retida para a previdência.

Continua após a publicidade

Os novos valores passam a valer em fevereiro. O recolhimento de janeiro é referente ainda à dezembro de 2020 e segue a tabela do ano passado.

Tabela de contribuição ao INSS em 2021

SALÁRIO-DE-CONTRIBUIÇÃO (R$)ALÍQUOTA PROGRESSIVA PARA FINS DE RECOLHIMENTO AO INSS
até 1.100,007,5%
de 1.100,01 até 2.203,489%
de 2.203,49 até 3.305,2212 %
de 3.305,23 até 6.433,5714%

Cobrança por faixa

As faixas de salário mudaram em relação a 2020, devido ao reajuste. 

Com a Reforma da Previdência, a contribuição ao INSS segue faixas de salário de forma progressiva. Dessa forma, o percentual de fato descontado do total dos ganhos (a alíquota efetiva) se torna menor.

Para exemplificar, um trabalhador que receba R$ 2.000 deve pagar 7,5% referente à primeira faixa de contribuição, mais 9% sobre os R$ 900 restantes. Nesse caso, o pagamento mensal será de R$ 163,50.

Conforme cálculos feitos pelo diretor do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Emerson Lemes, ao G1, quem ganha até 1 salário mínimo pagará R$ 0,83 a menos por mês com a tabela de 2021. 

Por outro lado, os que recebem acima do teto de R$ 6.433,57 pagarão a contribuição de R$ 751,99, um valor R$ 38,89 a mais em relação ao ano passado.

Sobre o reajuste

Os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que recebem acima de um salário mínimo terão reajuste na aposentadoria 2021 em 5,45%. O índice é maior do que os 4,48% concedidos no ano passado.

Com esse aumento, o teto dos benefícios previdenciários passa de R$ 6.101,06 para R$ 6.433,50.

O reajuste tem como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Quer continuar acompanhando as notícias sobre o INSS? Então, assine a newsletter iDinheiro e se mantenha atualizado.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.