Uma das principais justificativas dos usuários para a abertura de uma conta digital é a falta de cobrança de taxas para manutenção da conta corrente e do cartão de crédito ou mesmo a possibilidade de fazer transferências para outros bancos sem pagar a taxa da TED cobrada pelos bancos tradicionais, por exemplo. 

Uma pesquisa conduzida pelo Instituto Qualibest mostra que 44% das pessoas entrevistadas apontaram que a ausência de cobrança de taxas é um “grande atrativo” e uma das principais diferenças entre os bancos digitais e os bancos tradicionais. 

Continua após a publicidade


Para quem pouco movimenta a conta bancária, limitando o uso à realização de saques, descontos de cheques ou pagamento de boletos, por exemplo, manter um relacionamento com um banco tradicional pode sair caro. De acordo com um levantamento do Guiabolso, em média, cada brasileiro gasta R$ 915 por ano com tarifas bancárias. Isso dá uma média de R$ 76,25 por mês que, em geral, você nem vê de onde sai e poderia estar sendo gasto em algo que desse um retorno maior para o cliente. Nessa conta está inclusa a taxa para manter a conta ativa, realizar serviços (como transferências via TED) e com a anuidade do cartão de crédito, por exemplo. 

No entanto, as contas digitais nem sempre são 100% gratuitas e é possível que o seu banco digital cobre taxas para a realização de determinados serviços. Neste artigo, nós fizemos o serviço sujo de ler as letras miúdas nos sites dos principais bancos digitais e vamos mostrar que taxas são essas para que você possa comparar e escolher o melhor serviço. Confira!

Como surgiu a conta digital

O surgimento da conta digital no Brasil está ligada à publicação de uma resolução do Banco Central, em 2010, que liberou a gratuidade para a “prestação de qualquer serviço por meios eletrônicos, no caso de contas cujos contratos prevejam utilizar exclusivamente meios eletrônicos”. Ou seja, desde que o contrato que você assina com uma instituição financeira preveja que você utilizará somente os meios eletrônicos, esse serviço deve ser oferecido de forma gratuita, sem a cobrança de tarifas. 

A Resolução 3.919, do BC, tinha como objetivo assegurar a prestação de serviços básicos gratuitos pelos bancos tradicionais, mas acabou abrindo brecha para um mercado ainda novo, mas em franco crescimento, que é o de contas e bancos digitais no Brasil. 

O que os bancos tradicionais devem oferecer gratuitamente?

  • Saques: 4 por mês
  • Transferência (entre contas do mesmo banco): 2 por mês
  • Cartão de débito: Gratuito
  • Extrato: 2 por mês (impressão no caixa eletrônico); 1 por ano (detalhamento das operações financeiras; ou Ilimitado (por meio eletrônico)
  • Cheques: 10 folhas por mês ou Ilimitado (compensação de cheques)  
  • Prestação de serviços por meio eletrônico: Ilimitado

Ao permitir que instituições financeiras possam prestar serviços por meio eletrônico gratuitamente, o Banco Central acabou criando o conceito de conta digital sem tarifas. 

Desde a publicação desta resolução, dezenas de fintechs surgiram no Brasil com a proposta de oferecer uma conta digital sem taxas, já que não seriam obrigadas a, por exemplo, manter agências físicas nas cidades onde opera. Isso barateou o serviço e ampliou a concorrência no setor. 

Mas será que os bancos digitais são mesmo isento de taxas?

O que é gratuito em uma conta digital e quais são as taxas

Os bancos tradicionais têm liberdade para cobrar tarifas pelos serviços bancários (desde que ofereçam um pacote básico, como ja dissemos acima). É por isso que um mesmo banco ofereça “cestas” diferentes,  com preços e coberturas distintos que se encaixam no perfil de cada cliente.

No caso dos bancos digitais isso também ocorre. Via de regra, os bancos digitais não cobram tarifas para que você possa abrir e manter sua conta e ter um cartão de débito e crédito. 

No entanto, é possível que haja cobranças para outros serviços, como transferência para outros bancos (via TED) ou saques em redes conveniadas (como o Banco24Horas). Também é comum que o banco digital cobre uma tarifa (que costuma ser menor que a dos bancos digitais) para que você usufrua de um pacote ilimitado de serviços. Há casos, ainda, em que o banco digital oferece um limite para operações gratuitas e passa a cobrar uma tarifa se você precisar de mais.

Quando falamos de cobrança de taxas para conta digital, cada caso é um caso e, nem sempre é tudo gratuito. Analisamos como funciona essa política de cada banco/fintech e detalhamos as tarifas cobradas por cada um deles.

7 bancos digitais e as tarifas cobradas por eles

Banco Inter

O Banco Inter se intitula como o único banco totalmente gratuito do Brasil. Em seu site, a instituição lista os serviços que estão isentos da cobrança de tarifas. 

  • Abertura de conta
  • Manutenção de conta
  • Saque no Banco24Horas
  • Emissão de boleto
  • Transferência entre contas Banco Inter
  • Transferência para outros bancos
  • Anuidade do cartão 

Nubank

O Nubank entrou no mercado ao lançar, em 2014, um cartão de crédito sem tarifas, como a cobrança de anuidade. Três anos depois, a fintech lançou a NuConta, sua conta digital. A Nuconta não tem anuidade ou taxa de manutenção, oferece transferências gratuitas e ilimitadas para qualquer banco. A NuConta também tem rentabilidade diária 

No entanto, ao contrário do banco Inter, caso você queira realizar saques nos terminais de autoatendimento das redes Banco24Horas e Saque e Pague, deve pagar uma taxa de R$ 6,50 para cada saque feito. 

Em seu site o Nubank justifica a cobrança da taxa dizendo que serve para “cobrir os custos de terceiros, como transporte e segurança do dinheiro, o aluguel do espaço em que os caixas estão e a manutenção destes equipamentos, bem como impostos e os custos operacionais internos”

Next

Next é o banco digital do Bradesco que também oferece uma série de serviços gratuitos, como uma conta digital livre de anuidade ou taxa de manutenção. Até o segundo semestre de 2019 o banco permitia que você escolhesse por um plano grátis, chamado de “Na Faixa”, em que você só tinha direito a 1 DOC ou 1 TED grátis por mês. Esse serviço, no entanto, foi estendido e, agora, é ilimitado. 

C6 Bank

O C6 Bank é um banco digital fundado por ex-sócios do BTG Pactual e começou a operar em 2019, logo após ter autorização concedida pelo Banco Central. A conta digital do C6 Bank oferece serviços gratuitos e ilimitados, como transferência via TED. No entanto, ao contrato de outros bancos digitais, este cobra anuidade do cartão crédito/débito C6 Carbon (R$ 85 mensais), e tem outras cobranças, como para saque (R$ 5 por operação) e extrato mensal (R$ 5 após dois extratos gratuitos). 

Modalmais

O Modalmais é um banco digital com foco mais direcionado para investidores. Por meio de um aplicativo, o cliente pode gerenciar sua carteira de investimentos, seja renda fixa, fundo de investimentos, Tesouro Direto, dentre outras modalidades. Não há cobrança de tarifas para investimentos em Tesouro Direto e renda fixa. No caso de investimento em títulos é cobrada uma taxa de 0,25% ao ano. 

A conta digital Modalmais tem taxa zero para abertura de conta e administração, além de transferência via TED (desde que para o mesmo titular). No entanto, há cobrança para outros serviços: 

  • Saques: R$ 6,90 por saque (os quatro primeiros do mês são grátis)
  • Segunda via de cartão: R$ 15,00

Neon

O Banco Neon é outro exemplo de instituição que oferece conta digital sem taxas para a maior parte dos serviços. Nesse caso, você não paga nada para abrir, manter ou encerrar a conta. Transferências para o próprio banco ou outros são ilimitadas, assim como depósitos via boleto.  

O banco só cobra taxas para saques. No caso da conta Neon, o cliente tem direito a um saque por mês. A partir daí, cada saque nas redes conveniadas custa R$ 6,90. Na conta Neon+, são quatro saques gratuitos. 

Sofisa Direto

O Sofisa Direto diz que é o primeiro banco 100% digital do Brasil e também oferece taxa zero para serviços como abertura e manutenção de conta, cartão de débito ou transferências via DOC ou TED para outros bancos. Assim como o Modalmais, ele também tem como foco principal, além da conta digital, os pequenos e médios investidores. 

Com esse guia sobre taxas de contas digitais, você já pode comparar as opções e escolher a que traz o melhor custo-benefício para o seu caso. 

Se você quer continuar a receber conteúdos informativos, como esse, sobre o que importa para o seu dinheiro, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro.