Boleto Falso: Saiba como identificar um e o que fazer se cair neste golpe

Como saber se o boleto é falso?Os boletos bancários possuem uma série de identificadores, padronizados pela FEBRABAN (Federação […]

Escrito por Melissa Nunes

Por que confiar no iDinheiro?

Responsabilidade editorial: Nosso editores são especialistas nas áreas e isentos nas avaliações e informações. Nosso objetivo é democratizar e simplificar o acesso a produtos e serviços financeiros sem viés. Conheça nosso código editorial.

Como ganhamos dinheiro?

Podemos ser comissionados pela divulgação e cliques nos parceiros. Isso também pode influenciar como alguns produtos aparecem na página, sempre com a devida identificação. Entenda como o site ganha dinheiro.

Política de Cookies: Nosso site utiliza cookies para estatísticas gerais do site e rastreamento de comissões de forma anônima. Nenhum dado pessoal é coletado sem seu consentimento. Conheça nossa política de privacidade.


Como saber se o boleto é falso?

Os boletos bancários possuem uma série de identificadores, padronizados pela FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos), que aumentam sua segurança.

Por isso, conhecer o que são e como funcionam cada um destes campos irá te ajudar a identificar um boleto falso com mais facilidade.

exemplo de um boleto verdadeiro
  1. Código do banco: é o código identificador do banco, o Compe (Código das Instituições Bancárias na Compensação). A partir dele é possível saber para qual instituição está sendo feito o pagamento.
  2. Linha digitável: é a representação numérica do código de barras. Ela possui uma estrutura padronizada para evitar fraudes. A principal característica dela são os últimos números, que indicam o valor do documento. Então, se os últimos números não forem iguais ao valor do documento, este boleto é falso.
  3. Agência/Código Cedente: geralmente é composto pelo número da agência do beneficiário. Mas isso pode variar de acordo com a instituição que está emitindo o boleto.
  4. Nosso número: código obrigatório e único que serve como identificador do boleto para a instituição que o emitiu.
  5. Valor do documento: valor a ser pago. Sempre confira se este valor está igual aos últimos números na linha digitável.
  6. Código de barras: é a representação gráfica da linha digitável, usada para a leitura de máquinas. Em boletos falsos os códigos de barras não costuma funcionar, forçando o pagador a digitar o código. Portanto, sempre desconfie quando um código de barras não consegue ser lido.
  7. Carteira: número que identifica se o boleto é ou não registrado pela emissora dele. Desde 2016 quase todos os boletos possuem este código.
  8. Pagador: dados de identificação do pagador, como nome completo, CPF e endereço.
  9. Data do documento: data em que este documento foi emitido.
  10. Beneficiário: dados de quem receberá o valor, como nome da empresa ou CNPJ. Caso ache o nome suspeito, você pode verificar dados mais detalhados através da plataforma de Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral do Banco Central.

Paguei um boleto falso, o que devo fazer?

Caso tenha pago um boleto falso, reúna as cópias do comprovante de pagamento e do boleto falso, junto a boletos originais anteriores, caso possua. 

Após isso, procure um advogado para que possam ser iniciadas as ações cabíveis neste caso, como recomenda a Defensoria Pública do Estado do Ceará.

De quem é a responsabilidade?

A responsabilidade varia de acordo com as condições da emissão do boleto falso. Abaixo, existem duas situações frequentes que nos ajudam a entender melhor de quem é a responsabilidade pela emissão do boleto fraudulento. 

  • O boleto foi gerado pela loja, mas fora do sistema do banco: neste caso é dever da loja ressarcir o valor que você pagou, já que a loja não teve a responsabilidade de emitir o boleto em um local confiável e seguro e deu margem para que fraudes acontecessem;
  • O boleto foi gerado pelo próprio banco: neste caso é responsabilidade do banco devolver o seu valor, já que a instituição não conseguiu garantir um sistema confiável e seguro para que o boleto fosse gerado.

Outra situação corriqueira é quando você recebe um boleto falso via e-mail, contendo todos os seus dados, como nome completo, CPF e outros dados pessoais. Confiando neste e-mail, você realiza o pagamento do boleto.

A responsabilidade de ressarcimento do valor neste caso é da instituição financeira, já que permitiu que seus dados vazassem e fosse enviado este boleto falso para seu endereço eletrônico.

Quais os principais golpes com boletos falsos?

Existem diversos golpes envolvendo boletos bancários falsos, e é importante estar atento para não se tornar vítima dessas fraudes. Alguns dos principais golpes de boleto falso são:

Interceptação de boletos

Nesse golpe, o criminoso intercepta o boleto original que foi enviado pelo correio e troca os dados bancários, colocando os dados da conta do golpista. 

Dessa forma, quando o destinatário realiza o pagamento, o dinheiro vai direto para a conta do golpista.

Para não cair neste golpe, uma boa dica é verificar o código de pagamento do boleto. No começo dele sempre existe contém o código do banco e no final o valor do pagamento.

Outra forma é antes de fazer o pagamento, usando aplicativos de banco, será mostrado os dados do beneficiário, ou seja, quem receberá o valor. Sempre confirme se corresponde ao que está no boleto ou não.

E-mails falsos

O criminoso envia um e-mail falso, que parece ser do banco ou da empresa que emitiu o boleto.

Geralmente, estes e-mails possuem mensagens de pagamento atrasado ou erros de pagamento.

A tática para não cair aqui é ligar para a central de atendimento da instituição em questão. Dessa forma você consegue verificar se de fato existe alguma pendência em seu nome.

Sites falsos

Nesse golpe, é criado um site falso que imita o site do banco ou de uma loja, com o objetivo de capturar os dados bancários das pessoas que acessam o site. 

Geralmente apresentam ofertas fora do normal, que atraem a atenção das vítimas, e solicitam seus dados para fazer um cadastro ou até mesmo realizar a compra.

Aqui dois problemas podem acontecer:

  • Captura dos seus dados para envio de boletos falsos posteriormente;
  • Capturar seus dados bancários, como os de cartão de crédito, para fazer compras não autorizadas.

Para não correr este risco, sempre verifique a URL da página que você está. Sites falsos nunca possuem a mesma URL do site original, sempre tem alguma letra diferente.

Mas, se mesmo assim ainda não sentir confiança, acesse a página oficial da loja ou instituição financeira nas redes sociais e entre em contato para verificar se aquelas ofertas realmente existem.

Os perfis das empresas nas redes sociais geralmente possuem um selo de verificação, o que facilita a identificação do perfil verdadeiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Participe das comunidades do iDinheiro no Whatsapp