Calculadoras

Simulador de financiamento de veículos

Esta calculadora de financiamento de veículo (gratuita) é a ferramenta ideal para que você descubra o pagamento estimado mensal (valor da parcela), quanto vai pagar de juros e o montante total desembolsado no fim do período. Para isso, você deverá informar o valor do veículo, quanto pretender dar de entrada, a taxa de juros mensal ou anual e o prazo do financiamento em meses ou anos.

Cálculo de financiamento de veículo

Valor do veículo
Valor do veículo que você quer financiar.
Valor de entrada
Valor que pretende dar de entrada.
Valor em porcentagem que incidirá sobre o valor do veículo, que pode ser uma taxa mensal ou anual.
Não sabe a taxa de juros? Clique aqui.
Período de tempo da dívida. Pode ser mensal ou anual.

Resultado

Evento Valores
Pagamento mensal estimado
Valor financiado
Juros acumulados
Pagamento total

O que é financiamento de veículos?

Em linhas gerais, o financiamento funciona como um “empréstimo” de um recurso que será usado para a aquisição de um bem específico, que no caso deste conteúdo, será um veículo.

Dessa forma, a instituição financeira transfere o valor contratado para o vendedor indicado (que pode ser pessoa física ou jurídica) e, conforme contrato, recebe o montante de volta de forma parcelada, só que com o acréscimo de juros.

Continua após a publicidade

Essa modalidade de crédito é comumente utilizada para aquisições de carros, motos, caminhões e imóveis, por exemplo.

Isso porque muitas pessoas não têm o valor para fazer a compra do bem à vista ou preferem manter seus recursos aplicados por questões estratégicas. 

Continua após a publicidade

Então, para realizarem a compra do veículo para suas necessidades atuais, recorrem a essa modalidade de crédito, observando as melhores condições de contratação, é claro.

Essas condições, aliás, variam conforme a política comercial da instituição e perfil do interessado no financiamento.

Ou seja, número de prestações, taxa de juros, percentual do veículo financiado, dentre outras características do contrato, são determinadas pela instituição, sem intermediação da concessionária que fará a venda, por exemplo.

Quais as etapas de um financiamento de veículo?

Então, vamos entender como funciona a contratação de um financiamento de veículo. Os processos podem mudar conforme a instituição financiadora, porém, na prática, obedecem uma mesma sequência.

Continua após a publicidade

Análise de crédito ou aumento do crédito pré-aprovado

A primeira etapa, portanto, é a análise de crédito, ou seja, uma avaliação da instituição sobre quanto pode ofertar para o cliente de acordo com seu comprometimento de renda atual etc.

Pessoas com pontuação de score de crédito mais baixo, por exemplo, podem ter valores aprovados menores ou, mesmo, terem a negativa para a operação financeira.

Em outros casos, pelo relacionamento prévio e valores investidos, os clientes já têm à disposição o valor de crédito pré-aprovado. Entretanto, se ele não for suficiente, também é possível solicitar o aumento.

Vale lembrar que, normalmente, as instituições financeiras não financiam 100% do valor do veículo, ou seja, é preciso pagar uma parte a título de entrada do contrato.

Continua após a publicidade

Escolha do bem a ser financiado

Com o financiamento aprovado, o interessado pode buscar o veículo a ser adquirido. No geral, é possível financiar veículos novos ou usados, de empresas especializadas (como as concessionárias e revendedoras) ou de pessoas físicas.

Entretanto, as instituições podem restringir o financiamento de acordo com o ano de fabricação e modelo do veículo, por exemplo.

Contratação do financiamento

Com o carro, moto ou outro veículo escolhido, o cliente deve, mais uma vez, buscar a instituição financeira e proceder com a contratação do financiamento.

Nesse momento é preciso apresentar as documentações necessárias, indicar a conta do vendedor e acertar detalhes do contrato com a instituição, como forma de pagamento e data do vencimento das parcelas.

Continua após a publicidade

Documentos necessários

  • Documento de identidade oficial (RG, CNH, Passaporte, Carteira de Identidade Profissional como CRM, CREA, OAB, dentre outros*) com foto e validade recentes;
  • CPF;
  • Comprovante de residência recente;
  • Comprovante de renda.

Para veículos usados, também acrescentar:

  • Documentos de identidade e comprovante de residência do vendedor;
  • IPVA pago nos últimos anos;
  • Comprovante de seguro obrigatório;
  • Certificado de Registro de Licenciamento do Veículo;
  • Recibo de transferência preenchido, datado, assinado pelas partes e com firma reconhecida em cartório.

*Você deve consultar, com antecedência, quais os documentos válidos para a instituição financeira. Além disso, questione sobre outros comprovantes necessários.

Vale mencionar, ainda, que existem várias instituições no mercado, não só os bancos mais tradicionais.

Ou seja, faça o maior número de cotações possíveis, sempre optando por empresas idôneas, é claro.

Isso porque cada uma delas conta com modalidades diferentes de financiamento (vamos falar sobre elas no decorrer deste material) e, por sua vez, condições e taxas distintas.

Continua após a publicidade

Quais veículos são, tradicionalmente, financiados?

Como mencionamos, os veículos são um dos bens mais financiados. É possível financiar carros, motos, caminhões, aviões, tratores agrícolas, dentre outros. Porém, os mais tradicionais são os carros e motos. 

Financiamento de carro

O processo para financiar um carro é muito simples e segue o que citamos acima, ou seja, é preciso buscar uma instituição financeira e, então, negociar, escolher o veículo conforme regras da contratação e finalizar o processo.

Usualmente as instituições não financiam 100% do veículo, exigindo que um percentual do valor do bem seja dado como entrada.

Ademais, o financiado não precisa ter carteira de motorista, nem ser o motorista principal depois que o bem já estiver em sua posse.

Continua após a publicidade

Financiamento de moto

O financiamento de moto funciona da mesma forma do de carro. Será alterado, obviamente, o valor do bem, assim como algumas condições específicas.

Um exemplo deles é que o percentual de financiamento pode ser total, ou seja, algumas instituições permitem financiar 100% do valor da moto.

Para financiar uma moto, então, você deve solicitar crédito para alguma instituição financeira, que fará uma análise do seu perfil e concederá, ou não, o financiamento total ou parcial.

Depois de contratar o financiamento, você fará o pagamento das prestações de acordo com o combinado, até que o contrato seja quitado. 

Continua após a publicidade

Vale a pena contratar um financiamento de moto usada?

Algumas pessoas podem não ter condições de arcar com o financiamento de veículos novos ou desejam comprar um bem muito específico que já está usado.

Para esses casos, existe a possibilidade do financiamento de moto usada. Nele, como o próprio nome adianta, o banco financiará a aquisição de uma motocicleta usada, que pode ter valor de mercado menor. 

Por mais que esse primeiro ponto seja atrativo, é difícil ter algumas garantias importantes ao comprar uma moto.

A primeira delas é sobre a conservação do veículo. Afinal, por mais que ele pareça estar em boas condições, você não consegue saber ao certo sobre os cuidados do dono anterior com suas manutenções, uso regular e até limpeza.

Continua após a publicidade

Além disso, outros pontos que vão além da aparência, como é o caso dos quilômetros rodados, podem fazer uma diferença importante. 

Quanto mais antigo e rodado é um veículo, maiores são os desgastes das peças do motor e, portanto, a necessidade de realizar reparos futuros.

Por isso, ao fazer a aquisição do financiamento, vale pensar se o aparente “desconto” não será perdido, de outras formas, com o passar do tempo. 

É possível, também, que esse tipo de financiamento tenha juros mais altos. As instituições financeiras já conseguem prever tudo o que comentamos aqui, e podem acreditar que, com esse conjunto de possibilidades “negativas”, o cliente teria mais chances de tornar-se inadimplente.

Continua após a publicidade

De toda forma, algumas pessoas realmente precisam do veículo e não têm condições de arcar com valores maiores. 

Nesse sentido, é muito importante avaliar se o financiamento de moto usada vale a pena para você. 

Quais são os tipos de financiamento existentes?

Agora que você já entendeu, em linhas gerais, sobre o financiamento de carros e motos, vamos nos aprofundar em alguns pontos importantes.

Inicialmente, deve-se saber que existem duas modalidades de financiamento de veículos. São eles o CDC e o leasing.

Continua após a publicidade

Crédito Direto ao Consumidor

Também conhecido como CDC, o Crédito Direto ao Consumidor funciona da seguinte maneira: uma pessoa solicita empréstimo ao banco para comprar o bem.

Esse bem, que pode ser um carro, uma moto ou qualquer outro veículo, fica em posse do comprador, mas alienado ao banco.

Ou seja: não pode ser negociado com terceiros, a menos que todas as prestações sejam pagas.

Em outras palavras, mesmo que você ainda esteja pagando um financiamento, pode vender seu veículo. Porém, a transferência do bem só será concretizada após a baixa do financiamento e Gravame.

Continua após a publicidade

O que é Gravame?

O Gravame é o registro do financiamento no Detran, que inclui a instituição financeira como parte interessada nas movimentações de propriedade de um veículo.

Isso porque, no caso de um financiamento, existem três partes no contrato: o vendedor, a instituição financeira que financia e o financiado.

Se o financiado decide vender seu veículo, deve usar parte da venda para quitar o financiamento. Na sequência, a instituição financeira tem o prazo de até 10 dias para dar baixa no Gravame.

A partir daí o veículo já pode ser transferido de um proprietário para o outro sem impedimentos contratuais.

Continua após a publicidade

Como é a amortização do CDC?

Além disso, é importante entender como funciona a amortização, ou seja, a antecipação de parcelas no caso do CDC.

As parcelas de um financiamento do tipo CDC são constituídas por uma parte que corresponde ao montante emprestado a ser amortizado e a outra que são os juros do financiamento, de acordo com o tempo que o dinheiro permanecerá financiado.

Note que o valor da parcela permanece do mesmo tamanho, mas a proporção da amortização do valor financiado e do juros muda.

Isso acontece porque a parte do financiamento que será paga no futuro permanece por mais tempo na operação financeira disponibilizada pela instituição.

Continua após a publicidade

No entanto, se o cliente decide antecipar o pagamento, vai abrir mão da operação e liberar o dinheiro para que a instituição possa negociá-lo novamente. Ou seja, ele não precisará pagar aqueles juros porque não vai usar mais o recurso.

Vale lembrar também que a taxa de juros negociada na contratação não sofre alterações durante o decorrer do contrato, a menos que o cliente decida renegociar o contrato por situações adversas.

Leasing

O termo “leasing” refere-se ao tipo de contrato que uma empresa que faz. É uma espécie de aluguel de veículo onde o interessado paga prestações mensais usualmente mais baratas que o CDC.

Isso acontece porque ao final do plano de parcelas no leasing, ainda resta um valor residual que o cliente deve pagar para dar a baixa no Gravame e ter a posse do bem.

Continua após a publicidade

Esse é um modelo muito utilizado para compradores que precisam fazer trocas recorrentes de seus veículos, como motoristas de aplicativo ou caminhoneiros.

Como é a amortização do leasing?

No modelo de leasing, a antecipação não é tão vantajosa quanto ao CDC pela forma como os juros são distribuídos nas parcelas, bem como o valor residual que já mencionamos.

Além da parcela normalmente ser mais baixa que do CDC, existem duas situações previstas ao final do leasing que vão depender do tipo contratado. São eles:

  • Leasing operacional: o percentual do valor do bem que o cliente paga nas parcelas é de, aproximadamente, 20% do total. Assim, ao final dos pagamentos, uma boa parte do bem ainda estará pendente;
  • Leasing financeiro: nesse caso, além de uma parte que corresponde ao aluguel do veículo, outra quantia da parcela é válida como uma antecipação do pagamento do bem. Assim, ao final do plano, o valor residual do bem será menor e, se o cliente optar por não comprá-lo, receberá de voltar a parte que pagou referente à antecipação.

No leasing, cada parcela estará no nome da instituição até o término do pagamento. Depois desse período e o pagamento do valor residual (se houver), o consumidor passa a ser o dono do carro ou da moto.

Continua após a publicidade

Qual é a taxa de juros do financiamento de veículos?

A taxa de juros do financiamento é a remuneração do banco nessa operação financeira. Com ela, o banco cobre seus custos operacionais, riscos da operação e garante seu lucro na operação.

Portanto, cada banco vai praticar sua taxa de juros, considerando suas estratégias comerciais e, claro, o perfil de cada cliente.

No Relatório abaixo, vemos as taxas de juros das 30 principais instituições financeiras usadas para financiamento de veículos.

fonte: Relatório do Banco Central para taxa de Juros de pessoas físicas na aquisição de veículos

 

É claro que para garantir sua competitividade em relação aos concorrentes, a maioria das instituições trabalham com taxas parecidas.

Continua após a publicidade

Porém, isso também dá força para o consumidor, que pode pesquisar, negociar e até apresentar propostas de outras instituições para conseguir melhores taxas com a que deseja financiar.

Dados do Banco Central apontam que as taxas de juros podem variar de 0,7% até 3,83% ao mês. 

Todavia, é importante ressaltar que elas sofrem variações de acordo com cada instituição financeira responsável pelo financiamento.

Assim, a melhor estratégia é que o cliente analise a maior variedade de propostas de financiamento para que assim possa negociar melhores valores.

Continua após a publicidade

Neste simulador de financiamento de veículos (voltar ao início da página) que preparamos para você, será possível entender, de forma prática, qual será o valor pago por cada tipo de veículo e empréstimo disponível no mercado.

O que é o CET?

CET é a sigla para “Custo Efetivo Total (CET)”. Ela representa todos os encargos, juros, taxas e tributos que o cliente vai pagar ao contratar um empréstimo ou financiamento.

Vale ressaltar que todas as empresas são obrigadas a informar este valor no momento de assinatura do contrato.

Assim, o cliente pode observar outras despesas que possam ter sido incluídas sem seu consentimento, como é o caso de seguros, por exemplo. 

Continua após a publicidade

Portanto, tome cuidado com empresas que valorizam muito o fato de oferecerem “juros menores”. Nem sempre a opção pode ser a mais barata ou mais vantajosa.

Onde cotar o financiamento de veículo?

Conforme já apontamos, é possível simular financiamento de veículos em diferentes empresas.

Para te ajudar a entender melhor sobre condições e taxas de juros de forma prática, listamos algumas opções a seguir.

Itaú Financiamento de veículos

No caso do Itaú, o cliente pode simular o quanto quer pagar, o que vai influenciar diretamente no valor total liberado para financiamento, é claro. Mas o banco também sugere algumas opções.

Após a simulação realizada pelo cliente e envio do pedido para o banco, uma análise automatizada do pedido é feita e uma resposta é enviada rapidamente.

Continua após a publicidade

Porém, se ainda não estiver alinhada com a necessidade do cliente, ele pode fazer um contato pessoal com o gerente da conta e analisar uma proposta melhor. Depois de tudo aprovado, é hora de fechar negócios.

Vale lembrar que no caso do Itaú, as taxas são a partir de 0,79% ao mês e as parcelas têm variação de acordo com o modelo do carro.

Esses valores, entretanto, podem mudar de acordo com o momento econômico, estratégia do banco e até variação do perfil do cliente ao longo do tempo.

Na página de simulação, você pode dizer se já sabe qual carro quer comprar, se tem uma ideia ou se ainda não sabe. 

Continua após a publicidade

Dependendo disso, o banco te auxilia a chegar o mais perto possível do valor a partir de perguntas específicas.

Além do financiamento, você pode ter acesso a produtos oferecidos pelo banco, como:

  • Seguro Auto;
  • Seguro Proteção Financeira;
  • Troca Certa (para pessoas que desejam trocar de carro);
  • Acessórios e serviços no financiamento.

Financiamento de veículos Santander

O financiamento de veículos Santander pode ser feito em até 60 meses no caso de carros, ou em até 48 meses para motos.

Para alguns perfis de clientes, até 100% do valor do veículo pode ser financiado, e as propostas são respondidas rapidamente.

Contudo, é preciso que o carro tenha até 10 anos de fabricação. No caso de motos, o “teto máximo” é de 5 anos. 

Continua após a publicidade

Veja algumas vantagens oferecidas pelo banco:

  • possibilidade de negociar o valor do veículo à vista e financiar com o Santander;
  • solicitar a cobertura opcional do Seguro Proteção Financeira;
  • ter condições diferenciadas caso você receba seu salário pelo banco.

O cliente tem dois canais para fazer a simulação: o Santander Financiamento ou as lojas credenciadas

Na simulação da proposta não há incidência de juros ou cobrança de tarifas, mas o CET dependerá das condições contratadas. 

Simulador de financiamento de veículos Bradesco

O Bradesco Exclusive oferece o serviço de financiamento de veículos. Eles podem ser veículos leves, pesados ou motos.

Também é possível financiar até 100% do valor com até 60 meses para pagar e a primeira parcela pode ser programada em até 60 dias.

Continua após a publicidade

Além disso, o financiamento é disponível para veículos com até 12 anos de fabricação. Já no caso de motos, podem ser 0 KM ou com até 6 anos de uso, mas, nesse caso, apenas para aquelas de alta cilindrada. 

O banco considera como “alta cilindrada” motos com valores acima de R$ 17 mil. 

Após a contratação, as parcelas serão debitadas na conta corrente do cliente, na data acertada no momento do financiamento.

Com o simulador de financiamento de veículos do Bradesco, você poderá adicionar as informações específicas e ter uma resposta do banco. 

Financiamento de veículos Caixa

A Caixa é mais um dos nomes de destaque no financiamento de veículos. É possível garantir um carro ou moto, com condições específicas a depender do modelo e do valor disponível. 

Continua após a publicidade

Assim, existem duas modalidades disponíveis para contratação, a Crédito Auto Caixa e a Aporte Auto.

No caso da primeira, o cliente pode financiar até 80% do veículo com taxa de juros pré-fixada e sem cobrança de tarifas adicionais.

Já no Suporte Auto, o carro pertencente ao cliente pode garantir um empréstimo de até 70% do valor do veículo com prazos e condições atrativas, de acordo com a Caixa.

A página da Caixa que oferece os serviços não tem todas as informações, então, o indicado é recorrer aos canais de atendimento. Eles são:

Continua após a publicidade

Simulador de financiamento de veículos BV

O BV é mais uma opção para quem quer fazer a simulação de financiamento de veículos. Em sua página, que é simplificada e pretende oferecer o serviço de forma rápida, o interessado deve responder algumas perguntas padrão para analisar o crédito.

Nesse sentido, o cliente tem de 3 a 60 meses para pagar, as parcelas são fixas até o fim do contrato e é possível pegar mais crédito por meio da renegociação do contrato.

Para isso, basta pedir atualização do seu contrato e continuar pagando o mesmo valor de parcelas, aumentando apenas o número delas.

É possível financiar veículos novos ou usados, nas lojas ou diretamente com o proprietário. 

Além disso, o BV oferece uma série de seguros e capitalização opcionais, que podem ser acessados na mesma página que apontamos acima.

Continua após a publicidade

Financiamento de veículos Banco do Brasil

O Banco do Brasil também é mais uma opção que oferece o financiamento de veículos. Podem ser carros, motos, táxis ou caminhões, novos ou usados.

No caso dos carros, são veículos com até 10 anos de fabricação. Além disso, quem já tem um veículo com o banco e quer comprar outro, poderá participar do programa “Troca com troco”, antes de quitar o financiamento atual.

Quem se interessar pela simulação poderá fazê-la no site. Mais detalhes podem ser encontrados no app do Banco do Brasil, para Android ou iOS.

Financiamento de moto Honda

Quem tem interesse em financiar uma moto Honda pode fazê-lo por meio de uma série de instituições financeiras.

Continua após a publicidade

No entanto, o Banco Honda oferece condições especiais para clientes que estão interessados pela marca, afinal são do mesmo grupo.

Nesse sentido, você pode acessar o site e encontrar o modelo que mais te agrada, como a BIZ, a POP ou a CG, são vários disponíveis. 

Depois de clicar no botão “tenho interesse”, será preciso preencher um formulário de contato. O banco será responsável por ligar ou enviar e-mail pelos canais informados para apresentar mais detalhes sobre o financiamento. 

Todos os juros, taxas e valores de entrada, quando for o caso, dependerão do modelo e condições específicas do cliente. Todavia, como já adiantamos, acredita-se que essa é a melhor opção para quem está em busca de uma Honda.

Continua após a publicidade

Financiamento de moto Yamaha

O mesmo ocorre com o financiamento do Banco Yamaha. Por estar ligado à montadora, espera-se que sejam oferecidas vantagens, segurança e comodidade ao fazer a compra. 

São oferecidas as modalidades de CDC, CDB – Investimentos e Floor Plan, uma forma de financiamento de estoque. 

No caso do CDB, é emitido um título pelo Banco Yamaha, que representa um investimento. No final do prazo contratado, ele vai gerar a remuneração negociada.

Para saber detalhes sobre o financiamento, que sofrerá variações de acordo com o modelo escolhido, é preciso ir até uma concessionária. A lista com os endereços está no site do banco, indicado no link logo acima.

Continua após a publicidade

Como fazer a portabilidade de financiamento de veículo?

Para fazer a portabilidade de financiamento de veículo, você deve, primeiramente, solicitar o saldo da dívida no banco atual.

Após isso, o banco novo será responsável por quitar esse valor e, somente depois disso, será possível “recomeçar” o pagamento das parcelas de onde parou. 

Muitas pessoas têm dificuldade de solicitar a portabilidade no banco e é possível que eles ofereçam certa resistência para isso. Porém, é importante ressaltar que é um direito do cliente e deve ser realizado sem restrições.

Antes de oficializar a vontade de trocar de banco, compare os valores, não somente de juros, mas também o valor do CET, que já falamos por aqui.

Continua após a publicidade

Ademais, será preciso passar por todo um novo processo de aprovação de crédito. Por isso, tenha insumo suficiente para mostrar ao banco novo que você terá condições de arcar com as parcelas.

Como o procedimento pode variar de banco para banco, procure pela sua instituição financeira atual e solicite a portabilidade por lá.

Quanto de score precisa para financiar um veículo?

Esta pergunta é muito comum, mas infelizmente não existe uma quantidade específica de pontos para garantir o financiamento.

Dentro da análise de crédito feita pelo banco, não é analisado apenas esse sistema de pontuação, então é importante entender que a resposta simples não será encontrada.

Continua após a publicidade

De toda forma, há um consenso a respeito do que é um “bom score” e o que não é. Geralmente, pontuações acima de 700 pontos são notas boas para conseguir financiar.

Pessoas que tenham uma pontuação entre 400 e 700 podem conseguir, mas com alguma dificuldade em garantir bons valores em alguns casos.

Quem tem o score até o número 400 dificilmente será aprovado. Isso acontece porque a pontuação reúne uma série de características que apontam para o banco se uma pessoa é ou não boa pagadora.

E, para o banco, quanto mais garantias dessa chance de pagamento, melhor. Por isso, se este for o caso, a primeira medida para conseguir o financiamento de veículo é restaurar sua saúde financeira. Saiba como aumentar o score.

Continua após a publicidade

É possível fazer um financiamento de veículos para negativados?

Os financiamentos normalmente exigem uma garantia, o que aumenta a segurança da instituição na operação financeira.

Ainda assim, pelos riscos da inadimplência, a maioria das instituições não fazem o financiamento para clientes negativados.

As pessoas que estão negativadas demonstram para o mercado que não conseguiram arcar com suas obrigações financeiras e contrataram produtos de crédito além do que poderiam pagar.

Então, como emprestar uma quantia para alguém que já não está conseguindo gerenciar suas atuais despesas, certo? 

Continua após a publicidade

Assim, em uma análise para concessão de financiamento, as instituições costumam verificar os seguintes pontos:

  • análise de restrições;
  • perfil de crédito;
  • renda;
  • análise documental.

Por isso, entenda quais são aqueles que podem te prejudicar de conseguir o acesso ao crédito e procure organizar sua vida financeira antes de tentar o financiamento.

Existe um financiamento de veículos sem entrada?

Na hora de buscar por um financiamento de veículos, quanto melhores forem as condições de contratação, mais interessante a opção será para o cliente.

E a isenção de entrada pode ser uma condição muito atrativa já que a pessoa não terá a obrigação de pagar um valor inicial para ter seu veículo dos sonhos.

Continua após a publicidade

Nesse sentido, é mais comum oferecer o benefício na hora de financiar veículos usados. Mas instituições como o Santander e Banco do Brasil oferecem a modalidade mediante uma análise de crédito.

Por isso, lembre-se que você precisará, entre outras coisas, ter um bom score e demonstrar ser um bom pagador.

Ainda assim, é possível que nem todas as pessoas consigam, até mesmo aquelas que apresentam boas comprovações.

Busque, então, pelo seu banco ou instituição financeira de preferência, e analise as condições específicas para ter acesso a esse serviço.

Continua após a publicidade

Mesmo se não conseguir, lembre-se que muitas delas pedem um valor pequeno de entrada, por volta de 10%, então invista nesse tipo de alternativa também.

Juros absurdos de financiamento de veículos: como evitar?

Conforme já adiantamos, não são somente os juros absurdos de financiamento de veículos que devem ser evitados. 

Outras taxas e produtos podem ser embutidos ao preço final sem que o consumidor perceba.

É justamente por isso que alguns financiamentos com juros baixos ou inexistentes podem sair mais caros do que aqueles que não aparentam ser a melhor opção do mercado.

Continua após a publicidade

Por isso, vale a pesquisa. Entenda quais são as empresas que mais fazem sentido para você e, depois disso, coloque tudo no papel.

O simulador de financiamento de veículos é importante por isso, afinal, você terá resultados práticos e poderá comparar, na ponta do lápis, todos os valores que estão em jogo.

Lembre-se: venda casada é crime

Uma das práticas que eram comum no mercado de financiamento era embutir seguros na negociação, seja de vida, seja residencial.

Na verdade, não existia um critério para esse tipo de procedimento ilegal e, em alguns casos, até mesmo títulos de capitalização eram embutidos na negociação sem que o cliente percebesse.

Continua após a publicidade

Acontece que, de acordo com a Lei n० 8078, a prática tornou-se um crime, que também é explicado no Código de Defesa do Consumidor.

Um seguro para quitar as parcelas do financiamento em caso de acidentes ou morte do financiado pode ser oferecido, porém, suas condições devem estar claras na proposta e a contratação deve ser facultativa, ou seja, não determinante para a liberação do financiamento.

Como fazer a transferência de financiamento de veículo?

Se você decidiu vender ou se desfazer do seu veículo durante o financiamento, será preciso transferir essa dívida.

Para isso, é preciso pagar uma taxa, que depende do banco e pode chegar aos R$ 600 reais. Também será necessário ir até o Detran e pagar a taxa de transferência do veículo.

Continua após a publicidade

Sobre os valores, eles são diferentes de acordo com as regiões do Brasil. 

No ato da solicitação, que deverá ser feita no banco, é preciso apresentar os documentos do interessado pela troca, como:

  • RG;
  • CPF;
  • comprovante de renda atualizado;
  • comprovante de residência;
  • holerites;
  • Imposto de Renda;
  • extrato bancário;
  • Certificado de Registro do Veículo (CRV);
  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Além disso, o veículo não pode estar com multas ou impostos atrasados, por esse motivo, lembre-se do IPVA e outros encargos!

Depois, o banco deverá fazer a aprovação da transferência. Não se esqueça de passar as chaves do carro para o novo interessado apenas quando o processo estiver formalizado e a titularidade trocada.

As quantias que já foram pagas em contrato deverão ser subtraídas, e é feito um novo cálculo de parcelas para quitar o débito.

Continua após a publicidade

Bônus: como funciona o leilão de veículos recuperados de financiamento?

Existem pessoas que, infelizmente, não conseguem dar continuidade ao pagamento do financiamento. Assim, o banco pode tomar a posse do bem.

No caso dos carros financiados em CDC, esse processo normalmente é judicializado e demora certo tempo. Porém, no caso dos leasings, isso pode acontecer de forma muito mais rápida.

Tais medidas são legais e previstas no contrato do financiamento, lembrando que no CDC o carro está em alienação fiduciária e no leasing, sendo usado como se fosse um aluguel, não é mesmo?

Assim, carros que são recuperados pelos bancos podem ir à leilão. As instituições financeiras optam por esse tipo de evento para recuperarem o prejuízo que tiveram com o financiamento não pago e, claro, porque manter uma frota de carros não está relacionado a sua atividade principal e causaria mais prejuízo com a depreciação dos ativos.

Nesses eventos, os carros são ofertados com preços mais baixos e o maior lance leva o carro. A negociação, então, é concluída com o pagamento e transferência de titularidade do bem entre o banco e o novo proprietário do veículo.

Publicidade