Limite de pagamento por aproximação passa a ser de R$ 200

Karina Carneiro
Karina Carneiro
pessoa realizando pagamento por aproximação em máquina de cartão
O limite de pagamento por aproximação foi alterado. Com isso, a tecnologia passa a englobar aproximadamente 80% das transações de cartão.

Por conta da alta demanda de utilização, a partir de agora, o limite de pagamento por aproximação será mais alto.

Os consumidores poderão realizar pagamentos de até R$ 200 sem a necessidade de inserir a senha do meio de pagamento. 

Continua após a publicidade

Com essa mudança, cerca de 80% das transações realizadas com cartões poderão ocorrer por meio da solução, de maneira mais simples e rápida. 

O ajuste foi aprovado pela diretoria da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs) na última quinta-feira, 17.

Entenda melhor a mudança de limite de pagamento por aproximação

Essa é a segunda mudança de limite de pagamento por aproximação em 2020. Em julho, o limite máximo para pagamentos de compras no cartão de crédito sem senha era de R$ 50, mas foi modificado para R$ 100. 

Todas essas alterações, inclusive, são realizadas por conta do grande aumento de consumidores que estão utilizando essa alternativa para realizar pagamentos, impulsionada principalmente pela pandemia da Covid-19

Para o presidente da Abecs, Pedro Coutinho, a mudança chega para atender uma demanda de consumidores cada vez mais ávida por essa solução de pagamento.

“Vimos uma evolução no mercado importante. Antes, por exemplo, nem todos os dispositivos aceitavam o NFC [sigla em inglês para Near Field Communication, comunicação por campo de proximidade, em português]. Agora temos uma base de quase 100% dos devices [equipamentos]. O aumento dessa base e do incentivo têm permitido esse crescimento exponencial”, disse à Folha de São Paulo. 

Além disso, a associação assegura que testou e avaliou a segurança do sistema antes de colocá-lo em funcionamento. 

“É uma modalidade que continua completamente segura. Fizemos esse mapeamento e não houve nenhum problema significativo desde que o primeiro aumento, de R$ 50 para R$ 100, aconteceu em julho. Também deu tudo certo com todos os pilotos que fizemos com o novo limite de R$ 200”, afirmou.

NFc não pretende competir com PIX

Segundo Coutinho, a solução de pagamento, apesar de ter um propósito bastante similar ao PIX, possui objetivos diferentes.

O meio de pagamento instantâneo lançado pelo Banco Central em novembro visa a transferência de valores em qualquer horário do dia, visando facilitar e desburocratizar as transferências bancárias.

Já o NFC tem o propósito de atuar diretamente nas compras com cartão, principalmente em relação ao crédito. 

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push para continuar recebendo os conteúdos relacionados ao universo financeiro. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.