Juro real bate 1,17% e atinge nova taxa mínima histórica

O juro real acumulou mais um percentual negativo por conta da queda da curva de juros. Projeções de inflação também contribuíram para o resultado.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

Em cenário em que pressões inflacionárias no curto prazo se tornaram ainda mais frequentes, o juro real se manteve abaixo do zero, atingindo novamente mínimas históricas.

De acordo com o cálculo realizado pelo Valor Data, a partir do contrato de Swap de 360 dias, o valor está avaliado em -1,17%, número mais baixo desde 2002, início da série histórica.

Continua após a publicidade

O resultado do juro real está relacionado ao alívio no mercado de juros mostrado na semana passada. Isso ajudou a reduzir os prêmios de riscos gerais, e consequentemente, fez com que os valores diminuíssem.

Entenda o histórico do juro real

De acordo com as informações do Valor Investe, o resultado de juro real veio após a análise de comportamento da inflação para o ano de 2021.

Economistas como Sebástian Brown e o estrategista Drausio Giacomelli, do banco alemão Deutsche Bank, a oferta maior do que o esperado é uma das causas do resultado. Além disso, a mudança relativa de preços influencia na situação.

O centro da meta de inflação do Banco Central (BC) será em torno de 3,75%. Apesar disso, eles acreditam o índice médio para 2021 poderá ficar em torno de 3,5%, embora a média esperada seja de 5,2%.

No relatório aos clientes da instituição, alguns pontos foram estiveram de maneira mais analítica, como o preço de atacado com aumento substancial.

“Para que a mudança nos preços relativos se mantenha, a demanda interna deve encolher e isso requer gastos públicos reprimidos. Se as autoridades se mantiverem no teto de gastos, isso é o que deve acontecer”, disseram Brown e Giacomelli ao Valor Econômico.

Projeção futura

Sobre a política monetária, os analistas do Deutsche Bank acreditam que os juros reais ainda estarão “muito baixos, precisando ser normalizados”.

A expectativa para isso, no entanto, é a de que a taxa Selic suba e passe a vale 3% até o fim de 2021.

Quer continuar acompanhando tudo o que acontece sobre o universo financeiro? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push para receber todos os conteúdos.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.