O Brasil é o país com maior número de usuários de cartões na América Latina. Somando os cartões de crédito e débito, são mais de 513 milhões de unidades em circulação no país – uns dois e meio por pessoa, em média. Mas quantos usuários ainda não sabem, por exemplo, como funciona o limite do cartão de crédito, mesmo usando esse meio de pagamento diariamente?

Ao mesmo tempo em que lidera em número de cartões em circulação, o Brasil possui uma multidão maior que a população da Argentina em inadimplentes. São mais de 60 milhões de pessoas com contas em aberto, boa parte deles enrolados com o cartão de crédito, o meio de pagamento com as maiores taxas de juros do mercado. Parece um contrassenso. E, na verdade, é mesmo.

Continua após a publicidade:

Muita gente se perde na história de dividir seus débitos em suaves prestações, acaba comprometendo seus orçamentos mais do que deveriam mas, ao mesmo tempo, não hesitam em aumentar o limite do cartão de crédito sempre que são autorizados..

Neste artigo vamos ensinar o primeiro passo para não entrar nessa bola de neve. Quer saber como funciona?

Continua após a publicidade

Como funciona o limite do cartão de crédito?

O limite do cartão de crédito é um valor que o seu banco te permite utilizar em compras usando este meio de pagamento. Ele é definido, basicamente, por dois fatores: a sua comprovação de renda e seu perfil de bom pagador (ou seja, quem ganha mais e paga em dia pode ter um limite maior).

Este limite sobre o valor total de gastos pode funcionar, basicamente, de duas maneiras.

O primeiro é como um valor mensal, que se encerra com o pagamento da fatura. Se você tem um limite de R$ 2 mil mensais, por exemplo, e fez uma compra de R$ 700, seu limite ficará em R$ 1.300 até o fechamento da fatura. Para que seu limite volte aos R$ 2 mil no próximo mês, é preciso que você pague o boleto.

O segundo é como um valor total. Nesse caso, se você tem um limite de R$ 2 mil, mas faz uma compra de R$ 2 mil dividida em 10 parcelas sem juros de R$ 200, seu limite já está esgotado. Dessa forma, no próximo mês, quando você pagar a primeira parcela da compra, vai liberar apenas R$ 200 como limite para a próxima fatura. Assim, seu limite de R$ 2 mil só será restabelecido depois que você pagar todas as parcelas dessa compra.

Como aumentar ou reduzir o limite do cartão de crédito

Antes esse processo era bastante burocrático e envolvia uma negociação com o gerente de conta na agência. E, certamente, sua solicitação passaria por uma nova análise de perfil para saber se o banco poderia te conceder algum aumento no limite do cartão.

Continua após a publicidade

Hoje, é mais fácil controlar o limite do cartão de crédito, seja por meio da internet banking ou aplicativo. Também é possível acionar o atendimento do banco via telefone para pedir um limite maior ou menor.

Alguns tipos de cartões de crédito também oferecem a uma função de “liga/desliga”, que você pode acionar sempre que achar necessário para que os gastos não fujam do controle.

3 formas de não estourar o limite do cartão

Planeje as suas compras

Sim, a gente sabe que, muitas vezes, é preciso fazer um gasto emergencial e o limite do cartão de crédito está aí para isso mesmo. Mas a melhor forma de não se endividar com esse meio de pagamento é planejar suas compras.

Se você precisa fazer um gasto maior – como comprar um eletrodoméstico ou eletrônico, por exemplo – tente escolher uma época para compra em que, além de conseguir alguma promoção, esse gasto não se some a outros. Dessa forma você evita que os gastos com cartão fiquem mais pesados em determinada época, dificultando o pagamento dessa dívida.

Continua após a publicidade

Acompanhe os gastos diariamente

O cartão de crédito e, portanto, seu limite de crédito, é um meio de pagamento e não um bônus dado pelo banco a você. Por isso mesmo, é preciso acompanhar seus gastos regularmente. Alguns aplicativos de banco te permitem fazer um acompanhamento bem simples de seus gastos como, por exemplo, a divisão por categorias (transporte, alimentação, lazer, moradia).

Com esse tipo de ferramenta, ao longo do tempo você vai tendo uma ideia do seu perfil como consumidor, quais são os seus gastos fixos e onde é possível cortar para ter mais dinheiro sobrando.

Com esse acompanhamento, só assume novas dívidas quando você tiver de onde remanejar. A ideia é: você até pode gastar R$ 200 a mais em vestuário esse mês, desde que tire uma quantia semelhantes de uma (ou mais) categorias.

Lembre-se dos juros

A taxa de juros do cartão de crédito é uma das maiores do mercado e atrasar a fatura desse meio de pagamento é uma péssima decisão – desde que você não queira jogar seu dinheiro fora.

Continua após a publicidade

Portanto, uma boa maneira de não perder o controle com as compras e estourar o limite do seu cartão de crédito é pensar nos três dígitos de juros do cartão de crédito rotativo e que, se você entrar em uma bola de neve financeira envolvendo esse meio de pagamento, será muito difícil sair.

A dica prevalece: planeje suas compras, acompanhe os gastos e corra dessa taxa de juros.

Pagar menos juros importa para o seu dinheiro, certo? Mas sabe o que também importa? Ter informações confiáveis e conteúdo exclusivo sobre tudo o que ronda o mercado. Não deixe de assinar a newsletter da iDinheiro para conferir, semanalmente, na sua caixa de entrada do email um conteúdo relevante sobre o que mais importa para o se dinheiro.

Publicidade