#economia

Alta da Selic: Entenda os impactos

#economia

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu pela décima alta seguida na Selic nesta quarta-feira (04).

#economia

A taxa básica de juros da economia subiu 1 p.p., chegando a 12,75% ao ano — o maior patamar desde janeiro de 2017.

#economia

O mercado financeiro já esperava a alta, que havia sido informada pelo BC no último encontro, em março.

#economia

Diante desse cenário, o iDinheiro reuniu a visão de especialistas para entender melhor os efeitos práticos do aumento da taxa Selic e as expectativas para as próximas reuniões do Copom. Confira a seguir.

#economia

Impactos do aumento da Selic

#economia

Como aponta Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o Brasil saiu na frente de outros países na elevação dos juros.

#economia

Com isso, o país tem uma das taxas reais mais elevadas do mundo. Fernando também destaca que o aumento da Selic tem efeito muito limitado para reduzir preços de produtos do dia a dia do consumidor.

#economia

Na verdade, o aumento da Selic tem outros efeitos práticos na vida dos brasileiros, já que a taxa serve como base para a definição de outras taxas, como as usadas para empréstimos, financiamentos e até os rendimentos de alguns investimentos.

#economia

Além disso, com o aumento da Selic, o consumidor tende a gastar menos, em especial com mercadorias e serviços, gerando um desaquecimento da economia.

#economia

A alta pode deixar o crédito mais caro, já que as instituições financeiras acompanham a variação da Selic para definir as taxas de juros de empréstimos e do cartão de crédito.

#economia

O professor e coordenador da pós-graduação em Mercado Financeiro e Capitais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília César Bergo também destaca outro efeito indireto na vida dos consumidores pela alta nas taxas de empréstimos:

#economia

“A alta da Selic pode encarecer os produtos, tendo em vista que, muitas vezes, os estabelecimentos precisam financiar o estoque, então existe um aumento no custo desse financiamento e acaba sendo repassado para o preço final dos produtos, encarecendo assim o consumo”.

#economia

Outra taxa que também acompanha a Selic é a relativa aos financiamentos. No caso específico do setor imobiliário, de acordo com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), apesar do aumento, ainda existem boas perspectivas para o setor:

#economia

“A taxa dos financiamentos imobiliários é atrelada à remuneração da poupança e a mesma não irá subir na mesma proporção que a Selic”.

#economia

O aumento da taxa Selic também impacta as aplicações de renda fixa.

#economia

Como destaca Ricardo Jorge, sócio e analista de renda fixa da Quantzed, empresa de tecnologia e educação para investidores, com taxas mais altas, os investimentos em renda fixa se tornam ainda mais atrativos, principalmente o Tesouro Selic.

#economia

Apesar dessa expectativa, o professor César aponta que nesse momento a taxa Selic está empatada com a inflação, então não há um ganho real nos investimentos:

#economia

“Mas a medida em que a inflação venha a cair e a taxa de juros seja mantida, o investidor vai passar a ter um ganho real nos investimentos”, acrescenta.

#economia

O que esperar para os próximos meses

#economia

Esse cenário de escalada da Selic preocupa os economistas e associações como a Abit:

#economia

“A economia já está sofrendo, o consumo andando de lado e as famílias, endividadas. Por isso, não há mais motivo para esse torniquete monetário, que aumenta o custo de carregamento da dívida do governo e o do financiamento das atividades produtivas”.

#economia

No entanto, segundo previsões do Grupo Consultivo Macroeconômico da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), a Selic deve continuar em alta, chegando a 13,25% na próxima reunião, prevista para junho.

#economia

O economista César Bergo compartilha a mesma expectativa do Grupo. Para ele, o ponto principal para entender o impacto e as perspectivas futuras é a inflação.

#economia

Neste cenário, segundo o economista, há uma expectativa de queda da inflação porque a taxa de juros tenta, indiretamente, frear o consumo. Assim, diminui-se também a liquidez da economia, o que, teoricamente, também contribui para a queda da inflação.

#economia

“De maneira geral, a Selic deve continuar subindo. Provavelmente, o BC deve subir mais 0,5% dessa taxa na próxima reunião do Copom. Já no segundo semestre a tendência é que a queda da inflação leve também à queda da taxa Selic. Então, a Selic deve fechar o ano com uma taxa próxima a 12 ou 11%”, diz.

#economia

Saiba mais sobre o último aumento da Selic.

#economia

Gostou do conteúdo? No iDinheiro abordamos os principais temas que impactam o seu bolso!