Os bancos acionistas da bandeira de cartões Elo começaram a discutir possibilidades entre a venda da parte de alguns dos bancos acionistas ou a possibilidade de uma abertura de Oferta Pública Inicial de Ações (IPO), segundo informações divulgadas pela Valor Econômico

Atualmente, a terceira principal bandeira de cartões de crédito do País pertence às instituições financeiras Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Bradesco

Continua após a publicidade:

É possível que é ideia tenha partido da Elopar, a joint venture comandada entre o Bradesco, com 50,01% das ações e do Banco do Brasil, com 49,99% da empresa. Desta maneira, o grupo tem o controle majoritário em relação a Caixa Econômica, com 56,96%.

Visão sobre os cartões Elo divergentes entre os acionistas

Em uma sociedade que já dura a quase dez anos, os bancos parece que estão começando a ter ideias divergentes sobre as tomadas de decisões e posicionamentos no mercado financeiro atual. De acordo com a reportagem publicada na Valor, a Caixa Econômica seria a parte mais interessada na abertura de capital da empresa, com o objetivo de captar mais recursos. Inclusive, essa opinião é de conhecimento público, já que o presidente do Banco, Pedro Guimarães, já disse ser a favor do sistema de uma abertura de mercado de capitais para os cartões Elo. 

Essa medida vem sendo bastante impulsionada pelo método de pagamento de cartões virtuais, que vem sendo utilizado e muito bem recebido pelo público que vem utilizando através do benefício do auxílio emergencial, através do aplicativo Caixa Tem.

Enquanto isso, o Bradesco vem se mostrando mais resistente quando a esta decisão, analisando se realmente a viabilidade de uma IPO é importante para o atual momento dos cartões Elo no mercado, mas não descarta a possibilidade.

O Banco do Brasil, por sua vez, acredita que o caminho atual seja a venda da sua participação na bandeira, já que, de acordo com a gestão de Rubem Novaes, a instituição já havia traçando planos de sair da sociedade, considerando que “A Elo é um ativo que não é difícil de se desfazer”.

Como fica a empresa em um possível cenário de venda?

Por ser uma bandeira de cartão em crescimento constante, de acordo com alguns interlocutores envolvidos neste tema, algumas bandeiras internacionais já teriam demonstrado interesse em participar do negócio atual. Desta maneira, aos olhos do Banco do Brasil, a venda de sua parte seria uma opção viável. 

Atualmente, os cartões Elo contam com aproximadamente 132 milhões de tarjetas emitidas, entre as opções de crédito e débito em todo o território nacional, segundo informações divulgadas no site oficial.

Assim, os cartões Elo possuem atualmente, cerca de 15% de participação neste mercado, o que chamaria bastante a atenção de bandeiras internacionais que desejam se posicionar ainda mais no mercado financeiro. Mas, caso a venda seja realizada para uma destas instituições, a bandeira perderia seu propósito inicial, que é o de ser uma bandeira totalmente brasileira, voltada para o público de menor renda. 

Procurados pela redação da Valor Econômico, Bradesco, Caixa Econômica e Banco do Brasil não se manifestaram sobre o assunto. 

Quer continuar acompanhando todas as novidades do mercado? Não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro. 

Publicidade