O empréstimo pessoal pode ser uma boa alternativa em alguns casos, quando necessitamos de dinheiro com urgência ou para quitar dívidas com altos juros, mas esse recurso deve ser utilizado com muita cautela. Para saber tudo sobre empréstimo pessoal, continue a leitura! 

O que é empréstimo pessoal?

Empréstimo pessoal é a modalidade de crédito voltada para a pessoa física, em que o cliente determina o valor que necessita e solicita à instituição financeira. Em seguida, a instituição irá fazer a análise de crédito do solicitante (caso ele não possua limite de crédito pré aprovado na instituição) e, se for  aprovado, o valor será liberado diretamente em sua conta corrente.

Como funciona? 

O empréstimo pessoal pode ser contratado na própria sede da instituição financeira, ou ainda de maneira totalmente on-line. 

Em geral, essa modalidade de crédito é de contratação rápida, e a liberação do valor solicitado se dá sem muita burocracia. É feita uma análise do score do cliente: considera-se seu histórico de pagamento, para a partir daí definir sua capacidade de honrar a dívida contraída ao fazer o empréstimo. 

Pelo fato de as instituições não terem muita garantia de pagamento, as taxas de juros praticadas são mais altas do que as do empréstimo consignado (modalidade exclusiva para beneficiários do INSS, funcionários públicos e de empresas privadas), por exemplo, quando há desconto diretamente na folha de pagamento de quem toma o empréstimo.

Em muitos casos, pode-se tomar um empréstimo pessoal sem que haja garantia de pagamento, como um imóvel ou veículo próprio. Nesse caso, a taxa de juros tende a ser mais alta, já que há maior risco de inadimplência do solicitante. 

Para quais situações é indicado?

Muitas pessoas ainda se sentem muito inseguras na hora de tomar um empréstimo pessoal. Contudo, essa pode ser uma boa alternativa nos seguintes casos: 

  1. Urgências. Para emergências, como custear um tratamento médico de valor alto ou realizar uma obra muito necessária em casa, por exemplo, e não temos uma reserva financeira que seja suficiente.

  1. Dívidas. Muitos usam o empréstimo pessoal para quitar em uma só parcela uma dívida mais cara. Pode ser muito mais vantajoso tomar um empréstimo a juros relativamente baixos comparados a outras modalidades de crédito oferecidas no mercado. As dívidas do rotativo do cartão de crédito e as do cheque especial são os melhores exemplos. 

  1. Negócios. Para abrir ou fazer melhorias em seu negócio. Embora existam linhas de crédito específicas para os pequenos e microempreendedores, pode ser que o empréstimo pessoal seja a melhor opção para investir no seu negócio.

    Se esse é o seu caso, você deve ter atenção redobrada para não misturar suas finanças pessoais com as finanças da sua empresa. É fundamental ter essa distinção bem clara para não comprometer seu orçamento pessoal e o da sua família, e também a sustentabilidade financeira do seu negócio. 

  1. Projetos. Você também pode usar para antecipar a realização de um grande projeto. Se você quer muito fazer uma festa de casamento incrível, uma grande viagem ou um curso importante, o ideal é organizar seu orçamento, cortando custos para juntar a quantia necessária para pagar à vista. 

Contudo, em alguns casos pode ser menos custoso pagar as parcelas do empréstimo. Mesmo assim, tenha em mente que a realização do empréstimo deve ser feita com muita consciência e planejamento, especialmente nesse caso. 

Quem pode pegar um empréstimo pessoal?

As condições variam de acordo com a instituição financeira escolhida, mas geralmente é exigido que o contratante seja maior de 18 anos, tenha residência no Brasil e possua uma conta corrente, onde o valor será depositado. 

Quais os documentos necessários para pegar um empréstimo pessoal? 

Em geral, não é necessária muita burocracia. Basta a apresentação de um documento oficial com foto (RG ou CNH), comprovante de residência (conta de luz ou água recente, de preferência no nome do solicitante) e comprovante de renda. 

Quais instituições concedem empréstimo pessoal? 

Fique atento, pois os prazos, condições e, principalmente, as taxas de juros, podem variar bastante de uma instituição para a outra. Em geral, essas são as instituições que oferecem empréstimo pessoal: 

Financeiras: são as instituições cuja atividade principal é emprestar dinheiro. Você deve contratar um empréstimo em uma financeira só em último caso, já que em geral são as empresas que praticam os juros mais altos para crédito pessoal. 

Fintechs: chegaram com a proposta de mudar o sistema financeiro e trazer uma série de benefícios aos clientes. As fintechs costumam oferecer condições mais favoráveis para os empréstimos, com juros mais baixos e a possibilidade de realizar todo processo pela internet, com total segurança para os seus dados. 

Bancos: alguns bancos podem oferecer condições especiais e limite de crédito pré aprovado para seus correntistas. Nesse caso, vale a pena conversar com seu gerente para tentar melhores condições de pagamento, como redução na taxa de juros ou maior prazo para o pagamento da primeira parcela, por exemplo. 

Lojas de departamento: em geral, as grandes lojas de departamento como Renner, C&A, Riachuelo, Marisa etc possuem acordos com bancos e financeiras, e podem conceder empréstimos aos seus clientes que possuem o cartão da loja. 

Cuidados ao tomar empréstimos

Para não ter dores de cabeça posteriores e realizar todo o processo da forma correta, atente-se aos seguintes pontos: 

Pesquise sobre a empresa 

Faça o empréstimo apenas em instituições conhecidas no mercado. Caso opte por fazer um empréstimo 100% on-line, certifique-se que o site é seguro. Para fazer essa verificação é muito simples: basta ver se há um cadeado no canto superior esquerdo da tela, na barra de endereço do seu navegador. Também vale a pena consultar a reputação da instituição nas redes sociais e em sites como o Reclame Aqui.

Faça os cálculos corretos

Faça um cálculo preciso de quanto irá necessitar, para evitar ter que realizar outro empréstimo depois, gerando ainda mais juros.

Não confie em tudo 

Desconfie de propostas que parecem demasiado atrativas, com taxas de juros muito abaixo daquelas comumente praticadas no mercado. Como já visto, em casos específicos, as taxas de juros podem ser realmente mais baixas, como tomar empréstimos em fintechs ou os empréstimos consignados. Fora dessas situações, esteja atento.

Não faça pagamentos antecipados

Nenhuma instituição séria pede que você realize algum depósito ou pague alguma taxa antes da liberação do valor solicitado. Se for cobrada alguma taxa para realização de análise de crédito, por exemplo, desconfie.

Atenção à análise de crédito 

Todas as instituições financeiras reconhecidas no mercado fazem uma minuciosa análise do crédito do solicitante. Esse é o momento em que a instituição avalia os riscos de perda financeira, pois irá considerar a capacidade do cliente saldar a dívida. Caso não haja essa análise, esse também é um motivo para ficar atento.  

Segurança sempre!

Para a sua segurança, certifique-se que está realizando o empréstimo com a própria instituição financeira escolhida, e não com alguém se fazendo passar por ela. Faça uma pesquisa sobre os acordos e parcerias da instituição financeira, e também se ela atua por meio de correspondentes. 

Infelizmente, existem muitas pessoas mal intencionadas que se fazem passar por empresas com boa reputação no mercado, ou que dizem trabalhar em parceria com elas, fique muito atento a esse tipo de fraude. 

Leia bem o contrato

Não assine o contrato antes de tirar todas as suas dúvidas. Embora essa dica pareça óbvia, muitos ainda assinam documentos, principalmente contratos, sem compreender totalmente seu teor. 

Não fique ansioso demais, e não ceda a eventuais pressões do colaborador da instituição financeira. Leia atentamente o contrato e não se sinta envergonhado por perguntar tudo que for necessário. Uma das funções do atendente da instituição financeira é orientá-lo e esclarecer todas as suas dúvidas. 

Verifique se, além dos juros, você irá pagar mais alguma multa no caso de atraso do pagamento. É claro que o ideal é pagar as parcelas regularmente, na data de vencimento. Contudo, imprevistos acontecem, e você deve evitar contrair uma dívida maior do que o necessário e esperado. 

Planeje-se! 

Se você decidiu pegar um empréstimo pessoal para quitação de uma dívida mais cara, como a do cartão de crédito, aproveite a oportunidade para rever suas finanças. Caso você tenha contraído as dívidas anteriores por descontrole e falta de planejamento, coloque suas finanças novamente sob controle.

Refaça seu controle mensal de despesas, anote todos os seus gastos (desde os maiores, como aluguel ou prestações do automóvel, até os aparentemente inocentes, como os lanches ou gastos em aplicativos de transporte, por exemplo), reveja todas as despesas que podem ser substituídas ou retiradas. 

Ao passar por esse processo pode ser que você descubra que há diversas maneiras de reduzir custos sem sacrificar tanto a sua qualidade de vida e a da sua família, basta utilizar os recursos de maneira mais consciente. 

Limite-se ao valor necessário 

Tenha em mente o valor do qual necessita e atenha-se a ele. Caso seu limite no banco pré aprovado seja de um valor mais elevado ou ofereçam a você um valor maior do que você precisa, resista à tentação e solicite apenas o valor necessário. 

Pode soar como uma boa ideia dispor de um valor extra agora, mas lembre-se que, quanto maior o valor tomado emprestado, mais alto o valor das parcelas ou maior o tempo até que você possa se livrar das dívidas. 

Fique atento a possíveis cobranças indevidas 

Ao contratar um empréstimo, verifique se não há mais nenhum outro produto não solicitado embutido no contrato. Fique atento pois, em muitas instituições, aproveitam para vender um produto que o cliente não deseja adquirir, mas acaba “passando”, devido à falta de clareza de informações e transparência no contrato. 

Infelizmente essa prática é muito frequente, e o exemplo mais comum é a venda de seguros. Certifique-se que não há outros produtos inseridos no contrato, e só adquira outro produto se assim desejar e estiver certo de que será vantajoso para você. Do contrário, recuse ou considere fechar o empréstimo com outra instituição financeira.

Dúvidas frequentes

Sim, é possível fazer um empréstimo mesmo que seu CPF esteja com restrições. Contudo, você precisa ter o CPF de uma outra pessoa que esteja com o “nome limpo”. Essa pessoa vai atuar como uma espécie de fiador.

Depende da instituição financeira, mas caso seu crédito seja aprovado na análise, em geral pode levar 48 horas úteis para que o valor caia na conta corrente do contratante. Em algumas instituições, esse prazo pode cair para um dia útil.

Não. O empréstimo pessoal nao funciona como o financiamento, quando a concessão do crédito está atrelada a uma determinada finalidade (financiamento habitacional, financiamento de veículo, financiamento universitário etc). Você não é obrigado a informar a destinação que vai dar à quantia que irá tomar emprestada.

Sim. Nesse caso, a instituição financeira pode solicitar uma declaração de autônomo, seus extratos bancários dos últimos meses ou a sua declaração do Imposto de Renda para fins de comprovação de renda.

Sim, inclusive é uma ótima ideia para pagar menos juros e se livrar de uma vez da dívida. Ainda que você não disponha da quantia para efetuar o pagamento integral, vale a pena antecipar o pagamento de mais parcelas, sempre que possível. 

Considere a possibilidade de usar os valores extras que você recebe (um terço de férias, décimo terceiro salário, restituição do Imposto de Renda etc) para adiantar o pagamento das parcelas do empréstimo. 

Fique atento, pois algumas instituições financeiras podem tentar dificultar de alguma maneira o pagamento integral ou adiantamento de algumas parcelas, para que assim o cliente pague mais juros. Tal prática é ilegal, já que o banco ou qualquer outra instituição financeira tem a obrigação de aceitar o pagamento adiantado de parcelas. 

Considerações finais

Tomar um empréstimo pessoal não deve ser encarado como um grande drama, ou gerar ansiedade, receio ou insegurança. Com um bom planejamento e, sobretudo, consciência da situação real das suas finanças, é possível que o empréstimo pessoal funcione como um grande aliado do nosso bem-estar financeiro.  

Reforçamos a importância do planejamento, principalmente se o empréstimo pessoal for empregado para quitar outras dívidas. Precisamos sempre repensar a maneira de lidar com as nossas finanças e nossas crenças relacionadas a elas. 

Assine a Newsletter do iDinheiro e receba toda semana conteúdo exclusivo sobre o que importa para o seu dinheiro.