O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central iniciou no dia 16 de junho de 2020 a 231ª reunião para discutir a meta para a taxa básica de juros, também conhecida como taxa Selic, para o próximo período.

Finalizada na quarta-feira, 17, a taxa Selic foi redefinida para 2,25% ao ano, com um novo recorde histórico em sua evolução. Antes da modificação, ela estava 3,0% ao ano.

Mas a pergunta principal é, você sabe qual a influência dela na sua vida?

O que é a taxa Selic?

Seu nome vem da abreviação de Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), que é um sistema que opera os títulos públicos federais. Portanto, a taxa Selic é calculada a partir do valor das operações de empréstimos entre eles.

A taxa Selic também é uma ferramenta de controle monetário do governo para controlar a inflação que, por sua vez, impacta no volume de consumo dos brasileiros.

É preciso manter a economia do país saudável, fazendo com que o volume de consumo e investimentos seja favorável para seu desenvolvimento.

Assim, se a inflação está alta, o Banco Central, aumenta a taxa Selic e, se ela está baixa, diminui o indicador para estimular o consumo, fomento de negócios, empregos, etc.

Mas não é só no estímulo ao consumo que ela impacta na vida dos consumidores já que ela também é a referência para investimentos e até balizadores dos créditos ofertados pelos bancos privados que usam o CDI para suas operações.

Qual a relação com o CDI?

A taxa Selic é calculada a partir das movimentações de empréstimos entre bancos públicos e o CDI, que significa Certificado de Depósito Interbancário, seria o equivalente para as instituições financeiras privadas.

Ou seja, é a taxa calculada a partir das operações de empréstimos entre os bancos privados, contudo, nesse caso, ela acompanha a Selic com um percentual pouco menor.

Juntos, a taxa Selic e o CDI são indicadores que influenciam tanto os empréstimos quanto os investimentos, assim, quando o Copom promove mudanças na taxa básica de juros, essas operações também são impactadas.

Como a taxa Selic influencia as operações de empréstimo?

Um dos motivos para diminuir a taxa Selic é estimular o consumo e, por isso, normalmente a oferta de crédito também fica mais barata.

Quem precisa contratar um empréstimo pode encontrar condições de contratações melhores e quem já possui um contrato vigente pode avaliar com a instituição financeira se é possível renegociar as condições.

Outra opção factível é fazer a portabilidade do empréstimo para outra instituição que esteja com condições mais favoráveis no valor da parcela mensal ou quitação integral.

Como a taxa Selic influencia os investimentos?

Nos investimentos, tanto a taxa Selic quanto o CDI são indicadores de performance de alguns títulos de renda fixa e, quando a meta da taxa básica de juros diminui, o desempenho desses papéis também tende a reduzir.

O rendimento da poupança para novas aplicações, por exemplo, é de 70% da taxa Selic acrescido da TR (Taxa Referencial) ao ano para quando a taxa básica de juros está abaixo de 8,5% ao ano.

Ou seja, com a taxa Selic ajustada para 2.25% ao ano, o rendimento da poupança será:

70% de 2,25% + TR = 1,58% + TR ao ano

A TR atualmente está zerada, ou seja, o rendimento mensal é de 0,13%. Se você tem R$10.000,00 aplicados por 30 dias na poupança, no final desse período conquistará um rendimento de R$13,00.

Seguindo essa lógica, se a taxa Selic estiver muito baixa, o rendimento de algumas aplicações, como é o caso da poupança, pode ficar igual ou abaixo da inflação e o recurso do investidor perderá seu poder de compra.

O mesmo vai valer para o CDI, que está sempre acompanhando a taxa Selic, o que torna importante avaliar outras opções de investimentos, ainda que conservadores, mas que protejam o valor da aplicação.

Percebe como o acompanhamento da reunião do Copom e a definição da taxa Selic pode influenciar sua vida mais do que você imaginava? Então, aproveite para compartilhar esse conteúdo com quem você também acha que deveria saber disso.