Rentabilidade dos fundos de ações: categoria foi a melhor nos últimos dois anos

A rentabilidade dos fundos de ações foi melhor em 85,8% das vezes nos últimos dois anos, segundo levantamento. Saiba mais informações.

LilianCH
Lilian Calmon

A rentabilidade dos fundos de ações foi melhor em 85,8% das vezes nos últimos dois anos. As carteiras de multimercados, com investimento em diferentes ativos, ficaram em segundo lugar, passando a rentabilidade dos seus índices de referência em 76,7% das vezes. Já os fundos de renda fixa tiveram melhor performance em 59,2% das vezes.

Os dados são de um levantamento da Comdinheiro a pedido da Folha de S. Paulo. Foram considerados os cinco maiores fundos de investimentos de renda fixa, ações e multimercados e seus respectivos retornos ao final dos últimos 24 meses no período entre 28 de setembro de 2018 e 31 de agosto de 2020.

Continua após a publicidade

Com informações da Folhapress.

Rentabilidade dos fundos de ações: a influência do ambiente político e macroeconômico do país

A rentabilidade das carteiras acompanha o ambiente político e macroeconômico do país. Em 2020, ela foi influenciada pela redução da taxa básica de juros, com a migração dos investidores para a renda variável, a percepção da recuperação da economia e o resultados das empresas na pandemia. 

Os retornos limitados em renda fixa, por exemplo, tiveram seu papel na migração dos investidores para ativos mais arriscados e mais rentáveis.

Embora a pandemia tenha desencadeado um maior volume de resgates na indústria de fundos no primeiro momento, as carteiras multimercados ganharam força em meados do primeiro semestre, explicou o analista de fundos da Ativa Investimentos, João Sang, em entrevista à Folhapress.

“Essa migração para multimercados mais agressivos ou até mesmo fundos de ações ou que investem no exterior se intensificou. Mas é preciso cuidado. Muitas pessoas mudaram 100% do seu dinheiro para renda variável, e isso não pode acontecer”, destacou.

O movimento citado por Sang ocorreu depois do episódio chamado de “Corona Day”, que marcou o início da crise provocada pela Covid-19. Em uma semana, a Bolsa de Valores brasileira registrou quatro circuit breakers, que é a interrupção dos negócios por conta de quedas muito significativas.

O que esperar para os próximos meses

Para os próximos meses, há riscos domésticos e internacionais que merecem a atenção do mercado, disse o gestor de fundos da Kinea Investimentos, Marco Freire.

“Existe, por exemplo, a possibilidade de uma correção nos preços das Bolsas globais, que subiram muito nos últimos meses diante do avanço [dos papéis] das empresas de tecnologia. Já no Brasil, o principal risco é sempre a situação fiscal do país”, afirmou.

Para ler a matéria completa, acesse aqui.

Quer saber mais sobre rentabilidade dos fundos de ações? Então, assine a newsletter do iDinheiro e receba tudo em tempo real.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.