Com a popularização das criptomoedas no País, o Banco Central (BC) divulgou estar estudando uma regulamentação de criptoativos para inserir no Brasil e regulamentar de vez este método de pagamento. 

Pelo menos, essas foram as informações divulgadas por João Manoel Pinho de Mello, diretor de organização do sistema financeiro do BC.

Continua após a publicidade


Através de uma Live, promovida pela Genial Investimentos, o gestor disse que regulamentar as criptomoedas é uma das missões do Banco Central, até para que os investidores consigam sentir mais segurança ao realizarem transações. 

Já estamos estudando um método de fazer com que as transferências realizadas por criptomoedas sejam regulamentadas no País. Inclusive, no âmbito do Gafi (Grupo de Ação Financeira Internacional). Essa é uma necessidade para enquadramento internacional”, disse.

Essa é uma necessidade muito característica, já que o Brasil sempre foi um dos países mais adeptos de criptomoedas, como a Bitcoin. 

Criptomoedas e o PIX

Além disso, Mello também mencionou que a importância de regulamentar a transação das criptomoedas, conseguirá dar um maior direcionamento e assertividade para a transação eletrônica que passará a ocorrer com a implantação do PIX, sistema que será lançado em breve pelo BC.

Inclusive, o diretor afirmou que a ideia do PIX, como sistema de pagamento instantâneo, é a de justamente oferecer flexibilidade para que empreendimentos e consumidores consigam transacionar valores financeiros sem grandes complicações.

Por isso, trabalhar com modelos de criptomoedas se torna ainda mais essencial, levando em conta a confiança do consumidor brasileiro diante da solução de pagamento e sobre os conceitos empregados a respeito da Bitcoin

Criptomoedas e o reconhecimento pelo BC

Até o princípio, este se mostra o primeiro caminho favorável para uma “boa convivência” entre investidores, criptomoedas e Banco Central.

Afinal, quando as criptomoedas começaram a ganhar popularidade no Brasil, em meados de 2013, até a sua intensa popularidade em 2014, o órgão já encontrava maneiras de tentar taxas as transações da moeda digital.

Entretanto, uma longa discussão foi aberta entre o Brasil e outros países ao redor do mundo, mostrando que não tinham elementos suficientes para que taxas fossem aplicadas, já que esta moeda não pertencia a nenhum tipo de nação.

Desta maneira, a mídia tentou “apagar” o tema, fazendo com que os investimentos de criptomoedas, como o bitcoin e tantas outras, ficassem apenas entre pessoas que já operem no mercado financeiro ou tenham familiaridade com o assunto. 

No que isso muda a vida dos consumidores?

Caso o Banco Central realmente escolha regulamentar o uso das criptomoedas no Brasil, pessoas que desejem transacionar a moeda terão mais segurança nas operações, já que esta prática estará sendo autorizada por um órgão oficial.

Entretanto, não garante a segurança da transação, muito menos a legibilidade dos pagamentos.

Por isso, é muito importante que ao escolher trabalhar e operar transações com criptomoedas, você realmente saiba qual a procedência da operação e quem estará do outro lado para concluir o ato.

Quer continuar recebendo notícias sobre o universo das criptomoedas? Assine a newsletter do iDinheiro e acompanhe tudo sobre o tema.