Reajuste retroativo do plano de saúde deverá ser parcelado

A agência já considera certo que o consumidor não deverá pagar de uma vez o reajuste retroativo do plano de saúde. Saiba mais.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

Em breve, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) implementará o parcelamento do reajuste retroativo do plano de saúde de 2020 ao longo de 2021. O órgão divulgou informação na última terça-feira, 27. 

Com isso, a ANS já trata como certo o pagamento proporcional diluído nas mensalidades do ano que vem.

Continua após a publicidade

Com a pandemia da Covid-19, todos os planos de saúde do país foram obrigados a suspender o acréscimo anual até dezembro de 2020. 

Segundo a assessora da Diretoria de Normas e Habilitação das Operadoras (Diope) da ANS, Tatiana Aranovich, o pagamento proporcional já vem sendo discutido desde o meio do ano. 

“O que eu posso antecipar é que a ANS está discutindo algum quadro de parcelamento dessa recomposição no ano que vem. Os detalhes estão sendo discutidos, mas teremos algum parcelamento disso”, afirmou ao Estadão. 

Atenção ao reajuste retroativo do plano de saúde

Algumas instituições isentaram os consumidores do reajuste anual. Entretanto, a partir do ano que vem, as empresas estão autorizadas a fazer a cobrança do reajuste retroativo do plano de saúde.

Porém, segundo a diretora executiva da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Vera Valente, ainda não é possível falar sobre índices e formato de cobrança.

“Especular agora, no meio da pandemia, sobre como será o reajuste do ano que vem leva apenas mais intranquilidade às pessoas, que já estão oneradas pela questão da crise econômica, pelo desemprego. Ninguém sabe como vai ser porque a ANS ainda não definiu”, disse ao mesmo veículo.

Sobre a suspensão

A suspensão do reajuste do plano de saúde foi determinada pela ANS no final de agosto de 2020, após duras críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre os aumentos diante da situação de pandemia ocasionada pela Covid-19.

Com essa medida, quase 47 milhões de brasileiros foram afetados de maneira direta. 

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push para receber as informações em tempo real. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.