De acordo com a prévia realizada pelo Banco Central, divulgada nesta quinta feira (18), o nível de atividade econômica brasileira registrou uma retração de 9,73% em abril, na comparação com o mês anterior.

Como resultado da paralisação do comércio diante da pandemia provocada pelo novo coronavírus, o Brasil vive atualmente a maior retração para o período desde 2003.

As análises estão sendo feitas através do Índice de Atividade Econômica (IBC-BR), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), diante da somatória de todos os bens e serviços produzidos no País.

Esse resultado reflete os efeitos da pandemia do novo coronavírus de maneira direta, já que o mês de abril foi o primeiro de completa paralisação das atividades econômicas no Brasil. Inclusive, o número foi calculado após um ajuste de “compensação” para que comparação pudesse ser realizada em períodos diferentes.

Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, o índice de queda da atividade econômica se mostra ainda pior se comparado com o mesmo período do ano anterior. O resultado foi a queda de 15,09% na economia interna. 

Em entrevista divulgada pelo portal G1, a economista Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGE), declarou que o mês de abril foi o “fundo do poço da economia brasileira”.

Além disso, Silvia ressaltou que o segundo semestre de 2020, provavelmente, será o pior momento, onde a expectativa de retração do mercado ultrapasse os 10%.

Como o PIB impacta nosso cotidiano?

Com a retração do Produto Interno Bruto (PIB), a vida da população brasileira pode ser afetada de diferentes maneiras. Apesar de ainda não conseguirmos identificar quais serão as consequências da situação, alguns pontos costumam ser frequentes em situações como essas. 

Confira abaixo, alguns pontos que podem sofrer impacto direto no seu cotidiano. 

Emprego

A desaceleração da economia, acaba trazendo diversos problemas para o mercado de trabalho de maneira geral. O desemprego, como já estamos acompanhando, costuma ser um dos principais fatores contribuintes para um PIB prejudicado.

Salário

Consequentemente, diante de crises financeiras onde o prejuízo passa a ser muito grande, as chances de um aumento de salário mínimo para o ano posterior costumam ser bastante remotas.

Consumo

Desta maneira, o consumo a população acaba sendo afetado de maneira direta, impactando em resultados de comércios varejistas e industriais, como já estamos acompanhando ao longo desses meses.