Governo, Notícias

Proposta quer ampliar seguro-desemprego para demitidos na pandemia

Lucas Pavanelli
Lucas Pavanelli
carteira de trabalho, representando ampliar seguro-desemprego

O governo federal analisa uma proposta para pagar cotas-extras do seguro-desemprego para trabalhadores demitidos durante a pandemia de covid-19 neste ano. O impacto financeiro é de R$ 16 bilhões.

O governo federal analisa uma proposta para ampliar seguro-desemprego ao pagar cotas-extras para trabalhadores demitidos durante a pandemia da covid-19 neste ano. O impacto financeiro é de R$ 16 bilhões.  

O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) analisa uma proposta nesse sentido desde julho. Conforme as regras, o governo pagaria duas parcelas adicionais ao benefício. Os trabalhadores contemplados são os que perderam o emprego entre março e dezembro deste ano. 

Continua após a publicidade

Governo tenta limitar benefício a 2020

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, o Ministério da Economia tem conseguido adiar a votação da proposta desde que ela foi apresentada. Ao mesmo tempo, o governo prepara a apresentação de uma contraproposta que implique em um custo menor.  

Hoje, quando um trabalhador perde o emprego sem justa causa, ele pode receber entre três e cinco parcelas do seguro-desemprego. O valor varia conforme o período em que o beneficiário esteve empregado e quantas vezes ele já recorreu ao auxílio. 

Durante as discussões do Codefat, os representantes do governo tentaram limitar até dezembro o pagamento das cotas-extras do seguro-desemprego.

Outra proposta levada para a mesa de discussões é que o benefício se enquadre como crédito extraordinário devido à situação de calamidade pública. Caso isso seja aceito, o seguro-desemprego não ficaria limitado pelo teto de gastos. 

O estado de calamidade pública vale até 31 de dezembro.

Ministério da Economia analisa ampliar seguro-desemprego

À Folha, o Ministério da Economia disse que analisa a “possibilidade financeira e jurídica da proposta sugerida pela bancada dos trabalhadores para que ela seja viável, dentro do atual regramento fiscal extraordinário”.

A contraproposta da pasta é bem mais enxuta. Seriam contemplados, os trabalhadores que já foram demitidos e estão recebendo o seguro-desemprego. Com isso, os gastos com a medida seriam inferiores a R$ 8 bilhões.  

O governo enquadraria os demais trabalhadores no formato atual do benefício. 

Esta matéria foi útil? Então assine a newsletter do iDinheiro e receba notícias sobre tudo o que importa para o seu dinheiro em tempo real no seu e-mail.

Publicidade

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *