Previdência privada: como funciona esse investimento para a aposentadoria e outros objetivos

Após uma vida de trabalho, nada mais justo que ter uma aposentadoria tranquila. A previdência privada se torna, então, uma opção para quem não quer depender somente do governo para garantir uma renda futura.

melissa nunes perfil
Melissa Nunes
Previdência privada: VGBL ou PGBL?
VGBLPGBL
Vida Gerador de Benefício LivrePlano Gerador de Benefício Livre
– Para quem declara IR no modelo simples– Para quem declara IR no modelo completo
– Sem dedução tributária– Dedução tributária de até 12%
– IR incide sobre o rendimento– IR incide sobre o total acumulado
– Tributação progressiva ou regressiva– Tributação progressiva ou regressiva

Previdência privada: como funciona esse investimento para a aposentadoria e outros objetivos

Em meio a um cenário de crise, em que muitas pessoas estão trabalhando de forma informal ou desempregadas, muitos se perguntam: quando vou conseguir me aposentar?

A aposentadoria se torna ainda mais distante quando se leva em conta a Reforma da Previdência, que aumentou idade e o tempo de contribuição necessário para que homens e mulheres se aposentem. Nesse contexto, depender apenas do dinheiro a ser recebido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no futuro pode ser arriscado para quem quer garantir uma aposentadoria tranquila.

Continua após a publicidade

A previdência privada se torna, então, uma opção de complementação para os que não querem depender apenas do governo para garantir conforto na velhice. A dificuldade, porém, é escolher a instituição ideal. Todas elas são fiscalizadas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), mas têm cobranças diversas, que podem corroer o seu rendimento.

Dito isto, vamos esclarecer como funciona esse tipo de investimento. Neste artigo, você verá:

  • o que é previdência privada;
  • qual sua diferença para a previdência social;
  • como funciona a previdência privada;
  • vantagens e desvantagens;
  • tipos de previdência;
  • taxas e tributações;
  • algumas opções de previdência privada;
  • tipos de fundos de previdência;
  • perguntas frequentes sobre o assunto;
  • e muito mais!

O que é previdência privada?

A previdência privada é uma opção de aposentadoria que não está ligada ao sistema INSS, mas que pode funcionar de forma suplementar à previdência pública. Basicamente, é um fundo de investimento onde o patrimônio de um conjunto de investidores é investido em busca de rentabilidade e proteção de capital.

Continua após a publicidade

A ideia é fazer aportes constantes e obter uma remuneração para que, no futuro, você possa ter um valor maior do que aquele pago pelo INSS, que está limitado, atualmente, a R$ 6.433,57.

Além da aposentadoria, a previdência complementar também é útil para a conquista de objetivos de longo prazo, como:

  • comprar um imóvel;
  • pagar a faculdade dos filhos;
  • fazer um intercâmbio.

De toda forma, é importante esperar o vencimento combinado para ter o máximo aproveitamento do seu dinheiro. Recomenda-se que este prazo seja de no mínimo 6 anos. Além disso, existem diferentes planos e regimes de tributação, que interferem na remuneração efetivamente recebida.

Por isso a importância de escolher bem dentre as diversas instituições bancárias, já que cada uma oferece diferentes planos de previdência privada, os quais diferem em relação ao valor pago ou tempo de resgate.

Qual a diferença em relação à previdência social?

inss ou previdência privada

A previdência social (ou previdência pública) é oferecida pelo governo e, portanto, segue um conjunto de regras que não cabem ao beneficiário decidir.

Continua após a publicidade

No caso da previdência privada, o cliente pode escolher o tipo de plano, o valor da contribuição e a periodicidade em que ela será feita.

Outra diferença é que, no caso da previdência social, o dinheiro só pode ser resgatado quando o indivíduo se aposentar, ou seja, quando atingir idade ou tempo de serviço comprovados. Quem opta pela previdência privada pode escolher exatamente quando o valor investido será resgatado, podendo o montante ser devolvido caso haja desistência do plano.

Ainda assim, vale salientar que a previdência privada não substitui a previdência social. Mesmo profissionais liberais devem continuar colaborando com o INSS para ter acesso a benefícios como auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão, pensão por morte, salário-família e salário-maternidade.

Como funciona uma previdência privada?

Como falamos, a previdência complementar é um fundo de investimento. Esse é um tipo de investimento em que diferentes investidores aplicam seu dinheiro e o capital é administrado por um gestor especializado. É ele quem vai definir onde o dinheiro será aplicado, de acordo com a política seguida pelo fundo. Por exemplo, pode ser investido mais em renda fixa ou em renda variável.

Continua após a publicidade

Portanto, o nível de risco do plano depende desses fatores. Mas, em geral, os planos de previdência privada são investimentos bastante seguros, rentáveis e flexíveis, ideais para quem quer garantir resgates a longo prazo.

Existem duas fases principais nos planos de previdência privada:

  • o período de acumulação;
  • e o período de usufruto do benefício.

No primeiro, o cliente da previdência privada deve fechar um contrato com a instituição bancária de preferência, fazer um investimento inicial e decidir qual será a contribuição mensal e por quanto tempo. Depois, é só seguir o plano.

Quanto ao usufruto, é possível escolher como o dinheiro será resgatado:

  • de forma única;
  • mensalmente por um tempo determinado;
  • ou mensalmente de forma vitalícia.

A escolha da forma como dinheiro será resgatado depende muito do perfil do clienteAqueles que sabem lidar com investimentos podem preferir receber parcela única e gerir eles próprios o dinheiro para ele continuar rendendo. Já quem tem menos controle pode preferir o pagamento mensal. 

Quanto ao pagamento vitalício, é importante se informar o que ocorre com o restante do dinheiro caso o contratante venha a falecer. Em alguns casos, convém apontar um beneficiário para receber esse capital.

Continua após a publicidade

Vantagens e desvantagens da previdência privada

Assim como qualquer produto de investimento, a previdência privada também tem seus lados bons e ruins. Então, vale a pena entender se esse produto é, realmente, o que faz mais sentido para você ou se é melhor procurar outras estratégias.

vantagem Vantagens

  • é uma forma de juntar dinheiro para o futuro;
  • seu capital é gerido por um profissional;
  • os planos são bastante flexíveis;
  • você pode fazer uma portabilidade caso esteja insatisfeito com seu plano;
  • a renda da previdência privada pode servir para complementar a aposentadoria pública;
  • dependendo do tipo de plano, pode haver benefício tributário;
  • a cobrança de impostos se dá apenas no período de resgate ou usufruto do plano.

desvantagens Desvantagens

  • cobrança de taxas de administração e carregamento que podem prejudicar a rentabilidade do fundo;
  • dependendo do plano, pode ser mais vantajoso investir por conta própria;
  • não há liquidez, ou seja, não é possível resgatar seu dinheiro a qualquer momento;
  • para quem não precisa de benefício fiscal ou não faz sentido a sucessão patrimonial, geralmente não vale a pena.

Tipos de previdência privada

vgbl ou pgbl

Ao escolher um plano de previdência privada, é necessário optar entre dois principais planos:

  • PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre
  • VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre

Uma informação importante é que, uma vez escolhido o plano, não é possível trocar de modalidade, mesmo fazendo portabilidade para outra instituição, por exemplo. Portanto, atente-se aos detalhes descritos a seguir antes de tomar sua decisão!

PGBL

A condição mais relevante do plano PGBL é que ele permite uma vantagem tributária ao investidor: o abatimento de até 12% da base de cálculo do imposto de renda. Mas isso só faz sentido para quem contribui regularmente para o INSS e declara imposto de renda pelo modelo completo.

Para facilitar o entendimento, veja um exemplo:

Suponhamos que você possua uma renda de R$ 200.000,00 anuais. Nesse caso, será tributada uma alíquota de 27,5% de imposto de renda na fonte. Assim, a retenção seria de R$ 55.000,00 anuais (200.000 x 27,5%).

Continua após a publicidade

No entanto, se ela contribuir com até 12% do valor da sua renda anual em um plano de previdência PGBL, ou seja, R$ 24.000 (200.000,00 x 12%), terá a restituição da alíquota de 27,5% de imposto de renda sobre esse valor, correspondente a R$ 6.600,00 (24.000 x 27,5%).

Mas, antes de achar que está se dando bem, entenda que isso é só uma troca: o imposto que você não pagou hoje, será pago na hora do resgate. Isso porque, quando for usufruir do benefício, o imposto de renda incidirá sobre o valor total do plano (o principal das contribuições mais os rendimentos).

VGBL

Já nos planos VGBL, não há a condição de abatimento da base do imposto de renda. Por outro lado, a tributação de IR ocorre somente sobre os rendimentos, enquanto que no PGBL a tributação incide sobre o total do valor resgatado.

Continua após a publicidade

Então, se você aplica um total de R$ 400.000,00 em um plano VGBL, e ele rende até chegar a um valor de R$ 600.000,00, por exemplo, a cobrança de IR acontece somente sobre o lucro de R$ 200.000,00 (600.000 – 400.000).

O VGBL, portanto, funciona como uma espécie de seguro pessoal, sendo mais indicado para quem entrega a declaração simplificada do Imposto de Renda. Além disso, ele também é válido para quem pretende investir mais do que 12% de sua renda tributável. 

Taxas e tributações

Investir em previdência privada envolve custos de taxas e tributações, por isso, não esqueça de prestar atenção nesse aspecto antes de escolher o plano, a fim de evitar prejuízos.

Uma tarifa que não há como escapar é a taxa de administração: todos os planos oferecidos por instituições bancárias cobram essa taxa, alguns mais e alguns menos. É o preço cobrado pelo serviço de administrar seu dinheiro. Ainda assim, procure um plano que tenha uma taxa aceitável e não prejudique sua rentabilidade.

Outra tarifa cobrada por alguns planos é a taxa de carregamento, que incide sobre todos os aportes e tende a ser maior quando o produto contratado é mais “simples”. Porém, você pode buscar opções que tenham taxa de carregamento isenta, já que essa possibilidade é bastante comum hoje em dia.

Continua após a publicidade

Por fim, a tributação de imposto de renda incide sobre o valor investido na previdência privada. Nesse caso, existem duas tabelas de tributação que o cliente pode escolher: a regressiva e a progressiva.

Antes de apresentá-las, vale ressaltar que é possível migrar de um plano com tributação progressiva para um com tributação regressiva, mas não o contrário.

Tabela regressiva

A tabela regressiva é baseada no tempo de aplicação. Isso significa que quanto maior for o prazo de investimento, menor é a alíquota aplicada. Por isso, é um regime indicado para quem pretende deixar o dinheiro aplicado por um longo período (de preferência, mais de 10 anos). As faixas são:

Tempo de Acúmulo de CapitalAlíquota aplicada
0 – 2 anos35%
2 – 4 anos30%
4 – 6 anos25%
6 – 8 anos20%
8 – 10 anos15%
> 10 anos10%

Tabela progressiva

Continua após a publicidade

Na tabela progressiva, o que importa não é o tempo de permanência no plano, mas o quanto você vai receber como renda na hora de usufruir do benefício. Assim, quanto mais você ganhar, maior é a alíquota cobrada. As faixas de valores são as mesmas para o recebimento de salário:

Base de Cálculo (R$)Alíquota ($)Parcela a deduzir do IR ($)
Até 1.903,98
1.903,99 – 2.826,657,5142,80
2.826,66 – 3.751,0515354,80
3.751,06 – 4.664,6822,5636,13
Acima de 4.664,6827,5869,36

Por fim, caso você decida fazer um resgate parcial ou total do plano, o IR pago é de 15%, independentemente do valor. Na declaração anual, pode haver ajustes para mais ou para menos.

Algumas opções de previdência privada

Diversas instituições financeiras podem oferecer planos de previdência privada. Vejamos, então, algumas opções disponíveis, tendo em mente que condições como taxas e prazos podem ser definidos individualmente com cada banco.

logo da caixa econômica federalPrevidência Privada Caixa
check markContribuições a partir de R$ 35
check markSem taxas de entrada
check markAssistências gratuitas para crianças
check markBenefícios para mulheres

Confira mais informações neste artigo ou no site da Caixa.

logo do banco bradescoPrevidência Privada Bradesco
check markPlanos de renda fixa, multimercado e renda variável
check markAssistência funeral familiar
check markAssistência pet
check markCondições diferenciadas em planos para jovens

Mais informações neste artigo. Faça simulações e obtenha outras informações no site do Bradesco.

logo do banco itaúPrevidência Privada Itaú
check markContribuições a partir de R$ 1,00
check markCarteiras diversificadas
check markPossibilidade de exposição ao mercado internacional
check markTaxa zero de carregamento na entrada e na saída

Confira maiores informações aqui e veja a tabela de rentabilidade no site do Itaú.

logo do banco santanderPrevidência Privada Santander
check markFundos de gestão ativa
check markCarteiras diversificadas
check markContribuições a partir de R$ 30
check markSimulador de previdência

Leia nosso artigo com todas as informações ou confira o site do Santander.

logo do banco do brasilPrevidência Privada Banco do Brasil
check markPlanos Brasilprev
check markTaxa zero de carregamento na entrada e na saída
check markContribuições a partir de R$ 100
check markSimulador de previdência

Saiba mais sobre a BB previdência aqui. É possível realizar simulação e saber mais sobre os planos no site do Banco do Brasil.

logo da seguradora sulaméricaPrevidência Privada SulAmérica
check markPortfólio de fundos diversificado
check markFundos administrados pela SulAmérica Investimentos
check markFlexibilidade nas contribuições
check markAssistência Escola Online no plano Educaprevi

Para entender mais, dê uma olhada neste artigo ou consulte o site da SulAmérica.

logo da corretora xp investimentosPrevidência Privada XP
check markMais de 50 planos disponíveis
check markTaxas de administração competitivas
check markEstratégias diferenciadas
check markTaxa zero de carregamento na entrada e na saída

Saiba mais sobre a previdência da XP neste texto ou veja mais detalhes no site da corretora.

logo da seguradora porto seguroPrevidência Privada Porto Seguro
check markContribuição inicial de R$ 1.000
check markAportes mínimos de R$ 200
check markPlanos individuais, para crianças ou planejados
check markSimulador de previdência

Saiba mais neste artigo ou faça uma simulação no site da Porto Seguro.

logo do banrisulPrevidência Privada Banrisul
check markFundos BanrisulPrev
check markContribuição inicial a partir de R$ 1.000
check markTaxa zero de carregamento na entrada e na saída
check markPossibilidade de coberturas adicionais

Veja mais neste artigo ou confira as informações no site da Banrisul.

logo da seguradora icatuPrevidência Privada Icatu
check markPortfólio de fundos diversificado
check markTaxa zero de carregamento na entrada
check markPossibilidade de coberturas adicionais
check markSimulador de previdência

Para saber mais, veja nosso artigo ou consulte o site da Icatu Seguros.

Cuidados ao escolher fundo de previdência privada

Ao escolher um fundo de previdência privada, além de escolher por um plano PGBL ou VGBL e um regime progressivo ou regressivo, outros detalhes devem ser observados:

Continua após a publicidade

  • taxas: quando muito elevadas, podem prejudicar seus aportes e a rentabilidade do fundo. A taxa de carregamento, por exemplo, pode ser cobrada na aplicação e “come” parte do seu dinheiro (se você aporta R$ 100 e a taxa de carregamento é de 3%, quer dizer que, na verdade, vai aportar só R$ 97);
  • risco x retorno do fundo: o investidor deve ficar atento às estratégias adotadas pelo fundo. Em quais ativos o fundo investe? São mais conservadores ou mais arriscados? É um fundo de renda fixa ou um fundo balanceado, com parcela do patrimônio em açõesConheça seus objetivos e perfil de risco antes de escolher o fundo;
  • carência: fique atento no prazo de carência do seu fundo de previdência. O prazo mínimo é de 60 dias, mas pode ser que ele tenha uma carência de 1 ano, por exemplo, e você não conseguirá fazer resgates no primeiro ano de contribuição.

Tipos de fundos de previdência privada

Como falamos acima, para investir em previdência privada o primeiro passo é definir seu perfil como investidor e escolher um tipo de plano que se adeque ao que você espera e aos seus objetivos. Isso porque os planos de previdência privada oferecidos por instituições financeiras são divididos pela composição da carteira, que podem adotar estratégias mais conservadoras ou mais arriscadas.

A Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) classifica 23 tipos de fundos de previdência, existentes em 4 categorias. São elas:

  1. renda fixa: esse tipo de fundo busca rendimento em investimentos de renda fixa, como títulos públicos, debêntures, CDBs, entre outros, incluindo papéis emitidos no exterior. É uma opção mais segura, mas que também traz rendimentos mais baixos;
  2. balanceados: os fundos balanceados buscam retorno de forma diversificada, por meio de investimentos como renda fixa, ações ou câmbio. Trazem um pouco mais de risco, mas ainda são seguros pois apostam que no longo prazo eventuais perdas podem ser compensadas e são mais rentáveis que os de renda fixa.
  3. multimercados: no caso dos fundos multimercado, os recursos são aplicados em diversos tipos de ativos, seguindo regras específicas. Trazem ainda mais rentabilidade e um risco a mais;
  4. ações: esse tipo de fundo investe, pelo menos, 67% da carteira em ações e outros ativos (bônus de subscrição, cotas de fundos de ações, etc). É, portanto, uma opção mais indicada para perfis mais arrojados.

8 perguntas frequentes sobre previdência privada

perguntas sobre previdência privada

Ao fazer um investimento, é bastante normal que hajam diversas dúvidas, já que, geralmente, uma grande quantia em dinheiro está envolvida. Por isso, separamos algumas questões que podem te ajudar nesse processo.

1. Como funciona o resgate antecipado?

Caso você venha a precisar do seu dinheiro, é possível realizar o resgate antecipado da previdência privada. Para tal, basta entrar em contato com a instituição financeira em que plano foi contratado.

Continua após a publicidade

No entanto, o saque total dos recursos só pode ser feito depois de cumprido um prazo de carência – que deve ser de no mínimo 60 dias e no máximo 2 anos, a partir da contratação. Já no caso de saques parciais, a carência é de 60 dias a 6 meses.

Mesmo assim, o resgate antecipado não é recomendado. Isso porque a previdência privada é um investimento para seu futuro e, retirando o dinheiro antecipadamente, não será possível usufruir dele durante a aposentadoria. Além disso, dependendo da tabela de I.R. escolhida, progressiva ou regressiva, o resgate antecipado pode trazer prejuízos para o indivíduo.

Por exemplo, se você escolhe a tabela regressiva e realize o resgate nos primeiros dois anos do fundo, a alíquota aplicada no imposto de renda será de 35%, ou seja, uma perda de mais de um terço do seu investimento.

Para a tabela progressiva, o resgate implica em uma retenção de 15% de IR na fonte, mas, na sua declaração anual, pode ser necessário pagar uma diferença.

Continua após a publicidade

Enfim, antes de contratar uma previdência, tenha certeza de que esse dinheiro pode ficar investido no longo prazo. Assim, você evita perdas e impostos desnecessários.

2. Como fazer uma simulação?

Normalmente, as instituições bancárias que oferecem planos oferecem um simulador de previdência privada, como você pode constatar em algumas das opções apresentadas anteriormente. Para fazer a simulação basta preencher dados pessoais básicos e escolher critérios, como: tipo de previdência escolhida, por quanto tempo deseja colaborar e com quanto dinheiro.

Como dito, existem várias opções diferentes de planos oferecidos em diferentes bancos, então as condições oferecidas em cada simulação serão diferentes. Você pode realizar simulação em algumas instituições bancárias que têm interesse antes de contratar o plano de previdência privada para ter certeza de estar fazendo a melhor escolha.

3. Como declarar previdência privada no imposto de renda?

É muito importante que o contribuinte registre planos de previdência privada PGBL e VGBL na hora de realizar declaração de imposto de rendaMas não se preocupe, é bastante fácil:

Continua após a publicidade

  • VGBL: registre na ficha “Bens e Direitos”, sob o código 97. Na “discriminação”, coloque as informações descritas na apólice. Em “situação“, informe o saldo bruto;
  • PGBL: informe na ficha “Pagamentos e Doações Efetuados”, sob o código 36. Insira o CNPJ e nome da instituição onde tem seu plano e as contribuições feitas no ano. Após, o próprio programa do IRPF realizará o cálculo do limite de 12% de isenção permitido.

Caso você tenha feito algum resgate do seu plano de previdência, também precisa informá-los:

  • regime regressivo: na ficha “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva”, selecione o código 6. Informe o CNPJ e o nome da fonte pagadora, além do valor resgatado;
  • regime progressivo: em “Rendimentos tributáveis recebidos de pessoa jurídica”, preencha os campos de acordo com seu informe de rendimentos. Para o PBGL, coloque contribuições e resgates. Para VGBL, apenas os resgates.

4. Qual o rendimento da previdência privada?

O rendimento da previdência privada varia de acordo com o plano escolhido. O tipo de fundo (renda fixa, balanceado, multimercado e ações) influencia muito no rendimento, sendo que os fundos mais arriscados trazem mais ganho.

Fatores como tributação e taxas também podem influenciar na porcentagem que o cliente receberá anualmente em cima do que for investido.

5. Como fazer a portabilidade de plano?

Se você está insatisfeito com seu plano, pode realizar a portabilidade, isto é, a troca de plano de previdência privada na mesma instituição ou para outra, desde que não haja mudança do tipo de plano.

O processo de portabilidade normalmente não é muito burocrático e é feito inteiramente pela instituição do plano para o qual se deseja trocar. A nova empresa entrará em contato com a antiga, que é obrigada, por lei, a acatar o pedido de portabilidade.

Continua após a publicidade

Para isso, não é preciso resgatar o dinheiro nem pagar imposto de renda ou outros custos, mas é preciso esperar uma carência, normalmente de 60 dias.

Assim, a portabilidade pode ser uma boa opção para quem percebeu, depois da contratação, que as taxas estão muito altas ou a rentabilidade não é o que esperava. 

6. Como cancelar previdência privada?

Para cancelar a previdência privada, você precisa entrar em contato com a instituição bancária escolhida para o plano.

Todo o dinheiro investido poderá ser resgatado na hora da quebra do contrato. Porém, não esqueça que haverá tributação do valor assim que ele for retirado do fundo, e, se tiver sido escolhida a tabela regressiva, pode ser descontada uma boa parcela de imposto de renda.

7. Como funciona o resgate da previdência privada?

No momento da contratação, o cliente pode escolher como realizará o resgate de seu fundo de previdência privada, ou seja, como vai desfrutar do seu benefício.

Continua após a publicidade

Existem três formas de resgate que são escolhidas no momento da contratação, mas que podem ser alteradas posteriormente. São elas:

  • integral: o investidor escolhe sacar todo o valor guardado de uma vez;
  • mensal temporário: o investidor recebe uma pensão mensal, de valor fixo, com data de início e fim;
  • mensal vitalício: o investidor recebe um valor fixo a partir de uma certa data, que continua sendo pago até a sua morte.

No caso do recebimento de uma renda mensal por período determinado, existe a chance do valor ser repassado para um beneficiário, em caso de falecimento do titular. No entanto, isso deve estar previsto em contrato.

8. Previdência privada pode ser penhorada?

Sim. Caso o cliente de um plano de previdência tenha uma dívida a ser penhorada, a Justiça tem acesso às suas informações bancárias por meio do Bacen Jud. A plataforma informa qualquer dinheiro que investidor tenha em contas e pode, assim, ser congelado o valor para o pagamento da dívida.

A lei de penhora de bens estabelece que a prioridade para bens penhorados é dinheiro físico ou aplicado em contas, estando a previdência privada no segundo caso.

Previdência privada ou tesouro direto?

Um dos investimentos mais seguros do país é o Tesouro Direto. Entre os títulos disponíveis, está o Tesouro IPCA+, bastante indicado para investimentos de longo prazo.

Entre as maiores vantagens desse título, está a proteção contra a inflação, pois ele sempre rende acima desse indicador. Além disso, as taxas para investir no Tesouro Direto são bem mais baixas, inclusive a alíquota do IR, cujo máximo é de 22,5%.

No entanto, o Tesouro IPCA+ pode acarretar em perdas financeiras caso seja resgatado antes do prazo estabelecido, e, por isso, também deve ser um investimento bem pensado.

Por outro lado, a previdência privada pode ser a melhor opção para quem pode desfrutar do seu benefício fiscal e da sua condição de sucessão patrimonial, já que esse tipo de investimento não passa por inventário. No mais, os fundos previdenciários também contam com diferentes estratégias, como falamos antes.

Então, antes de optar por um ou por outro investimento, tente identificar qual faz mais sentido para o seu objetivo.

Por fim, caso você queira saber mais sobre o tesouro direto, acesse este artigo explicando como utilizar o simulador do tesouro direto.

Qual a melhor previdência privada?

Escolher a melhor previdência privada depende muito do seu perfil de investidor e de quanto dinheiro você pretende investir. Existem várias opções no mercado, contemplando planos para perfis mais conservadores, moderados e arrojados.

Em setembro de 2020, a gestora Magnetis fez um levantamento dos fundos previdenciários mais rentáveis até setembro. A lista, com 20 fundos no total, ficou assim:

FundoRentabilidade
BB BRASILPREV EXTERIOR IV INVESTIMENTO NO EXTERIOR FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO37,56%
BRADESCO ASSURANCE 3 FI RENDA FIXA21,70%
BB BRASILPREV EXTERIOR III INVESTIMENTO NO EXTERIOR FI MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO20,29%
BRADESCO TOUCAN XXI REC FI RENDA FIXA16,66%
SANTANDER PREV ANNUITY FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO16,02%
BRADESCO ASSURANCE 2 FI RENDA FIXA14,29%
CSHG PROVENCE FI MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CRÉDITO PRIVADO14,26%
BRADESCO TOUCAN XXI HTM NR FI RENDA FIXA14,22%
BRADESCO TOUCAN XXXI HTM NR FI RENDA FIXA14,19%
BRASILPREV FIX ANNUITY FI RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO13,07%
ITAÚ FLEXPREV MACRO PREV FIC MULTIMERCADO12,60%
BB PREV PÚBLICO IGP-M I FI RENDA FIXA11,62%
PORTO SEGURO CONCEDIDOS TRADICIONAL FI RENDA FIXA11,50%
IBIUNA PREVIDÊNCIA FIC MULTIMERCADO11,15%
METLIFE MASTER S&P FI MULTIMERCADO11,08%
BRASILPREV TOP EXT 1 INVESTIMENTO NO EXTERIOR FI MULTIMERCADO10,86%
IBIUNA PREVIDÊNCIA FIFE FI MULTIMERCADO10,60%
IBIUNA PREVIDÊNCIA ICATU FI MULTIMERCADO10,54%
ARX K2 PREVIDÊNCIA FIC MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO10,04%
ARX SULAMÉRICA K2 INFLAÇÃO CURTA PREV FIC MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO9,91%

Nesse caso, o primeiro lugar é um fundo do Banco do Brasil que concentra seus investimentos em ativos do exterior, ou seja, possui exposição ao dólar. Assim, junto com a alta rentabilidade, também temos o alto risco. Além do mais, vale ressaltar que 2020 foi um ano atípico, devido à pandemia do Coronavírus, e que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Afinal, previdência privada vale a pena?

Agora que você chegou ao fim do texto, já sabe que existem várias vantagens e desvantagens de investir em previdência privada. Por exemplo, esse tipo de investimento traz o lado bom da comodidade e dos benefícios fiscais, mas tem o ônus de altas taxas cobradas, que podem diminuir o rendimento.

Caso você tenha conhecimento sobre investimentos e saiba gerir seu dinheiro sozinho, fazer a sua gestão financeira de forma individual pode ser mais rentável.

Por outro lado, se você não quer se preocupar com a gestão do seu dinheiro ou não tem tanta disciplina para economizar por conta própria, a previdência privada pode ser uma boa opção. Sendo esse seu caso, não esqueça de:

  • comparar os planos entre instituições financeiras diferentes;
  • considerar sua meta de renda futura para escolher um plano compatível;
  • analisar se outros tipos de investimentos podem fazer mais sentido para você.

Finalmente, além de investir para garantir a sua aposentadoria, é importante aprender a realizar um planejamento financeiro para ter um futuro mais tranquilo.

Se você gostou de saber mais sobre os planos de previdência privada, que tal receber mais informações relevantes? Assine a newsletter do iDinheiro e tenha acesso a informações úteis para a sua vida financeira.

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔

2 comentários

  1. Bruna regina

    Ele é sem anuidade? Como é forma de pagar a fatura?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.