No dia 11 de agosto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, perdeu dois secretários especiais, o Salim Mattar (Desestatização e Privatização) e Paulo Uebel (Desburocratização, Gestão e Governo Digital). Esta informação foi confirmada pelo ministro Guedes em uma entrevista coletiva após a reunião com o Rodrigo Maia (DEM-RJ), o atual presidente da Câmara dos Deputados.

Acredita-se que o pedido de demissão veio diante as dificuldades em colocar em prática as medidas para as quais foram convidados a exercer no governo do Jair Bolsonaro, que seriam as privatizações e a reforma administrativa. De acordo com o Salim, a privatização não está andando, enquanto o Uebel afirma que a reforma administrativa não está sendo enviada. Por causa dessas situações, ambos decidiram deixar os seus cargos.

Continua após a publicidade:

Para o ministro Guedes, esta situação não precisa ser escondida e inteira que atualmente houve sim uma debandada. Além da saída atual desses dois secretários, a sua equipe possui outros históricos de pedido de saída, sendo cinco deles nos últimos 30 dias.

O Mansueto Almeida saiu da sua função no Tesouro Direto, enquanto o Caio Megale deixou a diretoria de programas da Secretaria Especial da Fazenda. Além disso, o Rubem Novaes também fez o anúncio da sua saída na presidência do Banco do Brasil.

Mesmo com todo este ocorrido, o ministro Guedes afirmou que o governo vai avançar com as reformas. Inclusive, as ações para as reformas e privatizações estão caminhando em ritmo lendo devido as ações do próprio presidente.

A debandada na equipe do Paulo Guedes

Em ordem cronológica, confira o histórico de pessoas saíram da equipe de economia do ministro Guedes.

  • Joaquim Levy – deixou o seu cargo de presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em junho de 2019.
  • Marcos Cintra – foi demitido do seu cargo de secretário da Receita Federal em setembro de 2019.
  • Mansueto Almeida – pediu para sair do cargo de secretário do Tesouro Direto em junho de 2019, mas a exoneração foi publicada pelo governo apenas em julho de 2019.
  • Rogério Marinho – desocupou o cargo como secretário especial de Previdência em fevereiro de 2020 para ocupar o cargo de Trabalho para ministro do Desenvolvimento Regional.
  • Alexandre Manoel – saiu do cargo de Secretário de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (Secap) em março de 2020.
  • Marcos Troyjo – deixou a equipe do Guedes em julho de 2020 para pegar o novo cargo do governo, se tornando presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB).
  • Rubem Novaes – retirou-se do cargo de presidência do Banco do Brasil em julho de 2020.
  • Caio Megale – saiu do cargo na secretaria de Fazenda em julho de 2020.
  • Salim Mattar – desocupou o cargo de secretário especial de Desestatização em agosto de 2020
  • Paulo Uebel – formalizou a sua saída como secretário Desburocratização, Gestão e Governo Digital em agosto de 2020.

Publicidade