As dificuldades econômicas do Brasil causaram o fechamento de empresas no País. Somente durante a 1ª quinzena de junho, foram encerradas de maneira temporária ou definitiva 1,3 milhão de negócios. Desse total, 39,4% tiveram a pandemia como motivo principal, o que representou 522,7 mil encerramentos.

Do total de empreendimentos fechados, 99,2% eram de pequeno porte, ou seja, 518,4 mil. Ainda houve 4,1 mil empesas de médio porte e outras 110 de tamanho grande que encerraram suas atividades.

Continua após a publicidade


Os dados foram divulgados pelo IBGE, que realizou a Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas.

Outros dados do fechamento de empresas

Do total de negócios fechados na 1ª quinzena de junho, quase 50% eram do setor de serviços. O comércio representou 36,7%. A construção atingiu um índice de 7,4% e a indústria, de 6,4%.

Até o período analisado, a estimativa era a de que o Brasil tinha 4 milhões de empresas. Dessas, 67,4% estavam com funcionamento parcial ou total. Ainda havia 15% fechadas de modo temporário e 17,6% que encerraram as atividades de maneira definitiva.

Dos negócios ainda em funcionamento, 70% alegaram que a pandemia impactou negativamente. Para 16%, o efeito foi pequeno ou até inexistente. Ainda teve 14% que disseram ter um retorno positivo.

Além do mais, 7 em cada 10 empresas perceberam queda nas vendas de produtos ou serviços devido à pandemia. A comparação foi da 1ª quinzena de junho com o mês de março, quando as primeiras medidas para combater o novo coronavírus foram adotadas. Em relação às pequenas empresas, 70,9% perceberam redução das vendas.

Pagamento de tributos

O levantamento do IBGE fez uma estimativa sobre o pagamento de impostos pelas empresas. A projeção é que 1,2 milhão adiaram a quitação desses valores desde o começo de março. Isso representa 44,5% dos negócios em funcionamento.

Dessas que tomaram a decisão, 51,9% acreditaram ter recebido apoio do governo para adotar a medida. Mais de 348 mil (12,7%) conseguiram algum crédito emergencial para honrar a folha de pagamento desde o início da pandemia.

Empregos

Apesar do grande número de desempregados com a pandemia, 60% das empresas entrevistadas destacaram ter mantido a quantidade de colaboradores na 1ª quinzena de junho, quando comparado a março.

Outras 34,6% sinalizaram terem reduzido o quadro de funcionários. Dessas, mais de 32% diminuíram entre 26% e 50% o total de empregados. O objetivo foi manter o negócio em funcionamento.

É importante ressaltar que o fechamento das empresas tem vários motivos. A pandemia foi um dos principais, até mesmo por ter agravado outros problemas financeiros.

Achou interessante e quer continuar se atualizando? Assine a newsletter do iDinheiro e saiba mais.