Governo, Notícias, Política

Após negativa de Bolsonaro, deputados tentam criar novo programa de renda mínima

Lucas Pavanelli
novo programa renda mínima

Após o governo desistir do Renda Brasil, o Congresso articula uma alternativa: um novo programa de renda mínima, maior que o Bolsa Família.

Após o governo desistir do Renda Brasil de forma oficial, o Congresso começou a articular uma alternativa. A ideia é criar, pelo Legislativo, um novo programa de renda mínima que seja mais amplo que o Bolsa Família. De acordo com dados do governo, o programa social criado pelo governo Lula atendeu, em agosto, a 14,3 milhões de famílias. 

A proposta do presidente Jair Bolsonaro era substituir o Bolsa Família pelo Renda Brasil. No entanto, o governo se deparou com obstáculos impostos pelo Ministério da Economia, como o corte de benefícios de aposentados e deficientes. 

Continua após a publicidade:

Mesmo após decidir enterrar o “assunto Renda Brasil”, Bolsonaro disse que os benefícios das famílias de baixa renda seriam preservados.  

Novo programa de renda mínima deve ser mais amplo

Um dos partidos dispostos a alavancar a discussão sobre o novo programa de renda mínima é o PSB. De acordo com o líder do partido na Câmara, Alessandro Molon, a legenda deve apresentar um novo programa, que não pretende ser universal.

“Nem todo mundo receberá, apenas uma parte da população, que necessite. Que parte é essa, a gente vai decidir”, afirma. 

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o deputado Felipe Rigoni, do mesmo partido, diz que, para ampliar o Bolsa Família ou criar um novo programa de renda mínima, será preciso realizar reformas. 

“O que dá mesmo espaço é desindexar, converter o abono, e são temas difíceis de serem feitos”, diz.

Ainda de acordo com o deputado, caso isso seja feito, o novo programa de renda mínima poderia ter orçamento de mais de R$ 80 bilhões.

Agenda de desenvolvimento social

Caso a proposta de um programa de renda mínima não tenha apoio do governo, o parlamentar afirmou que é possível que o Congresso retome a agenda de desenvolvimento social. No entanto, seria necessário resgatar uma série de propostas lançadas no ano passado. 

Uma delas é uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que inclui o Bolsa Família na Constituição Federal e traz reajuste para os valores do benefício. 

Ainda em entrevista à Folha, o vice-líder do governo na Câmara, Izalci Lucas (PSDB-DF), acredita que, mesmo após a fala de Bolsonaro, o governo deve, sim, enviar uma nova proposta de renda mínima. Isso porque, do contrário, quem poderá sair por cima na história é o Congresso e não o Executivo. 

Esta matéria foi útil? Então assine a newsletter do iDinheiro e receba nossas atualizações em tempo real no seu e-mail.

Publicidade

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *