Bancos digitais e fintechs podem desenvolver serviços adicionais atrelados ao PIX

Buscando aumentar o portfólio de produtos, bancos digitais podem começar a lançar serviços adicionais atrelados ao PIX. Empreendedores são o maior foco.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

Visando maiores oportunidades de crescimento, os bancos digitais podem começar a desenvolver serviços adicionais atrelados ao PIX.

Em algumas instituições financeiras, inclusive, a meta é a de que os novos negócios possam representar até 30% do faturamento total nos próximos três anos. 

Continua após a publicidade

Por isso, empresas digitais, como os bancos e fintechs, devem ganhar maior mercado em relação ao consumidor, que busca por inovações práticas e ágeis em relação aos produtos bancários. 

Visando melhores oportunidades de crescimento abrangendo soluções aos empreendedores, serviços como agendamento de cobranças podem ser a primeira solução encontrada para lucrar com as novas tecnologias. 

Com informações do Valor Econômico.

Como os serviços adicionais atrelados ao PIX devem funcionar?

Bancos digitais e fintechs devem ganhar bastante espaço na preferência dos consumidores em relação aos serviços atrelados ao PIX.

De acordo com o diretor da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), Marcelo Martins, existem novas frentes de serviços sendo exploradas. Uma opção é o crédito instantâneo ou o sistema de “cash in / cash out” (entradas e saques 24h). 

O Banco Original, por exemplo, com aproximadamente 1 milhão de chaves de PIX cadastradas, tem como objetivo inserir pelo menos cinco novos métodos de captação de clientes baseados nesse tipo de serviços.

“Além de estimular empreendedores a adotar o sistema do Banco Central nas vendas, vamos ter oferta de crédito atrelada aos pagamentos e oferecer a nossa plataforma para outras fintechs, dentro do conceito de open banking”, disse o diretor executivo de TI, produtos e operações do banco, Raul Moreira, ao portal digital. 

Outra alternativa é a oferta de crédito aos consumidores, principalmente empreendedores. O objetivo é crescer pelo menos 10% a quantidade de operações da instituição. 

Como parte dessas medidas, o banco digital já zerou as tarifas de transferências para microempresários, além disponibilizar tecnologias de reconhecimento facial para agilizar as transações.

Propagação do QR Code

Por fim, outra aposta das instituições financeiras está na propagação da utilização do QR Code entre os brasileiros. 

O PicPay, uma das maiores carteiras digitais do país, conta atualmente com mais de 36 milhões de clientes na base de cadastros e tem planos de expansão.

Com base nas soluções do PIX, o objetivo da fintech é deixar o sistema de pagamentos mais ágil. Além disso, pretende evoluir o modelo de negócios para um futuro marketplace de serviços.

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do push para receber todos os conteúdos referentes ao universo financeiro. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.