Seguro-desemprego 2021: governo corrige parcelas e aumenta valor para até R$ 1.900

O seguro-desemprego 2021 teve valores corrigidos e agora o teto pago a trabalhadores demitidos chega a R$ 1.911,84. Entenda como fica.

Fabiola Thibes
Fabíola Thibes

O governo federal anunciou nesta sexta-feira, 15, o valor das parcelas do seguro-desemprego 2021. O máximo chegou a R$ 1.911,84.

Esse montante é R$ 98,81 superior ao valor estabelecido em 2020. Anteriormente, o pagamento mais alto era de R$ 1.813,03. Veja como ficou o restante da tabela:

Continua após a publicidade

  • salário de até R$ 1.686,79: o salário médio é multiplicado por 0,8, ou seja, é pago 80% da quantia;
  • de R$ 1.686,80 a R$ 2.811,60: segue a regra acima. O que ultrapassar R$ 1.686,79 é multiplicado por 0,5 (50%) e somado a R$ 1.349,43;
  • acima de R$ 2.811,60: a parcela sempre é de R$ 1.911,84.

O valor recebido depende da média salarial dos 3 meses anteriores ao desligamento do trabalhador. Ainda assim, nunca pode ficar abaixo de R$ 1.100, que é o salário mínimo vigente em 2021.

Apesar da confirmação somente agora, a nova tabela já está vigente desde a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) 2020. Esse indicador fechou o ano em 5,45%.

Para quem vale os valores do seguro-desemprego 2021?

A nova tabela do seguro-desemprego 2021 é aplicada às novas solicitações e também àquelas já liberadas pelo governo. Nesse último caso, as parcelas restantes são corrigidas.

O benefício vale para o trabalhador com registro em carteira (CLT) e que com demissão sem justa causa. Aqui, está incluída a dispensa indireta, ou seja, quando o empregador comete uma falta grave perante o empregado.

Outros profissionais que podem requerer o seguro-desemprego em 2021 são:

  • aqueles com contrato suspenso devido à participação em programa de qualificação profissional oferecido pela empresa;
  • pescador profissional que passa por período defeso;
  • trabalhador resgatado de condições análogas à de escravo.

Ademais, quem solicitar o seguro-desemprego deve cumprir outros dois requisitos: não receber outros benefícios trabalhistas nem ter participação societária em empresas.

Por quanto tempo o seguro-desemprego 2021 pode ser pago?

O trabalhador tem o número de parcelas definido no momento da solicitação do benefício. É possível receber entre 3 e 5 meses. O que determina é o tempo de continuidade na empresa. Veja:

  • mínimo de 6 meses trabalhados: 3 parcelas;
  • mínimo de 12 meses trabalhados: 4 parcelas;
  • acima de 24 meses trabalhados: 5 parcelas.

Como fazer a solicitação?

Caso seja a primeira vez, é obrigatório ter trabalhado por 12 meses ou mais com carteira assinada e em regime CLT. Mas, se já tiver solicitado outras vezes, é preciso comprovar:

  • 9 meses trabalhados, se for a segunda vez;
  • 6 meses trabalhados, se for a terceira vez.

Por fim, se não for a primeira solicitação, é preciso esperar 16 meses, pelo menos. Esse é o prazo entre um pedido e outro.

Quer continuar se atualizando sobre os benefícios trabalhistas? Então, assine a newsletter do iDinheiro e ative as notificações push para se informar!

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔

5 comentários

  1. Rosilene

    Dei entrada no seguro e encontra se em analise devido fgts virgente

  2. Juhh

    Trabalhei por 5 meses em uma empresa, após isso fui dispensada. Após 1 ano trabalhei em outra empresa por 6 meses. Gostaria de saber se eu tenho o direito de pegar as 3 parcelas do seguro desemprego?

  3. Maria

    Meu filho já tem.dois meses que deu entrada no seguro desemprego, e a mensagem diz que está em análise, pode me.explicar por que?
    Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.