Governo pretende fazer nova renegociação de dívidas tributárias

A renegociação de dívidas tributárias já foi adotada em 2020, com descontos de até 70%. Veja como pode ficar em 2021 caso governo decida.

Fabiola Thibes
Fabíola Thibes

Pessoas físicas e empresas terão a chance de fazer uma renegociação de dívidas tributárias em 2021. A medida deve ser lançada em breve pelo Ministério da Economia, que avalia as condições.

O motivo é a pandemia do novo coronavírus, que ainda não mostra sinais de enfraquecimento. Desse modo, o objetivo é incentivar a regularização de débitos da dívida ativa da União.

Continua após a publicidade

Outro motivo para a adoção da iniciativa é evitar que o Congresso crie programas de refinanciamento das dívidas tributárias (Refis). Para o governo, o modelo é negativo para as contas públicas.

Isso porque os benefícios são lineares, ou seja, idênticos a todos os contribuintes. Por sua vez, a medida chamada transação tributária considera os casos individualmente e foca apenas as piores situações.

Continua após a publicidade

Como funcionará a renegociação de dívidas tributárias

Ainda não se tem certeza da informação, porque o Ministério da Economia não definiu como será a reedição da renegociação de dívidas tributárias. No entanto, já existem modelos prontos para uma possível implementação.

Isso é o que afirmou o procurador-geral adjunto de Gestão da Dívida Ativa da União, Cristiano Neuenschwander, em entrevista à Folha de S. Paulo.

“Estamos analisando o que aconteceu no programa do ano passado para embasar um novo. Os estudos estão sendo feitos neste momento e, assim que a gente tiver uma definição, a nossa medida é muito rápida de ser implementada”, destacou.

Por isso, é cogitado tanto fazer uma nova medida quanto reabrir a anterior. Tudo depende de como ficará a economia.

Continua após a publicidade

Em 2020, a transação excepcional implementada permitiu parcelar débitos em até 145 vezes. Os descontos chegaram a 70% sobre o valor total da dívida.

Porém, o prazo de adesão terminou em 29 de dezembro. No período, 268 mil contribuintes ingressaram na possibilidade. Foram renegociados R$ 81,9 bilhões em dívidas.

Os descontos chegaram à marca de R$ 25,6 bilhões, dinheiro que deixou de ser arrecadado pelo governo federal.

Possibilidades de renegociação

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) avaliou a medida como positiva em 2020.

Apesar dos descontos serem significativos, foi possível recuperar valores que eram difíceis de entrar no caixa do governo. Por isso, essa alternativa voltou a ser considerada.

Continua após a publicidade

Até dezembro de 2020, quatro modalidades de acordo estavam disponíveis. Todas elas eram focadas em pessoas com dificuldades financeiras e baixa capacidade de pagamento.

Por isso, a alternativa é considerada melhor que o Refis. Nesse caso, dados da PGFN indicam que mais de 80% dos contribuintes beneficiados não estavam com dificuldade e poderiam arcar com os pagamentos atrasados.

Devido a esse cenário e à pandemia, foi editada uma lei permitindo que o Ministério da Economia crie programas do tipo sem necessidade de avaliação legislativa. Esse é mais um fator que contribui com a reedição da renegociação de dívidas tributárias.

Saiba se a medida será aplicada pelo Ministério da Economia e informe-se sobre outras questões assinando a newsletter do iDinheiro e ativando as notificações push.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.