Como a queda do PIB brasileiro afeta o seu dia a dia?

Dados do IBGE divulgados na última quarta-feira, 3, apontaram uma queda de 4,1% no PIB brasileiro em 2020. Entenda que efeitos podem ser sentidos no seu bolso.

Heloisa Vasconcelos
Heloísa Vasconcelos

A pandemia virou de cabeça para baixo as expectativas que os economistas tinham para a economia brasileira. Apesar das expectativas de crescimento, o PIB brasileiro fechou o ano em queda.

Dados do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quarta-feira, 3, e mostram um resultado bem aquém do que se esperava para 2020. O total de riquezas produzidas no ano passado teve queda de 4,1%, o pior resultado da série histórica, iniciada em 1996.

Continua após a publicidade

Não foi só o Brasil quem teve problemas econômicos em 2020. Mesmo economias mais avançadas, como Estados Unidos, Espanha e Reino Unido, tiveram quedas de 3,5%, 11% e 9,9%, respectivamente, afetadas pelas medidas restritivas para contenção da pandemia.

Porém, o que esses números significam? Como a queda do PIB pesa no bolso do brasileiro?

Continua após a publicidade

A queda do PIB brasileiro

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

A economia brasileira passou por anos difíceis entre 2015 e 2016, a maior recessão registrada na série histórica do IBGE.

Após terminar 2017, 2018 e 2019 em alta, as expectativas eram boas para 2020. A previsão da Dimac/Ipea, ainda em 2019, era de uma aceleração de 2,3%. 

A dificuldade de estabelecer as atividades econômicas e o baixo consumo das famílias diante de um cenário de incertezas trouxe resultados amargos para o PIB no ano da pandemia. No entanto, segundo especialistas, o índice poderia ser ainda pior, não fossem ações tomadas pelo governo para conter os efeitos econômicos.

Continua após a publicidade

“O auxílio emergencial foi muito importante e também tivemos a questão do juros a 2% ao ano. A gente costuma dizer que a taxa de juros é o acelerador da economia, quando se reduz a taxa de juros, a economia anda mais rápido. Quando reduz a taxa de juros, tira-se o pé do freio e coloca no acelerador”, explica o sócio e estrategista da 051 Capital, Rossano Oltramari.

O Brasil teve, inclusive, um resultado “melhor” comparado a outros países emergentes e mesmo economias desenvolvidas. 

O coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada (Cemap) da FGV, Emerson Marçal, contudo, pontua que a situação não é animadora.

“A nossa queda foi menor que a do Reino Unido porque eles tiveram duas ondas em um mesmo ano. Tem que olhar com cuidado para qualificar o dado do Brasil, porque o efeito da pandemia no Brasil ainda vai entrar em 2021. O Brasil poderia ter feito muito melhor se tivesse conseguido controlar melhor a pandemia”, avalia.

Continua após a publicidade

As consequências da queda do PIB brasileiro

O principal efeito de um PIB em queda para o brasileiro é o desemprego. O desemprego em 2020 atingiu 13,5% de acordo com dados do IBGE divulgados nesta quarta-feira, 10. A pesquisa também mostrou que a taxa atingiu recordes em 19 estados e no Distrito Federal.

“O efeito direto da pandemia foi basicamente na atividade econômica das empresas, vários setores praticamente pararam de existir e o resto da economia não absorveu o contingente de desempregados”, pontua Emerson Marçal.

Ele destaca que o clima de instabilidade causado pela pandemia também afetou diretamente o câmbio, o que encareceu o preço dos produtos no supermercado para o consumidor final.

Conforme a economista e coordenadora do curso de administração de empresas na Mackenzie Campinas, Leila Pellegrino, o resultado também acentua as desigualdades sociais, à medida que a parcela da população mais prejudicada é a mais pobre. 

Continua após a publicidade

Isso porque, o Brasil tem uma alta parcela de informalidade. Segundo o IBGE, a taxa média de informalidade ficou em 38,7% no ano passado, 2,4 pontos percentuais abaixo do que em 2019.

A queda do índice, porém, não foi algo positivo: em vez de os brasileiros terem saído da informalidade para um emprego fixo, simplesmente pararam de trabalhar devido à pandemia.

“De um lado a gente tem desemprego, o que leva à diminuição no consumo e aumento da concentração de renda. A camada mais pobre fica mais desprotegida nesse momento de vulnerabilidade”, percebe.

O PIB vai voltar a subir?

A perspectiva é de uma melhora do resultado em 2021, passado o baque de março de 2020 quando toda a economia teve de parar para aprender a funcionar de forma remota.

Continua após a publicidade

O último boletim Focus, divulgado na última segunda-feira, 8, pelo Banco Central, trouxe a expectativa de crescimento do PIB em 3,26% para 2021, ainda sem recuperar o baque sofrido em 2020. Para 2022, a estimativa de expansão do PIB é de 2,48%.

Para Leila, contudo, o índice depende diretamente do controle da pandemia no país.

“Se a gente não conseguir manter uma política de saúde ativa para controlar a pandemia, esse resultado pode ser pior, porque podemos ter interrupções sucessivas. Isso prejudica muito a retomada da economia em um futuro próximo”, afirma.

Rossomano é otimista sobre a alta do índice e acredita que o desemprego também deve cair ao longo do ano.

“É necessário uma política fiscal responsável, clareza na condução da economia e política brasileiras, e reformas. Temos uma pauta gigante de reformas que se a classe política decidir avançar, tem um ganho muito grande. Para o Brasil deslanchar, falta confiança e investimento”, ressalta.

Quer continuar acompanhando todas as novidades sobre o mercado financeiro? Então, assine a newsletter iDinheiro e ative as notificações push para se manter sempre atualizado.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.