Após modificação do texto no Senado, MP da privatização da Eletrobras volta à Câmara

Após passar pelo Senado, a MP da privatização da Eletrobras ainda voltará à Câmara. Governo estima redução de 7,36% na conta de energia com aprovação.

Cindy Damasceno

A MP 1031/2021, que encaminha a privatização da distribuidora de energia Eletrobras, foi aprovada no Senado na última quinta-feira, 17. No entanto, como o texto sofreu modificações, para seguir o protocolo parlamentar, a proposta volta à Câmara dos Deputados para nova apreciação. Para que tenha, de fato, alguma validade, a MP precisa receber aprovação definitiva até a próxima terça-feira, 22

A privatização foi discutida durante nove horas pelos senadores, após o relator da MP, o senador Marcos Rogério (DEM-RO), apresentar três pareceres diferentes. Ao final, 42 parlamentares votaram a favor da desestatização — um a mais do que o mínimo necessário para a aprovação — e 37 foram contrários à proposta. As informações são da Agência Senado. 

Continua após a publicidade

Se manteve no texto a dinâmica proposta pela Câmara dos Deputados, de que o governo federal patrocine, pelos próximos 15 anos, a contratação de usinas termelétricas a gás natural em regiões do país onde hoje não existe essa modalidade de fornecimento. Contudo, o senador Marcos Rogério removeu a regra que tornava esse processo uma condição para o processo de desestatização.

O que pode acontecer agora após a votação da privatização da Eletrobras no Senado

Nos termos do relatório apresentado pelo Senado, caso a Câmara aprove dentro do prazo previsto, a desestatização deve se iniciar no começo de 2022. O Governo Federal estima que após o processo, a conta de energia seja reduzida em até 7,36%

Mas, com a expansão do uso de termelétricas, a proposta pode afetar o valor da conta de energia. Com a aprovação da contratação de usinas termelétricas pelos próximos 15 anos, o preço repassado ao consumidor doméstico pode ser afetado. A energia termelétrica é mais cara quando comparada às usinas hidrelétricas, eólicas e solares. 

Quer continuar acompanhando as notícias que impactam o seu bolso? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações push. Se inscreva, também, no nosso canal do Telegram para receber todas as novidades.

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.