Planos de saúde devem aumentar até 35% em 2021

Isabella Proença
Isabella Proença
médico com estetoscópio, representando planos de saúde vão aumentar
De acordo com estimativa do UOL, em 2021, os planos de saúde vão aumentar até 35%. Entenda o porquê do reajuste expressivo.

Os planos de saúde vão aumentar no ano que vem e os clientes devem se preparar para um aumento que pode chegar a 35%.

A previsão é do portal UOL, levando em conta o reajuste previsto para 2021 e a alta aprovada para 2020.

Continua após a publicidade

Continue lendo e entenda.

Planos de saúde vão aumentar ano que vem

Devido à pandemia, a Agência Nacional de Saúde (ANS) suspendeu os reajustes que seriam aplicados em 2020 sobre os planos coletivos (15%) e individuais (8,14%).

Dessa forma, decidiu-se que o aumento — que valeria entre setembro e dezembro — ocorrerá em 12 parcelas a partir de janeiro de 2021.

Continua após a publicidade

No mesmo mês, os reajustes de 15% (planos coletivos) e 8,14% (planos individuais) também entrarão em vigor.

Confira a análise no UOL.

Entidades tentam embargar aumento

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) se uniu à Defensoria Pública e solicitou que a ANS comprove a necessidade de parcelar o aumento referente a 2020 ao longo de 2021.

Além disso, o IDEC pediu na Justiça em outubro o cancelamento de todos os reajustes repassados entre os meses de março e agosto. 

O argumento é a rentabilidade das operadoras durante a pandemia, que já chega a quase R$ 30 bilhões entre março e setembro, conforme o último boletim da agência.

Continua após a publicidade

Nesse período, as empresas receberam um total de R$ 101,3 bilhões em mensalidades dos segurados e repassaram a clínicas e hospitais R$ 71,5 bilhões.

Esse dinheiro extra veio devido aos adiamentos e cancelamentos de serviços médicos por conta da crise sanitária. 

Ainda de acordo com a ANS, a taxa que verifica o número de vezes que os planos tiveram acionamento teve uma queda de 79% (média dos últimos quatro anos) para 62% em junho (o mais baixo do ano).

Em setembro passou a se recuperar lentamente , chegando a 73%.

Posição da ANS e dos planos

De acordo com a ANS, foi feito o possível ao retardar o reajuste deste ano e “diluir o pagamento” em 2021 a fim de “minimizar o impacto aos beneficiários e preservar os contratos”.

Continua após a publicidade

Em nota, a agência diz que o reajuste respeitou as despesas de 2018 e 2019. Também afirmou que a diminuição da oferta de serviços médicos terá impacto de fato “no reajuste referente a 2021”.

Ademais, a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que reúne os 16 maiores planos, defende a mesma tese.

Para a entidade, “não faz nenhum sentido” suspender os reajustes “definidos pela ANS” em função de resultados financeiros, “que são parciais, registrados por algumas operadoras na pandemia”.

Esta matéria foi útil? Então, assine a newsletter do iDinheiro e se mantenha informado sobre tudo o que importa para o seu dinheiro.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.