Projeção do BC diminui queda do PIB brasileiro para 2020

Rodrigo Salgado
Rodrigo Salgado
fachada do banco central, que avaliou o pib brasileiro
O BC revisou as projeções do PIB brasileiro para 2020 e 2021. O tombo deve ser menor neste ano e o crescimento mais tímido ano que vem.

O Banco Central (BC) revisou nesta quinta-feira, 17, as projeções do PIB brasileiro para 2020 e 2021. O recuo previsto para este ano teve redução para 4,4%, ante 5% do estimado em setembro.

A autoridade monetária também reduziu a previsão de crescimento para 2021. Em setembro era de uma oscilação positiva de 3,9%; agora, está em 3,8%.

Continua após a publicidade

De acordo com a autoridade monetária, a evolução da Covid-19 ditará os rumos econômicos de todo o mundo. Em nota, o BC ainda se refere à segunda onda da doença em alguns países, que “deverá afetar a atividade econômica no curto prazo, após a recuperação parcial ocorrida no terceiro trimestre”.

“No entanto, os resultados promissores nos testes das vacinas tendem a trazer melhora da confiança e normalização da atividade no médio prazo”, completa a autoridade.

Tombo de 2020

O BC atribui a revisão do tombo de 2020 a um terceiro trimestre “ligeiramente melhor do que o antecipado” e a um quarto trimestre também mais otimista que o previsto.

No entanto, afirmou também que as incertezas sobre o crescimento “permanecem acima do usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano”, quando é esperado o arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais.

A autoridade monetária também revisou a estimativa da inflação de 2020 de 2,1% em setembro para 4,3% agora – estando, dessa forma, em consonância com as demais projeções do mercado.

PIB brasileiro em 2021

Nesse sentido, para o próximo ano, o BC justifica a redução da previsão de crescimento também pelas incertezas causadas pela pandemia. Salienta, também, a necessidade da agenda de reformas estruturais que tramitam no Congresso. Para a instituição, elas representariam “ajustes necessários na economia brasileira” e uma “condição essencial para permitir a recuperação sustentável”.

“Em parte, essa revisão reflete a antecipação da recuperação econômica esperada, ao menos para alguns setores e componentes da demanda, para o ano de 2020. Por outro lado, o menor crescimento trimestral também é consequência da recuperação mais lenta do mercado de trabalho e dos índices de mobilidade”, analisa o BC, em documento.

Esta matéria foi útil? Então, assine a newsletter do iDinheiro e fique por dentro de todas as nossas atualizações no seu e-mail!

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.