Para FMI, Brasil deve se preparar para esticar auxílios e estímulos à economia

Lilian Calmon
Lilian Calmon
logo do FMI em porta representando Brasil deve se preparar para esticar auxílios
O FMI considera que o Brasil deve se preparar para esticar auxílios. Segundo o fundo, o fim dos estímulos econômicos pode afetar a recuperação econômica.

Na última quarta-feira, 2, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou relatório sobre o Brasil e afirmou que, por conta do fim dos estímulos econômicos e a persistência da pandemia, o consumo das famílias será reduzido, afetando a recuperação econômica. Por isso, as autoridades nacionais devem estar preparadas para esticar auxílios e fornecer apoio adicional na área fiscal.

Esse tipo de alerta já havia sido feito pela instituição em documentos anteriores.

“Os efeitos persistentes da crise da saúde e a retirada esperada do apoio fiscal irão restringir o consumo, enquanto o investimento será prejudicado pela capacidade ociosa e alta incerteza”, declarou o Fundo ao comentar as projeções de crescimento para 2020 e 2021.

Continua após a publicidade

Com informações da Folha de S. Paulo.

Brasil deve se preparar para esticar auxílios

O FMI estima uma queda de 5,8% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2020, seguida por uma “recuperação parcial” para 2,8% em 2021. Os números são mais pessimistas do que os do boletim Focus do Banco Central (BC), que aponta queda de 4,5% e crescimento de 3,45% nesses dois anos.

Para o Fundo, a inflação deve ficar abaixo da meta até, pelo menos, 2023 em razão da ociosidade significativa da economia. Por isso, o BC deveria considerar afrouxar ainda mais a política monetária, avaliando novos cortes na taxa básica de juros. No relatório, porém, é destacada a necessidade de “um acompanhamento cuidadoso das implicações para a estabilidade financeira e fluxos de capital”. 

Diretores elogiaram a “forte resposta” das autoridades à crise

Os diretores da instituição elogiaram a “forte resposta” das autoridades à crise. “A resposta política evitou uma desaceleração econômica mais profunda, estabilizou os mercados financeiros e amorteceu a perda de renda dos mais pobres. A atividade varejista e industrial voltou aos níveis pré-Covid no terceiro trimestre, mas o setor de serviços continua deprimido, com um impacto negativo sobre o emprego”, analisou o Fundo.

O relatório é resultado da visita anual de uma equipe de técnicos do FMI. O documento é submetido ao seu Conselho de Administração da instituição e encaminhado às autoridades nacionais.

Para ler a matéria da Folha de S. Paulo na íntegra, clique aqui.

Gostou deste post? Então, assine a newsletter do iDinheiro e receba todas as novidades em tempo real.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.