Quer negociar dívidas online? Confira 4 dicas para evitar golpes e ter maior segurança

Diversas plataformas oferecem a opção de negociar dívidas online. É importante checar a procedência da empresa para evitar cair em golpes.

Heloisa Vasconcelos
Heloísa Vasconcelos

Conforme dados do Banco Central divulgados na última semana, o endividamento das famílias com os bancos atingiu 51% da renda dos últimos 12 meses, o maior percentual em desde o início da série histórica, em 2005. Para além do presencial e telefone, é possível negociar dívidas online para voltar ao equilíbrio financeiro.

Existem diversos canais que permitem a negociação de dívidas pela internet, desde empresas voltadas para essa finalidade a mutirões como o Serasa Limpa Nome.

Continua após a publicidade

Contudo, quem quer utilizar o meio digital para sair das dívidas deve tomar alguns cuidados para efetuar as operações com segurança e não cair em golpes. 

É comum que criminosos façam falsas ofertas de negociação de dívidas, levando as vítimas a pagar boletos falsos. Por isso, uma das dicas é checar se a empresa que está fazendo a proposta de fato tem parceria com o credor.

Continua após a publicidade

Primeiro passo para negociar dívidas

 

O primeiro passo para quem quer tomar novamente as rédeas da vida financeira após já ter entrado em dívidas é descobrir qual o tamanho do débito devido. Devido aos juros, é possível que o valor tenha crescido mais do que o devedor esperava.

Uma das formas de fazer isso é entrar no site da empresa credora ou realizar a consulta de CPF por meio de sites como do Serasa, SPC e Boa Vista.

Após descobrir o valor da dívida, os próprios portais de negociação de crédito darão opções de pagamento à vista ou a prazo.

“O devedor precisa olhar para o orçamento para fazer as contas. Quanto do orçamento posso desprender por mês para pagar a parcela? Não adianta negociar e não honrar novamente, é melhor fazer em mais vezes que você consegue honrar, que em menos e não conseguir honrar as parcelas”, indica o gerente do Serasa Matheus Moura.

Continua após a publicidade

O CEO da empresa de negociação de crédito QuiteJá, Luiz Henrique Garcia, também recomenda que quem tem dívidas se disponha a escutar as propostas de pagamento oferecidas pela empresa credora. 

Segundo ele, uma pesquisa feita pela empresa com cerca de três mil usuários mostrou que metade dos devedores não negociaram dívidas porque sequer pararam para escutar as propostas.

“Com a pandemia ficou muito mais flexível negociar dívida. Existe um sentimento de boa recepção por parte das empresas, não precisa aquela vergonha de buscar conversa”, afirma.

Dicas para negociar dívidas online com segurança

1)  Cheque a empresa e confirme as parcerias

Luiz indica que o devedor deve, em primeiro lugar, desconfiar da empresa que está oferecendo uma negociação, principalmente se uma “oferta especial” chegar de forma inesperada por meio de Whatsapp, SMS ou e-mail.

Continua após a publicidade

Segundo ele, uma boa dica é procurar na internet o nome da empresa que se colocou como mediadora da negociação e checar se a empresa credora é de fato uma parceira. 

Caso a dívida em questão seja com um banco, é provável que no site da própria instituição financeira exista uma lista de empresas credenciadas para negociação de débitos.

“A gente tem um índice alto de fraude no Brasil, por isso é importante checar a informação para saber se aquela empresa existe, checar site. Buscar o site para saber se você está falando com uma empresa confiável”, complementa Matheus.

2) Prefira sempre canais oficiais de empresas de confiança para negociar dívidas online

A internet é um mundo amplo e nem sempre o consumidor pode confiar nos canais que está acessando. Criminosos muitas vezes utilizam o nome de empresas conhecidas no mercado para aplicar golpes.

Continua após a publicidade

Por isso, o devedor deve sempre buscar canais oficiais da empresa escolhida quando for negociar dívidas. Normalmente, esses meios estão disponíveis no próprio site da empresa.

Os canais mais comuns são site, WhatsApp e até mesmo via messenger do Facebook. 

3) Cuidado com os boletos falsos

Um dos golpes mais comuns na internet é o de boletos falsos. Quando o devedor negocia qualquer tipo de dívida de forma online, a empresa permite o download do boleto pelo site ou o envia por e-mail. 

Mas, não se deve confiar em todo e-mail que aparece na caixa de entrada. Luiz recomenda entrar em contato com a empresa responsável pela negociação e verificar a origem do boleto em caso de dúvidas. 

Outra dica importante é checar o beneficiário final dos boletos referentes ao acordo de débitos. O nome nessa área deve ser da empresa credora, então qualquer boleto que tenha nome de pessoa física deve ser falso.

Continua após a publicidade

Portanto, antes de fazer o pagamento, é importante verificar se o CNPJ e a razão social que receberá o pagamento são da empresa correta.

4) Preste atenção no código de segurança do site

Sites seguros e verificados possuem um certificado de segurança chamado SSL (Secure Sockets Layer). É o ícone de um cadeado, que deve estar ao lado da barra de endereço no navegador caso a navegação seja segura. 

Sites fraudulentos não possuem essa verificação, e, portanto, não são ambientes seguros.

Outro elemento importante é a sigla “https” acompanhando o endereço do site, na barra de navegação. 

Quer continuar acompanhando conteúdos que te ajudam a tomar melhores decisões na vida financeira? Então, assine a newsletter iDinheiro e se mantenha atualizado.

Continua após a Publicidade

3 comentários

  1. Elaine Silva

    Espero qui seja verdade pois estou realmente precisando de limpar meu nome

  2. Elaine Silva

    Quero descontos pra eu poder pagar minhas dívidas e deixar meu nome limpo vcs podem me ajudar ? Obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.