Com queda de 4,1%, PIB do Brasil tem a maior redução dos últimos 25 anos

É a maior redução do PIB do Brasil desde 1996, de acordo com o IBGE. Nível similar só foi registrado em 2015, quando o indicador contraiu 3,5%.

Cindy Damasceno
Cindy Damasceno

Em ano de pandemia e recessão econômica, o Brasil fechou 2020 com a maior redução no PIB, o Produto Interno Bruto. A diminuição de 4,1% foi calculada em relação a 2019. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na manhã desta quarta-feira, 3. Em valores correntes, o indicador alcançou R$ 7,4 trilhões,   

É a maior redução desde 1996, início da série histórica atual do IBGE. Outra queda similar só ocorreu em 2015. Naquele ano, de acordo com o Instituto, a diminuição registrada foi de 3,5%. O PIB per capita também indicou contração recorde. A queda do indicador, em relação a 2019, foi de 4,8% — o equivalente, em valores correntes, a R$ 35.172. 

Continua após a publicidade

A queda aparece depois de um crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%, de acordo com o IBGE. Quando considerada a série histórica antiga, iniciada em 1948, o tombo de 2020 foi o maior dos últimos 30 anos. De acordo com os índices de 1948, as maiores retrações registradas no país ocorreram em 1981 e 1990, quando houve queda de 4,3% do PIB em ambos os anos. 

O que está por trás da maior redução do PIB do Brasil? 

O IBGE avalia a pandemia como uma das principais influências na queda do PIB. Setores ligados a serviços prestados à família foram os que sofreram mais impactos no ano passado, com contração de 4,5%. A queda da categoria, que engloba restaurantes, academias, hotéis e transportes, tem relação com o isolamento social, necessário para conter o avanço da Covid-19. 

Veja as variações por setor 

  • Outras atividades de serviços (-12,1%) 
  • Transporte, armazenagem e correio (-9,2%)
  • Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-4,7%)
  • Comércio (-3,1%), 
  • Informação e comunicação (-0,2%) 
  • Seguros e serviços relacionados (4,0%)
  • Atividades imobiliárias (2,5%)
  • Agropecuária (2,0%)

Os serviços têm um dos maiores pesos na economia do Brasil. Juntos, eles representam mais de 60% das atividades do país. São mais de 55 milhões de brasileiros empregados na categoria. 

Este conteúdo foi útil? Então, assine a newsletter iDinheiro e se mantenha atualizado sobre tudo o que importa para o seu dinheiro. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.