Conheça 3 dicas para começar a investir em renda fixa em 2021

Quer começar a investir em renda fixa e não sabe por onde começar? Conheça algumas estratégias para diversificar sua carteira de ativos em 2021.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

Investir em renda fixa pode ir muito além de montar a reserva de emergência. Escolhendo ativos estratégicos e tendo um plano de médio e longo prazo, é possível encontrar produtos interessantes para alavancar uma carteira anual

Apostar em produtos dessa categoria, inclusive, pode ser uma excelente alternativa para quem deseja ter contato com o universo dos investimentos antes de passar para a renda variável. 

Continua após a publicidade

Pensando na baixa taxa de juros do ano, muitas pessoas acreditam que investir em renda fixa não seja tão atrativo como em anos anteriores. 

Entretanto, para quem quer começar a montar uma carteira de produtos do zero, a renda fixa pode ser uma excelente maneira iniciar.

Continua após a publicidade

Com informações da revista Exame. 

Dicas para investir em renda fixa em 2021

Com a taxa de juros em sua mínima histórica, é necessário buscar dentro da renda fixa produtos atrativos, que tenham sentido com as metas de vida do investidor. 

Por isso, confira abaixo algumas sugestões para escolher os produtos certos de acordo com as metas e objetivos traçados para o próximo ano. 

1. Tenha a reserva de emergência no lugar certo

A reserva de emergência é feita para auxiliar uma pessoa em momentos de dificuldade financeira. Por isso, o foco deve ser na segurança, e não na rentabilidade. 

Sendo assim, produtos como o Tesouro Selic ou CDB’s de liquidez diária de bancos digitais com rentabilidade mínima de 100% do CDI podem ser alternativas para proteger o patrimônio enquanto ele não é utilizado. 

Continua após a publicidade

2. Investir em renda fixa com produtos atrelados ao IPCA

Investir em renda fixa pensando em produtos que estejam interligados à inflação anual pode ser uma boa forma de proteger o patrimônio ao longo dos anos. 

O Tesouro IPCA+, atrelado ao Tesouro Direto, oferece boas taxas de rentabilidade acrescidas do valor da inflação anual. 

Além disso, é possível escolher títulos que pagam rendimentos semestrais ou com pagamento único na data do vencimento. 

Por isso, deve-se respeitar o prazo de vencimento para evitar possíveis perdas de valores com a venda dos papéis de maneira antecipada. 

Continua após a publicidade

3. Diversifique os investimentos

Mesmo dentro da renda fixa, é fundamental diversificar os produtos de investimento visando melhor rentabilidade e proteção de patrimônio.

Dessa maneira, é possível contar com títulos do Tesouro Direto, CDB’s de bancos digitais, além de produtos como LCI’s e LCA’s, que podem ter prazos menores e indexados de maneira pós ou prefixadas. 

Além disso, contar com debêntures (incentivadas ou não), além de CRI’s e CRA’s pode fazer sentido dependendo do objetivo, seja ele de curto, médio ou longo prazo.

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push para continuar recebendo informações sobre o mundo das finanças. 

Continua após a Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.