Ibovespa zera perdas em 2020 e sobe 83% desde a mínima em março

Ibovespa zera perdas do ano de 2020 e consegue recuperar os prejuízos causados no início do ano com a pandemia provocada pela Covid-19.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

O Ibovespa zerou as perdas de 2020 e conseguiu recuperar o patamar alcançado antes das grandes movimentações do mercado ocasionadas pela Covid-19. O resultado é da última terça-feira, 15.

No dia de ontem, o principal índice acionário do Brasil encerrou o pregão com ganhos de 1,34%, chegando ao patamar dos 116.148 pontos. 

Continua após a publicidade

Com esse resultado, a Bolsa brasileira conseguiu se recuperar desde a mínima histórica anual, em 23 de março, quando chegou aos 63.569 pontos.

Esses números, inclusive, representam um crescimento de 83% apenas este ano, encerrando o ciclo de recuperação do mercado diante do início ruim de 2020. 

Ibovespa zera perdas – Entenda a situação

O segundo semestre do ano foi determinante para que o resultado fosse positivo e o Ibovespa zera perdas acumuladas ao longo de todo 2020. 

De setembro a novembro, a retomada dos investidores estrangeiros à B3 se tornou determinante para que os índices começassem a subir.

Além disso, segundo o analista da Clear Corretora, Rafael Ribeiro, um dos principais pilares para a retomada da Bolsa ao longo do ano foi justamente a rodada de estímulo dos bancos centrais.

Devido a isso, qualquer novidade sobre o assunto se tornava um estímulo para aplicações em renda variável, disse à Folha de S. Paulo.

Somente em novembro, a Bolsa teve a maior alta desde 2016, quando os estrangeiros, de fato, voltaram a realizar aplicações no país e o acúmulo mensal foi de R$ 30 milhões.

Ainda existe espaço para crescimento?

Alguns especialistas acreditam que existe espaço para crescimento, mesmo que o Brasil ainda não tenha conseguido a mesma recuperação de países estrangeiros. 

Para o estrategista-chefe da Clear Corretora, Roberto Indech, a possibilidade de crescimento é grande, mesmo com a boa recuperação do mercado.

O Brasil ainda está longe de compensar o total de retiradas de capital acumuladas de janeiro a outubro. 

“Continuamos atrás das principais bolsas do mundo em desempenho este ano. E a taxa Selic deve continuar, mesmo se elevada no primeiro semestre de 2021, em um nível muito baixo. Isso acaba favorecendo a busca por ativos de renda variável”, disse à InfoMoney.

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push para continuar recebendo informações sobre tudo o que realmente importa para o seu dinheiro. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.