Empréstimo do FGTS é liberado para trabalhadores; entenda se vale a pena

Trabalhadores com pelo menos R$ 2 mil em conta podem solicitar o empréstimo do FGTS. Apesar de atrativo, será que vale a pena comprometer uma reserva futura? É o que avalia o iDinheiro neste especial.

LinkedIn
Ana Júlia Ramos

Trabalhadores que tenham saldo de pelo menos R$ 2.000 nas contas do Fundo de Garantia podem antecipar até 3 anos do Saque Aniversário, sendo uma espécie de “empréstimo do FGTS“. A modalidade de crédito, oferecida pela Caixa Econômica Federal, permite que o dinheiro seja retirado no dia seguinte à contratação. 

O valor mínimo para aderir à linha de empréstimo é de R$ 2.000, que pode ser sacado em parcelas de pelo menos R$ 300. A data de crédito do último saque a ser antecipado não pode ultrapassar um limite de 999 dias contados a partir da contratação do empréstimo. 

Continua após a publicidade

Essas informações estão disponíveis no site do banco, que apresenta três simulações diferentes para o trabalhador entender se está enquadrado nos requisitos. 

Apesar de parecer um atrativo, é preciso se atentar em relação às condições de solicitação e avaliar se o empréstimo do FGTS vale realmente a pena. O iDinheiro ouviu especialistas em educação financeira para auxiliar o trabalhador na hora de tomar a decisão. 

Continua após a publicidade

Entenda o funcionamento do empréstimo do FGTS na modalidade de Saque Aniversário 

O sócio-diretor da empresa mineira de soluções de crédito Empresta, Bruno Garbocci, explica que a decisão é uma das medidas do Governo Federal para impulsionar a economia. Dessa forma, é possível usar a antecipação dos valores sem comprometer a renda pessoal ou familiar. 

“Se avaliarmos a medida em si, é possível notar que ela é uma alternativa muito vantajosa e sem dúvidas muito acessível, afinal qualquer pessoa que tenha a quantia dentro do valor estipulado conseguirá fazer o empréstimo”, ressalta Garbocci. 

Apesar das condições atrativas, de 0,99% ao mês, vale lembrar que trata-se de um cálculo de juros compostos e que ao final do ano, o valor chega a 12,7%. É o que lembra o professor de finanças e educação financeira da Universidade Presbiteriana Mackenzie Denis Forte. Sendo assim, é necessário avaliar se vale a pena “bancar” a taxa de juros para antecipar um dinheiro que existe para outra finalidade.

Apesar de atrativo, cuidados devem ser tomados

Antes de tomar qualquer decisão, é necessário refletir sobre a finalidade do empréstimo. Em um primeiro momento, avalie a atual situação financeira. “Se uma pessoa está desempregada e não tem previsão de conseguir nenhum tipo de fonte de renda, ela está comprometendo seu futuro de maneira muito forte”, diz o especialista.

Continua após a publicidade

“Se é para antecipar gastos e despesas, lembre-se que o dinheiro vai e não volta mais”, continua. É diferente de empréstimos solicitados para fazer aplicações, como na compra de um imóvel.

Isso porque o princípio do FGTS é o longo prazo, servindo como uma reserva importante para a aposentadoria. “É um seguro para o trabalhador, pensado para ser usado no futuro, justamente em momentos de perda de emprego”, conclui.

O professor da FGV Ricardo Teixeira completa: “talvez seja a alternativa mais barata que uma pessoa vai conseguir. No entanto, é preciso levar em consideração que o dinheiro só deve ser usado em casos de real necessidade”. O professor destaca que é de extrema importância usar os valores realmente para a finalidade de urgência, evitando a compra de bens de consumo desnecessários.

“Caso você tenha antecipado o valor e fique desempregado ou chegue o momento de aposentar, o cenário é grave. Isso porque torna-se necessário usar um dinheiro que não está mais disponível”, reforça. 

Continua após a publicidade

Precisa realmente do empréstimo do FGTS? Reflexão é o caminho

Em caso de verdadeira necessidade, existem alternativas e reflexões a serem feitas. Na visão da educação financeira, é preciso ver a situação como um aprendizado. “Você teve uma necessidade, acabou se descontrolando nas finanças, acontece. Agora, é importante se planejar novamente para que a situação não vire uma bola de neve”, afirma Forte. 

Na visão do professor, o primeiro passo é colocar na ponta do papel toda a entrada e saída de dinheiro. Entendendo como anda a própria vida financeira, o foco deve estar primeiro na quitação das dívidas. “Depois, pode-se avaliar a criação de uma reserva financeira para se planejar e evitar que, no futuro, novos problemas financeiros resultem na contratação de mais um empréstimo”, continua. 

Outra reflexão importante é acerca de outras formas de solucionar a situação. “A forma de resolver a pendência atual é com o saque da poupança para aposentadoria ou desemprego?”, questiona Teixeira. “É a hora de avaliar todas as possibilidades, ser criativo e pensar em maneiras de solucionar o problema sem comprometer uma espécie de porto seguro para o seu futuro”, conclui. 

A partir desses pontos, o foco deve estar na reconstrução da poupança para que, no futuro, o acesso a recursos seja mais fácil. O especialista da FGV destaca que a aplicação não necessariamente precisa ser feita na tradicional caderneta de poupança, mas na alternativa que oferecer as melhores condições de rendimento para o seu dinheiro. 

Continua após a publicidade

“Não é possível colocar o valor de volta no FGTS, mas podemos fazer uma poupança específica para esse momento futuro, já que se trata de um valor antecipado que já tinha seu destino definido. O importante é voltar a garantir sua reserva para essas finalidades”, continua.

Veja se você está nos pré-requisitos para a solicitação

De acordo com informações Caixa, os pré-requisitos são:

  • Ter pelo menos 18 anos ou ser emancipado;
  • Possuir conta corrente ou poupança na CAIXA (exceto Poupança Social Digital e Poupança CAIXA Fácil);
  • Ser optante pelo Saque Aniversário FGTS e autorizar a CAIXA a consultar informações do seu FGTS;
  • Possuir saldo de FGTS suficiente para a antecipação, dentro dos valores mínimos para contratação;
  • Estar com o CPF em situação regular na Receita Federal;
  • Estar adimplente com a CAIXA ou utilizar recurso do crédito para quitação da dívida.

Para fazer a contratação do empréstimo do FGTS, o interessado pode acessar o Internet Banking, app CAIXA (disponível para iOS ou Android) ou app FGTS (iOS ou Android). O serviço está disponível de segunda a sexta, das 7h às 19h.

Quer receber mais informações sobre o empréstimo do FGTS? Então, assine a newsletter do iDinheiro e ative as notificações push. Se inscreva, também, no nosso canal do Telegram para receber todas as novidade.

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.