Coleta de dados do Google Chrome deve ser mais rigorosa em 2021

A coleta de dados do Google Chrome deve ser ainda mais criteriosa em 2021. A modificação atingirá diretamente os desenvolvedores de extensões na plataforma.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

Seguindo as novas tendências de transparência de informações, a coleta de dados do Google Chrome deve ficar ainda mais rigorosa em 2021. 

O Google informou recentemente que irá realizar uma drástica alteração no navegador, visando maior privacidade de informações e utilização de dados dos usuários na plataforma. 

Continua após a publicidade

Na nova política adotada pela empresa, os negócios especializados no desenvolvimento de extensões deverão especificar detalhadamente o que fazem com os dados dos usuários que possuem acesso por meio da plataforma.

Com informações da revista Exame. 

Entenda a mudança na coleta de dados do Google Chrome

A nova política de coleta de dados e o novo modelo de privacidade já devem entrar em vigor no início deste ano

Então, o método de desenvolver extensões para o navegador deverá sofrer drásticas mudanças. 

Dessa forma, se as empresas não forem totalmente claras e objetivas no propósito de utilização de informações dos usuários, as extensões poderão deixar de estar disponíveis na loja oficial do Chrome. 

“A partir de janeiro de 2021, a página de detalhes de cada extensão na Chrome Web Store mostrará informações fornecidas pelo desenvolvedor sobre os dados coletados pela extensão, em linguagem clara e de fácil compreensão”, informou a empresa, segundo reportado pelo site TechRadar.

Além disso, o Google deve solicitar relatórios detalhando o uso de informações dos usuários e passará a limitar a quantidade de dados que cada empresa pode colher. 

A preocupação da empresa é que os negócios especializados em extensões tenham acesso a informações que não sejam necessárias, fazendo uso indevido sobre os dados. 

Medida após polêmicas do setor tecnológico

O Google anunciou a mudança após acompanhar o escândalo envolvendo o Facebook e a consultoria Cambridge Analytical. 

Na ocasião, os dados coletados na plataforma foram usados para manipular as eleições americanas em 2016, além do referendo do Brexit. 

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações Push para continuar acompanhando todas as notícias sobre o universo financeiro. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.