O que é o Clubhouse? Veja como utilizar o aplicativo para crescimento profissional

Recém chegado no Brasil, o Clubhouse tem sido assunto nas últimas semanas. O aplicativo de voz pode ser utilizado para construir networking e aprendizado.

Heloisa Vasconcelos
Heloísa Vasconcelos

O Clubhouse se tornou assunto nas últimas semanas no Brasil. A nova rede social, que ainda roda em versão de testes, permite conexões apenas por meio de áudio.

Lançado em março de 2020, o aplicativo já ultrapassa 3,4 milhões de downloads e está avaliado em US$ 1 bilhão. Desse número, 2 milhões de usuários ingressaram só na primeira semana de fevereiro, segundo o próprio Clubhouse. 

Continua após a publicidade

Funciona assim: os usuários podem ingressar em salas sobre diversos temas e escutar ou participar de discussões ao lado de grandes nomes e especialistas da área. Por enquanto, a rede social é exclusiva para usuários de sistemas iOS e requer um convite para participar. 

De acordo com os fundadores da plataforma, o aplicativo deve estar disponível para usuários Android — que representam mais de 90% dos usuários de smartphones no Brasil, conforme o Google — “em breve”.

Continua após a publicidade

Profissionais de diferentes áreas estão encontrando na rede social uma oportunidade de se conectarem entre si. Entenda as possibilidades de crescimento profissional dentro da plataforma.

O sucesso do Clubhouse

O Clubhouse começou a fazer maior sucesso na primeira semana de fevereiro, principalmente após o bilionário Elon Musk participar de um evento no aplicativo no dia 31 de janeiro e transmiti-lo por meio do Youtube.

Vários motivos fizeram com que a nova rede social se tornasse a febre do momento. A oportunidade de poucas pessoas fazerem parte despertou curiosidade do público em geral; tanto que convites para ingressar no aplicativo passaram a ser vendidos por até US$ 125, montante equivalente a R$ 670.

A proposta de comunicação espontânea, sem necessidade de roteiro ou preparação para aparecer em vídeo, também chamou atenção após quase um ano de isolamento social.

Continua após a publicidade

“O Clubhouse traz a espontaneidade das festas e eventos que não puderam acontecer devido à pandemia”, destaca a coordenadora de mídias do Instituto de Tecnologia e Sociedade, Karina Santos. 

Para ela, o aplicativo veio no momento certo, acentuando a preferência das pessoas por conteúdos em áudio, como podcasts. 

“A gente tem a possibilidade de consumir o conteúdo fazendo outras atividades, a ferramenta me dá a oportunidade de ver muita gente, conversar coisas riquíssimas que em outras situações não poderia”, acrescenta o professor do curso de publicidade e propaganda da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) Filipe Crespo.

Um LinkedIn em áudio

Ainda que possibilite salas dos mais diversos temas, o Clubhouse atualmente tem um foco muito mais corporativo que outras redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram, se aproximando mais de um LinkedIn.

Profissionais, sobretudo das áreas de marketing e negócios, têm criado salas e mais salas para discutir temáticas relacionadas à atuação. Empreendedorismo e assuntos de importância política e econômica também estão presentes entre as discussões.

Continua após a publicidade

O professor de gerenciamento de projetos e inovação do Ibmec/DF, Gino Terentim Junior, define a rede social como “um audiobook ao vivo”. 

Ele considera que o ambiente é especialmente propício para pessoas que têm ideias inovadoras para startups, já que elas podem conseguir entrar em contato com investidores e viabilizar negócios. 

“É um fenômeno que está permitindo com que as pessoas interajam. Quando a gente teria a oportunidade de mostrar o pitch de uma startup para o Jeff Bezos?”, questiona.

Para além de grandes empresários, é possível seguir pessoas influentes em diferentes áreas profissionais para realizar networking e trocar experiências e conhecimentos.

Continua após a publicidade

“Não posso garantir que utilizando o Clubhouse você vai ter sucesso. Mas, se houver a oportunidade de melhorar seu negócio por meio da plataforma, a única forma de participar é estando lá dentro”, incentiva.

Oportunidade de aprendizado

Karina considera a rede social uma oportunidade de conversar com especialistas admirados que antes não estariam disponíveis para um contato tão próximo. É possível seguir clubes de temas de interesse e ser avisado de novas salas, que surgem a todo momento.

“A partir do momento que você segue especialistas do seu nicho profissional e acompanha as salas, sim, você tem grandes possibilidades de participar de conversas interessantes e apresentar seu ponto de vista”, afirma.

Ela reitera, porém, que é importante prestar atenção que nem sempre o foco das discussões será o aprendizado; é preciso, portanto, se aprofundar por meio de outros canais caso desejado.

Devido à rede social ainda ser nova e limitada em número de usuários, ainda não há clubes em todos os idiomas para alguns temas. A maioria das discussões estão disponíveis em inglês.

Clubes focados em finanças no Clubhouse

Ainda não existem clubes focados em finanças em português. Porém, quem entende a língua inglesa pode participar de discussões com pessoas de vários locais do mundo.

Algumas opções disponíveis:

  • Finance Requires Effective Education
  • Finance Simplified
  • Personal Finance Club
  • Business Finance Club
  • Accounting and Finance Tech
  • Faith and Finance

Esta matéria foi útil? Então, assine a newsletter iDinheiro e ative as notificações push para se manter sempre atualizado.

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.