Bitcoin em 2020: Entenda como a moeda passou de US$ 7 mil para US$ 30 mil

O Bitcoin alcançou cotações máximas históricas de maneira consecutiva em 2020. Empresas também apostaram em soluções visando manuseio da moeda digital.

Karina Carneiro
Karina Carneiro

O Bitcoin chegou a uma das maiores cotações de todos os tempos em 2020, com uma valorização de 321% no ano.

Com isso, a moeda digital conseguiu elevar o preço de US$ 7 mil para US$ 30 mil (recorde já batido no início de 2021). 

Continua após a publicidade

Com alguns picos no meio do caminho, a criptomoeda conseguiu se destacar na carteira de investidores de todo o mundo como uma forma de diversificação diante da baixa taxa de juros básica da maioria dos países ao redor do mundo. 

Além disso, empresas tradicionais como PayPal também começaram a disponibilizar soluções voltadas para esse mercado em alta.

Com informações do Valor Investe. 

Investidores institucionais apostaram no Bitcoin em 2020

Antigamente críticos a criptomoedas, os investidores institucionais começaram a apostar mais nesse mercado no ano passado. 

Com isso, o Bitcoin passou a se tornar sinônimo de maior credibilidade e liquidez para os investidores. Além disso, o volume extra de capital de investimentos permitiu uma expansão ainda maior do varejo da criptomoeda.

Em agosto, a MicroStrategy, empresa americana fornecedora de softwares com ações listadas na Nasdaq, comprou aproximadamente US$ 200 milhões em criptomoedas.

Desde então, o valor investido pelo negócio já chegou a US$ 1,1 bilhão, com ganhos estimados em aproximadamente 100 da cota no quarto trimestre do ano passado. 

Serviços voltados ao Bitcoin

Aproveitando o crescimento do Bitcoin em 2020, algumas empresas financeiras começaram a investir nas criptomoedas como forma de aumentar o portfólio de produtos. 

O PayPal, referência em carteiras digitais ao redor do mundo, anunciou no ano passado que passaria a aceitar bitcoins em sua plataforma e que os Estados Unidos seria o primeiro lugar de teste para o serviço.

Dessa maneira, os mais de 340 milhões de clientes da empresa se tornaram automaticamente possíveis investidores da criptomoeda. 

Pequenos investidores no mercado de Bitcoins

Entretanto, é fundamental que o pequeno investidor pondere qual a parcela do patrimônio está disposta a correr risco nesse mercado, já que a volatilidade é uma das palavras que ditam a regra.

De acordo com especialistas, a alocação de 5% do patrimônio é o suficiente para começar a ter contato com esse universo. 

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações Push para receber todas as novidades relevantes sobre o universo de criptomoedas. 

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.