Aumento na conta de luz: Aneel pode elevar o custo da bandeira vermelha

Aneel deve abrir nova consulta pública para discutir os valores para este ano das bandeiras tarifárias, que geram aumento na conta de luz.

Cristina Boscolo
Cristina Boscolo

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve abrir nesta terça-feira, 23, uma nova consulta pública, com o objetivo de discutir os valores das bandeiras tarifárias neste ano. Esse mecanismo, quando acionado, gera aumento na conta de luz nos períodos em que a oferta no sistema está baixa.

O sistema já é conhecido pelos brasileiros desde 2015, quando criaram diferenciações entre as bandeiras verde, amarela e vermelha. Cada uma delas representa a cobrança de um valor extra para os usuários, o que varia de acordo com as condições da geração de energia em todo o território. Os valores associados às bandeiras são atualizados anualmente.

Continua após a publicidade

Desta vez, segundo proposta preliminar avaliada pela área técnica da Aneel poderá haver um aumento de 10% na cobrança associada à bandeira vermelha e até 21% para a chamada bandeira vermelha nível 2 – a última prevista pelo sistema. Informação foi obtida pela Reuters. 

A boa notícia fica por conta da bandeira amarela. Segundo a sugestão dos técnicos da Aneel, a categoria poderá ter redução de 26%. A aprovação dessa proposta, porém, deverá ser apreciada pela diretoria da agência – que ainda discutirá nesta terça-feira se haverá uma abertura de consulta ao público sobre as mudanças.

Continua após a publicidade

Saiba como poderá funcionar o aumento na conta de luz

Caso a nova proposta da área técnica da Aneel seja colocada em prática, os valores na conta de energia poderão variar bastante.

Atualmente, as tarifas cobradas aos consumidores estão no nível amarelo – o que gera uma cobrança extra de R$ 1,343 a cada 100 quilowatts-hora utilizados. Com a mudança, esse valor mudaria para R$ 0,996 a cada 100 quilowatts-hora, representando uma redução no preço.

A bandeira vermelha 1 sofreria um aumento: atualmente com valor de R$ 4,169 a cada 100 kwh, ela passaria a custar R$ 4,599 a cada 100 kwh. Já no caso da bandeira vermelha nível 2 esse aumento na conta de luz seria ainda maior, passando de R$ 6,243 para R$ 7,571.

Vale lembrar que a possibilidade de alteração nos valores da conta de energia para este ano poderá ocorrer em um momento em que tanto a Aneel, quanto especialistas no setor, já apontam que a elevação estará acima da inflação mesmo após medidas do governo que procuraram aliviar esses reajustes.

Continua após a publicidade

Alta nos preços já era esperada

Em janeiro, o iDinheiro já havia noticiado que a conta de luz deveria continuar alta na maior parte do ano devido à redução das chuvas em todo o país.

Com os reservatórios abaixo da média histórica, é preciso acionar as usinas termelétricas para complementar a geração de energia. Esse acionamento é feito a base de gás natural, diesel, óleo combustível e carvão, o que acaba aumentando o custo da operação como um todo. 

De acordo com especialistas, a redução das chuvas não é uma tendência nova e vem se acumulando pelo menos nos últimos 10 anos. Apesar disso, a curto prazo, eles não preveem uma grande crise no setor como a enfrentada no início dos anos 2000, quando houve racionamento de energia.

Quer ficar por dentro das melhores dicas sobre economia doméstica e aprender a gastar melhor o seu dinheiro? Então, assine a newsletter do iDinheiro!

Continua após a publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.