Aumento dos combustíveis: Petrobras anuncia alta de até 5%

O aumento dos combustíveis ocorreu durante todo o ano e vai acontecer mais uma vez antes de 2020 terminar. Veja quais serão os percentuais.

Fabiola Thibes
Fabíola Thibes

A Petrobras anunciou na última segunda-feira, 28, mais um aumento dos combustíveis. O diesel deve ficar 4% mais caro e a gasolina, 5%.

A mudança vale as refinarias a partir desta terça-feira, 29. A partir disso, o preço médio da gasolina para as distribuidoras chega a R$ 1,84 por litro.

Continua após a publicidade

A alta é de R$ 0,09 por litro. Contudo, houve uma redução de 4,1% durante todo o ano.

Para o diesel, a negociação chega a R$ 2,02 por litro, com crescimento de R$ 0,08 por litro. Em 2020, a retração anual foi de 13,2%.

Continua após a publicidade

Antes disso, o último reajuste de preços ocorreu no dia 16 de dezembro. Naquela data, o preço da gasolina havia crescido 3% e o diesel havia aumentado 4%.

Apesar de todas essas modificações, a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) defende que os valores estão defasadas e inferiores à paridade internacional.

Reajustes sofridos no aumento dos combustíveis

Com esse reajuste, a companhia já modificou os preços várias vezes durante o ano: foram 41 para a gasolina e 32 para o diesel.

Do total do primeiro combustível, foram registrados 20 aumentos e 21 reduções. Para o diesel, foram 17 crescimentos e 15 cortes.

Continua após a publicidade

O motivo para essas flutuações é a paridade com os preços de importação, segundo a Petrobras. Dessa forma, a companhia explica que o valor cobrado nas bombas segue as variações do mercado internacional e da taxa de câmbio.

Quem sente mais é o consumidor. Afinal, sobre o valor anunciado pela Petrobras ainda recaem tributos federais e estaduais, que encarecem ainda mais o preço da bomba.

Defasagem

Apesar do reajuste atual, especialistas afirmam que o ajuste atual ainda deixa uma defasagem de mais de R$ 0,10 por litro. Portanto, o aumento dos combustíveis deixa de seguir a verdadeira paridade de importação.

Além disso, eles afirmam que o repasse dos reajustes aos consumidores finais nunca é garantido. Ele depende de vários fatores, como impostos, margem de distribuição e revenda, e adição obrigatória de biodiesel e etanol anidro.

Continua após a publicidade

No Brasil, o preço médio da gasolina por litro foi de R$ 4,47 em 21 de dezembro de 2020. O registro foi feito pelo site Global Petrol Prices.

O portal ainda indica que o valor mínimo do período entre 14 de setembro e 21 de dezembro foi de R$ 4,27 na primeira data. Enquanto isso, o máximo foi de R$ 4,49, em 19 de outubro.

No mundo, o preço médio da gasolina chegou a R$ 6,57, em valores atualizados para reais. Apesar de estar abaixo da média mundial, o aumento dos combustíveis fez a gasolina ter o preço elevado em 17% entre maio e a primeira quinzena de dezembro.

A média chegou a R$ 4,68 por litro nos 15 dias do último mês do ano. Nesse sentido, o preço médio no começo da pandemia do novo coronavírus era de R$ 4,63.

Por fim, o mesmo levantamento ainda demonstrou que a gasolina compensa mais do que o etanol em 23 estados brasileiros, apesar das altas verificadas. Por todos esses fatores, o aumento dos combustíveis deve permanecer em 2021.

Entendeu como funciona a cobrança da Petrobras e quer continuar se atualizando sobre reajustes de preços? Então, assine a newsletter do iDinheiro e ative as notificações Push.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.