MP da Eletrobras é aprovada, com sanções, por Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aprovou com sanções a MP 1023/21, que trata da privatização da Eletrobras nesta terça-feira, 13.

Cindy Damasceno

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aprovou com sanções a MP 1023/21, que trata da privatização da Eletrobras. As alterações foram oficializadas no Diário Oficial da União (DOU) publicado na manhã desta terça-feira, 13. 

Entre as alterações no texto final, disponível no documento assinado pelo presidente, está a retirada da aquisição de ações com descontos por parte de funcionários, a proibição de extinguir algumas companhias e a obrigação de reaproveitar funcionários da ex-estatal por um ano. 

Continua após a publicidade

Aprovação da MP da Eletrobras: entenda os vetos

O texto enviado para presidência, no último dia 21, é a versão elaborada após debate na Câmara dos Deputados e Senado Federal.  As mudanças realizadas pelo presidente se referem, em sua maioria, a relação futura entre o Governo Federal e a Estatal. Veja o que mudou: 

Ações para funcionários públicos

O que dizia o texto enviado para presidência

Até 1% das ações da União, uma dos acionistas da Eletrobras, que agora deve seguir o regime de capitalização, poderiam ser adquiridas por funcionários demitidos. 

O que foi vetado pelo presidente

Bolsonaro vetou a possibilidade, alegando que a determinação poderia causar “distorção no processo de precificação das novas ações”.

Manutenção das subsidiárias da Eletrobras por dez anos 

O que dizia o texto enviado para presidência

As subsidiárias Chesf (PE), Furnas (RJ), Eletronorte (DF), e CGT Eletrosul (SC) devem ser mantidas por dez anos. Durante o período estaria proibida a extinção, incorporação, fusão ou transferência de domicílio estadual das empresas. 

O que foi vetado pelo presidente

Bolsonaro retirou a obrigatoriedade de manter as subsidiárias. De acordo com o presidente, a decisão “limita a gestão das subsidiárias pela nova empresa e retira a flexibilidade da futura Eletrobras”. 

Reaproveitamento de funcionários 

O que dizia o texto enviado para presidência

Reaproveitamento de servidores públicos da Eletrobras ou subsidiárias por até um ano após a desestatização.

O que foi vetado pelo presidente

Bolsonaro excluiu do texto oficial a definição porque “viola o princípio do concurso público e aumenta as despesas”.

Quer continuar acompanhando as notícias sobre a aprovação da MP da Eletrobras? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações push. Se inscreva, também, no nosso canal do Telegram para receber todas as novidades.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.