Muitas pessoas opta por adquirirem seguros para os seus bens, para que eles possam ficar protegidos caso ocorram possíveis situações inusitadas, como roubo, extravio, etc. Também, além de adquirir um seguro para um carro, imóvel, celular, dentre outros objeto, também é possível segurar uma pessoa. Desta forma, quando ocorrem sinistros, que são situações cobertas pelos seguros, os segurados recebem indenizações, em troca do pagamento do prêmio. Por isto, alguns podem optar por contratarem mais de um seguro para o mesmo bem ou pessoa, sentindo-se, desta forma, mais protegidos.

Porém, nesta contratação múltipla de seguros, surge-se a dúvida se isto realmente pode ser feito. Será que é permitido ter mais de um seguro para o mesmo carro, imóvel ou pessoa? Na verdade, isto é sim possível, mas nem sempre é vantajoso para o segurado. O indivíduo tem apenas a obrigação, segundo o Código Civil, de notificar a seguradora inicial, pois, caso ocorra sinistro, a indenização não pode ultrapassar o valor do bem.

Continua após a publicidade:

Em relação ao seguro de vida, esta atitude de obter-se mais de uma cobertura pode ser vantajosa, mas, em caso de bens, só irá valer a pena caso o primeiro seguro adquirido não proporcione todas as coberturas que o indivíduo deseja obter. Há algumas desvantagens e vantagens em relação obter-se mais de um seguro para o mesmo bem. Confira quais são abaixo.

Posso contratar dois seguros para o mesmo bem? É vantajoso?

Em algumas situações, visando o recebimento de uma indenização maior, as pessoas podem contratar mais de um seguro de vida. Desta forma, elas podem escolher o valor que desejam para receberem em casos de morte ou invalidez, e ainda somam as indenizações de cada seguro para se beneficiarem. Esta prática de obter-se mais de um seguro para um indivíduo ou bem é permitida, mas, nem sempre é vantajosa, como no caso citado anteriormente.

Praticando esta mesma lógica do seguro de vida, muitas pessoas optam por obter, também, um ou mais seguros para os seus bens. Com isto, objetivam tanto uma segurança maior de seus bens, visto as diferentes coberturas que pode-se escolher, quanto o recebimento de indenizações múltiplas. Entretanto, no que se trata de bens como imóveis e veículos, isto pode não ser uma realidade.

Contratação de seguro
A contratação de seguros múltiplos para o mesmo bem é vantajosa somente para seguros de vida.

Realmente, contratando-se mais de um seguro para um bem pode-se obter mais coberturas. E, esta deve ser o principal objetivo do indivíduo ao tomar esta decisão. Por exemplo, caso obtenha-se um seguro que não lhe satisfaça completamente em relação às coberturas adquiridas, pode-se contratar outro, que lhe ofereça as coberturas restantes. Entretanto, se este não for o caso, esta contratação dupla ou múltipla pode não ser vantajosa.

O indivíduo, tomando tal decisão, deve arcar com mais valores, a exemplo a comissão do corretor, o IOF e o custo da apólice, chamado também de prêmio do seguro. E, muitas vezes, a soma dos prêmios das apólices contratadas pode sair mais custosa do que caso tenha-se adquirido uma apólice mais completa em uma só seguradora. Por isto, antes de contratar mais de uma seguro para o mesmo bem, analise se estes valores acrescidos não serão prejudiciais e desvantajosos.

Como mencionado, um grande incentivo para a obtenção de duas ou mais apólices para o mesmo bem é o recebimento integral das indenizações, em casos de sinistros. Porém, exceto em seguros de vida, não é possível receber duas indenizações integrais caso os seguros estejam cobrindo riscos idênticos. Ademais, de acordo com o Código Civil, a indenização recebida pelo segurado por um sinistro não pode ultrapassar o valor do bem.

Desta forma, visto todas as vantagens e desvantagens citadas anteriormente, é preciso analisar se a contratação de vários seguros para o mesmo bem é algo realmente bom. É indicado apenas portar-se de tal forma caso trate-se de um seguro de vida, para que o segurado ou seus familiares recebam uma indenização mais vultuosa, no caso de sinistros que ocasionem morte ou invalidez.

Publicidade