De acordo com as informações divulgadas na última sexta feira (24), a fintech de antecipação de pagamentos Liber, adquiriu o controle total da concorrente Adianta, selando assim uma parceria já firmada antes mesmo do início da pandemia do novo coronavírus.

Mesmo que o valor da negociação não tenha sido revelado, a fusão das empresas é vista com bons olhos pelo mercado financeiro, que acredita fielmente neste novo modelo de negócios.

Continua após a publicidade:

Unificadas, as duas empresas somam uma carteira de aproximadamente R$ 3 bilhões em crédito referentes a micro, pequenas e médias empresas. Desta maneira, com a fusão da negociação o objetivo agora é o de alcançar até R$ 10 bilhões até o fim de 2020. 

Com modelos de negócios complementares as duas empresas estarão somando esforços para oferecer ao consumidor as melhores soluções em antecipação de recebíveis do mercado. 

Continua após a publicidade

Segundo Victor Stabile, presidente da Líber, a fintech nasceu totalmente focada em antecipação de recebíveis de cadeias produtivas. 

Isso significa, que o processo desenhado pela empresa, é o de trabalhar adiantando os pagamentos que as empresas precisam receber de outras grandes companhias.

Enquanto isso, a Adianta costumava a operar em um modelo chamado de multicedente-multicasacado. 

Em outras palavras, o modelo de recebíveis neste caso costuma ser bastante variado, dependendo do modelo de negócios e estilo de negociação acordada. 

A negociação entre Líber e Adianta

A negociação entre as empresas Líber e Adianta tiveram início após ambas perceberem um forte aumento na demanda de pequenas empresas solicitando possibilidades de crédito, principalmente durante a crise ocasionada pela pandemia.

Continua após a publicidade

No entanto, ambas as fintechs perceberam uma diminuição recorrente nos recebíveis para que as antecipações pudessem acontecer de maneira cadenciada e estruturada, começando a inviabilizar o modelo de negócios das duas empresas. 

Este cenário, inclusive, foi o que levou as duas empresas na tomada de decisão de uma junção estratégica para se manterem eficientes e em condições de continuarem a operacionalizar todo o processo oferecido.

De acordo com Stabilie, o presidente da Líber, o volume de ativos entre março e abril marcou um recuo médio de 40% em relação ao mês de fevereiro. Porém, até o mês de junho, os números conseguiram retornar à normalidade. 

“Nosso objetivo é formar um grupo muito mais forte, otimizado e capaz de responder à demanda solicitada pelo mercado neste momento”, divulgou em comunicado oficial. 

Continua após a publicidade

Sobre a Líber

A Líber é uma empresa de antecipação de recebíveis que atua na negociação direta entre compradores e fornecedores. 

Entretanto, antes da fusão, o foco da empresa estava totalmente voltado à cadeias produtivas, onde o giro de dinheiro precisa acontecer de maneira muito mais rápida e facilitada.

Sobre a Adianta

Já a Adianta, atualmente parte integrante da Líber, era marcada por ser uma empresa inovadora, e com excelentes opções de recebíveis para o micro e o pequeno empreendedor.

Desta maneira, as soluções de crédito se tornavam muito mais simples do que no mercado tradicional e taxas de juros bastante atrativas. 

Além disso, a empresa toma como responsabilidade cobrar clientes inadimplentes, facilitando bastante a vida do prestador de serviços que prefere otimizar forças para outros tipos de tarefas. 

Quer continuar acompanhando as novidades sobre o mercado? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro para receber tudo em tempo real. 

Publicidade