Notícias

Indicador de Incerteza da Economia mostra dificuldades do BR

Fabíola Thibes

WhatsappLinkedInTwitterFacebookO Indicador de Incerteza da Economia, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio […]

O Indicador de Incerteza da Economia, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), chegou aos 173,6 pontos. A referência é junho de 2020 e é uma das pontuações mais altas já registradas.

O índice mede a incerteza da economia brasileira a partir das informações retiradas do Ibovespa, principais jornais do País e expectativas do mercado sobre as variáveis macroeconômicas. Em junho, o valor registrado apresentou uma queda de 16,7 pontos, quando comparado a maio.

Continua após a publicidade:

O Ibovespa é o principal indicador da bolsa de valores brasileira, a B3. Ele mostra o desempenho médio das ações negociadas no pregão. Quanto mais elevado, melhor.

Ainda assim, mostra uma situação preocupante, já que o pico do indicador até então foi em setembro de 2015. Na época, alcançou 136,8 pontos e o Brasil perdeu o grau de investimento.

O grau de investimento é uma classificação de crédito que avalia se determinada empresa ou um governo é confiável. Quando o País perde essa categorização, os investidores tendem a sair dos investimentos nacionais, o que aumentam as incertezas e há menos movimentação econômica. Isso impacta, entre outras áreas, a geração de emprego e renda.

O que o Indicador de Incerteza da Economia representa?

Por suas características, o índice mostra que o Brasil deve sofrer com a retomada econômica. Falta previsibilidade para os empresários, o que tende a frear a retomada dos empregos. Esse é um ponto preocupante, segundo os especialistas, porque o desemprego já atinge 12,7 milhões de pessoas.

Segundo a economista do Ibre/FGV, Anna Carolina Gouveia, “existem evidências de que uma incerteza muito elevada tem efeito negativo no investimento”. Ela ainda destaca que “as empresas precisam de certa clareza sobre a viabilidade de um investimento”.

Para ter uma ideia, quando o desempenho de um investimento é positivo, o Indicador de Incerteza da Economia reduz e há uma tendência de aumento do Produto Interno Bruto (PIB) potencial. Assim, há uma possibilidade de crescimento mais sólido no longo prazo.

No entanto, os investimentos estão sendo afetados com a pandemia. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram uma retração de 8,6% no Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo.  

Com isso, a expectativa é que a queda do investimento seja mais elevada do que a do PIB. Esses números se refletem em mais problemas com o fluxo de caixa das empresas. Como resultado, há tendência de cortes e menor chance de contratações.

Agora, os analistas se questionam até quando vai a pandemia, já que o quadro do Brasil já era de dificuldade antes desse evento. Apesar disso, vinha mostrando uma ligeira melhora, que foi interrompida pela crise sanitária atual.

Para ter uma ideia, a capacidade instalada das indústrias ficou em 69,6% em junho, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). No mesmo mês de 2019, o índice estava em 78,1%. Esse é mais um dado que reforça o Indicador de Incerteza da Economia.

Se você quer se atualizar sempre com as notícias que afetam a sua vida financeira, assine a newsletter do iDinheiro. Assim, você recebe as informações direto no seu e-mail.

Publicidade

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *