Nesta segunda feira (20/07), foi aprovado um novo empréstimo pela diretoria do New Development Bank (NDB), onde o Banco Brics cederá um empréstimo ao Brasil de US$ 1 bilhão (R$ 5,3 bilhões aproximadamente). 

Esses valores serão destinados à programas sociais como o auxílio emergencial do Governo Federal, onde aproximadamente 5 milhões de pessoas se beneficiarão do valor específico. 

Continua após a publicidade:

Segundo a nota oficial do NDB, o objetivo da instituição é o de auxiliar a economia brasileira a se reerguer diante da crise. 

“O empréstimo tem o objetivo de contribuir para que o governo brasileiro possa assegurar uma resposta fiscal robusta de combate à pandemia, e possa permitir que investimentos prioritários sejam de fato, concretizados. Nosso objetivo, sem dúvidas, é o de apoiar a retomada econômica”, disse a instituição.

Esta quantia específica, será somada ao empréstimo de outros cinco bancos multilaterais e agências de desenvolvimento como o BID, Banco Mundial, ADF e KWF.

O esforço conjunto, resultará em financiamentos em valores totais de US$ 4 bilhões, de acordo com o comunicado. 

Inclusive, o Brasil é o país-sócio do New Development Bank que menos acesso os recursos disponíveis. Somente durante o contexto da pandemia, o Banco já havia aprovado empréstimos para três de seus cinco países membros, como a Índia, a África do Sul e a China.

Empréstimo em crescimento

Com esse novo montante liberado pela instituição financeira, o NBD passa a disponibilizar ao Brasil um montante aproximado a US$ 2,55 bilhões, fazendo com que a participação no portfólio de financiamentos aumente de 8% para 133%.

Ainda segundo o Banco, a estimativa é a de que a carteira do Brasil seja ainda maior, já que “os laços devem se estender ainda mais até o fim do ano”, disseram em nota. 

Isso significa que a instituição possui, pelo menos, sete projetos com potencial de aprovação até o fim do ano, o que resultaria mais de US$ 2 bilhões em futuras negociações. 

Para continuar acompanhando todas as novidades sobre o universo financeiro, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro.

Publicidade