Dólar acima de R$ 6 vai levar a aumento da Selic no 1º tri de 2021, diz economista-chefe do Itaú

Para o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, o dólar acima de R$ 6 vai levar a aumento da Selic no 1º trimestre de 2021. Entenda as implicações.

LilianCH
Lilian Calmon

Para o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, o dólar acima de R$ 6 vai levar a um aumento da Selic no 1º trimestre de 2021. A avaliação foi feita por ele no novo episódio do podcast Itaú Views sobre o que esperar da economia nos próximos 100 dias.

“O nosso limite é R$ 6. Se o dólar ficar acima de R$ 6, com inflação esse ano terminando em torno de 3%, geraria pressões inflacionárias já em 2021, o que exigiria uma resposta quase que imediata de política monetária no primeiro trimestre do ano que vem”, disse Mesquita.

Continua após a publicidade

Com informações do Valor Investe.

Dólar acima de R$ 6: Brasil precisa resolver seu “dilema fiscal”

Para evitar esse cenário, o Brasil precisa resolver seu “dilema fiscal”. Isso, contudo, envolve pressões da população e de parte dos políticos para elevar o gasto social.

“O grande divisor de águas da política e da economia brasileira nos próximos meses e até o final de 2021 é o encaminhamento da questão fiscal”, afirmou.

Ante outras moedas fortes, divisa norte-americana vem dando sinais de fraqueza 

Embora a moeda norte-americana ganhe força contra o real, ela vem dando sinais de fraqueza ante outras moedas fortes. Nesse cenário, especula-se quem poderia “tomar o seu lugar” como referência global. 

Contudo, na opinião do economista-chefe do Itaú, o euro e a moeda chinesa renminbi não têm chance, na circunstância atual, de chegar a tal posto.

“É difícil ver o euro como substituto adequado para o dólar em um momento em que a Europa deve crescer menos que os Estados Unidos e não tem um mercado de dívida de ativos com a profundidade do existente de ‘Treasuries’ (nome usado para se referir aos títulos da dívida soberana americana)”, ponderou, acrescentando que o renminbi tem baixo apelo por não ter “trânsito livre” no mercado.

Por fim, que o bitcoin não terá um caminho fácil para substituir o dólar, já que grande parte da população não se sente confortável para usar a criptomoeda.

“É difícil você ver um banco central ou um fundo soberano fazendo grandes investimentos em bitcoin. O dólar continua sendo a moeda de reserva”, completou.

Aproveite e leia também “Moeda brasileira desvalorizada: como fica a vida dos brasileiros?”.

Quer continuar acompanhando as notícias sobre o impacto do dólar na Selic? Então, não deixe de assinar a newsletter do iDinheiro e ativar as notificações do Push.

Continua após a Publicidade

Comunidade iDinheiro
Pergunte à comunidade ➔
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.