No meio da crise causada pela pandemia da COVID-19, as contas do Governo Federal registraram, em maio, um déficit recorde de R$ 12,6 bilhões, segundo informações divulgadas pela secretaria do Tesouro Nacional nesta segunda feira (29).

Os valores incluem os resultados cumulativos entre Previdência Social, Banco Central (BC) e do próprio Tesouro Nacional. Para se fazer um comparativo, no mesmo período do ano anterior, o valor do prejuízo era do de R$ 14,7 bilhões.

Com esses números, o Tesouro informou que foi o pior resultado mensal da história da instituição, fundada em 1997. Até o momento, o maior rombo das contas públicas havia sido registrado em dezembro de 2015, com o valor de R$ 72,7 bilhões.

Para ter uma noção da situação alarmante divulgada pela nota à imprensa, o valor do déficit no mês de maio foi superior ao registrado em todo o ano de 2019, no valor de R$ 95 bilhões.

De acordo com o setor econômico, o número apresentado referente ao mês passado foi fortemente influenciado por conta da queda real da receita líquida do Governo Federal (41,6%) e pelo crescimento total da despesa pública, incluindo créditos diferenciados e o auxílio emergencial (68%).

O Tesouro Nacional, inclusive, alegou que o aumento dos gastos dos cofres públicas pode ser totalmente atribuído à crise do novo coronavírus, além da antecipação do pagamento do 13º salário de pensionistas e aposentados. 

A pandemia, de maneira geral, trouxe um prejuízo aproximado de R$ 53,4 bilhões apenas no mês de maio, com maior destaque para o auxílio emergencial (que somou R$ 41,1 bilhões) e auxílio desemprego (R$ 6,5 bilhões).

Acumulado anual

Outro número que coloca as finanças públicas em alerta, pode ser comparado ao valor acumulado entre janeiro a maio deste ano, e o do ano passado respectivamente.

Com informações divulgadas pelo Ministério da Economia, o prejuízo das contas do governo somaram o valor de R$ 222,5 bilhões até o momento. No mesmo período de 2019, esse valor era o de R$ 17,5 bilhões.

Rombo acima de 700 bilhões

Outro dado relevante informado pela Secretaria do Tesouro Nacional, é o de que a estimativa de prejuízo para os cofres do governo em relação ao setor público consolidade (entre municípios, estados, governos e empresas estatais) é o de R$ 708,7 bilhões, ou oa 9,9% do Produto Interno Bruto (PIB)