Empréstimos, Guias

Como calcular taxa de juros de empréstimo

Júlia Mendonça
Júlia Mendonça
calcular taxa de juros de empréstimos

Você sabe como calcular a taxa de juros de empréstimos? É possível que não. As […]

Você sabe como calcular a taxa de juros de empréstimos? É possível que não. As fórmulas são complexas e fazer isso pode dar a maior dor de cabeça. No entanto, entender como esse processo funciona é fundamental.

Por quê? A resposta é simples! A partir do cálculo, você descobre quanto efetivamente vai pagar no final do período ao contratar uma linha de crédito. Além disso, essa é uma forma de saber quanto de juros está sendo cobrado e qual o montante referente a encargos e outras taxas.

Continua após a publicidade

Por isso, buscamos deixar mais fácil entender o cálculo da taxa de juros de empréstimos. É o que vamos apresentar neste post. Acompanhe!

O cálculo da taxa de juros de empréstimo

Primeiro, você deve saber que toda operação financeira tem mais do que juros. Também existem outras taxas e encargos. A soma de todos esses valores cobrados a mais estão embutidos no chamado Custo Efetivo Total (CET).

Continua após a publicidade

O ideal é observar esse percentual para ter certeza das cobranças. Porém, nem todo mundo faz ou sabe disso. Além do mais, sobre as taxas de juros de empréstimos incidem 3 fatores principais:

  • juros;
  • taxa;
  • prazo de pagamento.

Como na maioria das operações financeiras são aplicados os juros compostos, quanto maior for o período de pagamento, mais juros você vai pagar. Por isso, antes de fazer a contabilização, você deve seguir as etapas abaixo:

Confira as cobranças da instituição financeira

Comece verificando quais taxas são cobradas pelo agente financeiro. Cada um deles tem seus próprios valores, assim como uma política de crédito. Além disso, o seu perfil também interfere nesse resultado.

Por exemplo, se o seu score de crédito é baixo, há indicações de que o risco da operação é alto. Isso porque uma pontuação reduzida sinaliza alta probabilidade de inadimplência. Nesse caso, a tendência é que a taxas de juros do empréstimo seja maior.

Continua após a publicidade

Verifique a modalidade de juros aplicada

Existem duas possibilidades: juros simples e compostos. Os primeiros são aqueles que incidem somente sobre o valor principal. 

Por exemplo, imagine que você contratou um empréstimo de R$ 1.000 em 10 vezes com taxa de 3% ao mês. Nesse modelo, você paga R$ 120 na primeira prestação, porque:

R$ 1.000 / 10 = R$ 100 por mês
R$ 1.000 x 2% = R$ 30 por mês

Total a ser pago = R$ 130 por mês

No segundo mês, a taxa se mantém igual e assim segue até a 10ª parcela. Assim, o total desembolsado ao final será de R$ 1.300, sendo que R$ 300 são relativos a juros.

Na modalidade composta, ocorre diferente. O juro sempre é aplicado sobre o montante total. Voltando ao exemplo anterior, temos que calcular quanto será a quantia final a ser paga. Assim, temos:

Continua após a publicidade

R$ 1.000 x 3% = R$ 30 + R$ 1.000 = R$ 1.030
R$ 1.030 x 3% = R$ 30,90 + R$ 1.030 = R$ 1.060,90
R$ 1.060,90 x 3% = R$ 31,82 + 1.060,90 = R$ 1.092,72
R$ 1.092,72 x 3% = R$ 32,78 + 1.092,72 = R$ 1.125,50
R$ 1.125,50 x 3% = R$ 33,76 + 1.125,50 = R$ 1.159,27
R$ 1.159,27 x 3% = R$ 34,77 + R$ 1.159,27 = R$ 1.194,05
R$ 1.194,05 x 3% = R$ 35,82 + R$ 1.194,05 = R$ 1.229,87
R$ 1.229,87 x 3% = R$ 36,89 + R$ 1.229,87 = R$ 1.266,77
R$ 1.266,77 x 3% = R$ 38,00 + R$ 1.266,77 = R$ 1.304,77
R$ 1.304,77 x 3% = R$ 39,14 + R$ 1.304,77 = R$ 1.343,91

Fica claro que, nesse caso, será pago R$ 1.343,91, sendo R$ 343,91 de juros. Esse resultado é R$ 43,91 maior do que a modalidade simples. Quanto maior for o prazo de pagamento, maior será essa diferença.

Além disso, para saber quanto seriam as parcelas, considerando que elas serão constantes, basta dividir o total por 10. No caso, temos:

R$ 1.343,91 / 10 = R$ 134,39

Considere outros custos

Além da taxa de juros do empréstimo, existem outros fatores que interferem na conta. Veja quais são eles:

Selic

É a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela é usada como referência para determinar as taxas de juros dos empréstimos. Quanto maior for, mais elevada tende a ser cobrança. Em junho de 2020, a Selic está em 2,25%.

Continua após a publicidade

CET

O Custo Efetivo Total é composto por:

  • Imposto sobre Operações Financeiras (IOF): é obrigatório e está incluído no empréstimo. Geralmente, vem discriminado;
  • tarifa de cadastro: não é obrigatória, mas costuma ser cobrada;
  • seguro: pode ser incluída para garantir o pagamento em caso de desemprego ou morte do titular da dívida. No entanto, é opcional.

Ainda podem ser cobradas taxas de manutenção do cadastro e administrativas.

Como calcular os juros do empréstimo de modo mais fácil?

Depois de ver todos esses critérios, você percebeu que é preciso considerar o CET. Além disso, é necessário fazer cálculos complexos, que são pouco inviáveis para o longo prazo. 

É importante destacar que a especificação que trouxemos aqui foi para apresentar a variação com o tempo. No entanto, existe uma fórmula matemática para os juros compostos. Veja:

M = P (1 + i)n

Sendo:

M = montante;
S = principal;
i = taxa de juros;
n = número de parcelas

Para evitar essa fórmula, você pode simplesmente usar alguma calculadora de juros compostos disponível na internet. Existem várias alternativas, é só buscar no Google. De toda forma, uma delas é a Calculadora de Juros Compostos do nosso site.

Agora ficou mais claro como você pode calcular a taxa de juros de empréstimo, certo? Por mais que seja complexo, vale a pena verificar o resultado antes de contratar o valor e sempre atentar ao CET.

Assine a Newsletter do iDinheiro e receba toda semana conteúdo exclusivo sobre o que importa para o seu dinheiro.

Publicidade

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *