5 lições valiosas sobre o livro Pai Rico Pai Pobre

O que o livro Pai Rico Pai Pobre ensina de tão especial? Entenda por que ele é um clássico da educação financeira em 5 lições.

Escrito por Victor Barreto

Por que confiar no iDinheiro?

Responsabilidade editorial: Nosso editores são especialistas nas áreas e isentos nas avaliações e informações. Nosso objetivo é democratizar e simplificar o acesso a produtos e serviços financeiros sem viés. Conheça nosso código editorial.

Como ganhamos dinheiro?

Podemos ser comissionados pela divulgação e cliques nos parceiros. Isso também pode influenciar como alguns produtos aparecem na página, sempre com a devida identificação. Entenda como o site ganha dinheiro.

Política de Cookies: Nosso site utiliza cookies para estatísticas gerais do site e rastreamento de comissões de forma anônima. Nenhum dado pessoal é coletado sem seu consentimento. Conheça nossa política de privacidade.


O investidor do século 21 tem em sua mão excelentes oportunidades de aprendizado. Uma delas é lendo bons livros, e, principalmente, livros que se provaram no tempo. O livro do Robert Kiyosaki é um deles.

Quais são as 5 principais lições que podemos aprender sobre o livro? Confira no texto a seguir!

Investimento é mais sobre comportamento e menos sobre técnica

Antes de falar sobre as 5 lições, devemos abrir um espaço para discutir sobre um tema ainda pouco falado no mundo dos investimentos. A parte comportamental. Muitas pessoas começam a investir olhando simplesmente qual é a ação do momento, qual fundo imobiliário rende mais ou até mesmo qual é a criptomoeda que irá explodir.

Isso é pouquíssimo produtivo, confie em mim. Nas minhas redes sociais sigo uma filosofia muito clara que diz o seguinte: investir é algo feito de dentro para fora. O que a internet te propõe é exatamente o oposto.

Imagina que você tem a possibilidade de dirigir uma Ferrari. Interessante, não é mesmo? E se eu te disser que você vai dirigir a Ferrari e não terá nenhum acompanhamento, aula ou algo do tipo? Você certamente irá aproveitar 40% do potencial que o carro oferece. Faz sentido?

Não! Com investimentos é a mesma coisa. Não adianta nada você fazer um curso que ensina a investir em ações, fundos imobiliários, dizendo qual é o preço justo de cada papel e como calcular. Isso é contraintuitivo a partir do ponto que o seu momento de vida não cabe investir nessa categoria de produtos.

As pessoas olham primeiro a técnica e depois pensam no comportamental. Isso é a receita para o fracasso nos investimentos. Sendo assim, compartilho alguns insights que o livro fornece e que irão te ajudar a ter consciência na hora de investir.

Crenças sobre dinheiro

Todos nós temos uma forma de pensar específica sobre determinado tema. Ao longo da nossa vida, nosso cérebro vem funcionando como um HD, onde informações são adquiridas através de experiências, aprendizado formal, etc.

Essas experiências contribuem tanto para o bem quanto para o mal. Como assim para o mal? Explico: o mal da limitação. Somos seres humanos capazes de qualquer coisa e temos exemplos para dar e vender de pessoas que atingiram o pleno sucesso, seja ele financeiro, familiar ou profissional. Você também é capaz.

Com relação ao dinheiro, tais crenças podem estar te limitando de progredir. Isso pode ter ocorrido através de uma educação errada dos seus pais, que observavam o dinheiro como algo ruim e que só traz problemas. Isso é totalmente errado.

No fim das contas, não é sobre comprar uma casa na praia ou um carro de luxo, e sim sobre ter liberdade do que fazer com o seu recurso. A casa ou o carro é apenas a materialização disso, entretanto, olhando por um lado mais científico, a liberdade é o que você deve pensar.

Sua crença sobre dinheiro como a raiz de todos os males, o fato de quem é rico que investe ou qualquer outro atributo ruim que foi colocado na sua cabeça, deve acabar. Isso está te impossibilitando de acessar o próximo nível.

O aprendizado formal está acabando

Uma das consequências de não acessar esse tal de “próximo nível” tem bastante alinhamento com a forma como aprendemos atualmente. É normal conhecermos pessoas que largaram a faculdade para empreender ou para seguir carreiras em que não é necessário a graduação formal e estão se dando muito bem na vida. Basicamente, essas pessoas estão seguindo sua paixão.

Essa é uma crença limitante e que tem total impacto na forma como você enxerga o dinheiro. O dinheiro não se encontra mais somente naquela pessoa que seguiu a graduação, fez estágio, trabalhou e viveu a vida de forma limitada. O dinheiro também está naquela pessoa que tem o dom de fazer alguma tarefa e soube comunicar isso muito bem no mercado, sem a necessidade de demonstrar um título para que seja qualificada como especialista.

Corrida dos Ratos

Essa mesma pessoa, que acredita ser o ideal seguir o caminho formal de forma fiel e tem crenças sobre dinheiro, certamente, quando ganhar mais, irá gastar mais também. Ora, se o dinheiro é a raiz de todos os males, se é feio ter dinheiro, vou gastar enquanto posso, afinal de contas só se vive uma vez.

Pois é. Esse indivíduo pode ganhar na loteria e, mesmo assim, continuará pobre. Pobre de espírito. Não adianta nada viver em função do dinheiro. Isso que é o problema. O dinheiro deve ser libertador e não uma condição para que você faça algo. Condições te limitam. Olha mais uma crença que você provavelmente já passou e que precisa mudar urgentemente.

Se ganha mais, guarda mais. Troca a frase!

Ativos x passivos

Essa definição aqui é a mais importante, na minha opinião. Comprar carro não significa comprar um ativo. “Mas Victor, se eu vender o carro, eu coloco dinheiro no bolso”. Sim! Porém, esse mesmo carro está te dando custos, ou seja, tirando dinheiro do seu bolso. Esse mesmo carro desvaloriza com o tempo.

O ponto aqui não é fazer com que você venda o seu carro. Se você realmente precisa, tudo bem. Agora, se você compra um carro imaginando que será um ativo, você está redondamente errado.

Ativos são estratégias que colocam dinheiro no seu bolso. Um imóvel, um negócio próprio, ações, fundos imobiliários, renda fixa, investimentos no geral.

Passivos são obrigações que tiram dinheiro do seu bolso. Financiamento, empréstimos, juros de cartão de crédito, carros, motos, embarcações, etc.

Não inverta as coisas! Saber a definição de ativo e passivo é crucial para que você não tome decisões erradas sobre o destino do seu dinheiro.

Assumir riscos

Se você seguiu o caminho totalmente contrário das 4 lições, certamente terá muito mais cabeça para assumir riscos. Aproveite os cenários e oportunidades que a vida te dá, podendo empreender em um novo negócio, testar uma nova habilidade ou investir em algo que no futuro te renda bons frutos.

Todavia, perceba que é diferente correr risco de forma controlada versus correr risco.

Correr risco de forma controlada significa que você tem controle do jogo e sabe que, se perder, não perderá tudo. Você está colocando os ovos em diferentes cestas. Obviamente, sua educação financeira é muito mais apurada, o que te possibilita jogar o jogo com cautela.

Quem arrisca por arriscar parte do pressuposto que entende todas as variáveis. Quem arrisca por arriscar nem lembra que existe o risco da ruína. Diversificação é o nome do jogo.

Conclusão

Leia livros que se provaram no tempo. Livros de prateleira, recentemente lançados, são ótimos para quem vende. A mensagem de um livro novo te atrai a comprar, mas talvez o conteúdo não.

Livros que se provaram no tempo, como Pai Rico Pai Pobre podem te ajudar no que você mais precisa e talvez não saiba: mudar a sua mentalidade.


Pai Rico Pai Pobre: Resumo/Resenha do livro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Participe das comunidades do iDinheiro no Whatsapp