Bancos, Notícias

Bradesco fez 853 demissões e fechou 372 agências no último trimestre

Rodrigo Salgado
Rodrigo Salgado
Agência do Bradesco, representando bradesco no 3º trimestre
O Bradesco fechou 372 agências e demitiu 853 funcionários em todo o Brasil apenas no […]

O Bradesco fechou 372 agências e demitiu 853 funcionários em todo o Brasil apenas no 3º trimestre de 2020. No período entre janeiro e setembro foram, no total, 683 fechamentos de agências físicas.

Esse movimento faz parte de um projeto de redução de custos e de digitalização do banco. O objetivo é encerrar ou converter em unidades de negócio 1.100 agências até o final deste ano.

Continua após a publicidade

Com isso, o Bradesco fechou o mês de setembro com 4.167 agências físicas e 95.934 funcionários. Mesmo com os cortes, as despesas operacionais do banco aumentaram 2,3% no terceiro trimestre em relação ao segundo, chegando à cifra de R$ 11,724 bilhões.

Aumento nas despesas

Ainda de acordo com o banco, o aumento das despesas foi puxado, principalmente, pela alta de 1,4% nos gastos com pessoal em virtude do acordo coletivo.

As despesas administrativas também subiram 1,3% durante os três meses. Estiveram relacionadas, principalmente, a um aumento no volume de negócios, provocado por uma maior quantidade de dias úteis. No total, os gastos foram de R$ 5,035 bilhões.

As despesas operacionais foram de R$ 1,656 para R$ 1,789 bi, uma alta de 8%. O aumento foi provocado por mais gastos com constituições de provisões operacionais, sinistros e despesas com comercialização de cartões.

Resultados do 3º trimestre do Bradesco

Na divulgação dos resultados do trimestre para o mercado, o Bradesco apontou lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre de 2020 – um aumento de 29,9% na comparação com o segundo. Apesar disso, houve uma retração de 23,1% em relação ao mesmo período de 2019.

De janeiro a setembro deste ano, o Bradesco acumulou ganhos de R$ 12,7 bilhões – um tombo de 34,2% na comparação com os primeiro nove meses de 2019.

Essas quedas foram motivadas, principalmente, pelo fato de o banco ter precisado aumentar de maneira significativa suas reservas contra possíveis calotes em virtude da crise causada pela pandemia.

Somente no terceiro trimestre deste ano essas reservas subiram 67,5% na comparação com os mesmos três meses de 2019. No acumulado entre janeiro e setembro, esse total chegou a R$ 21,2 bi – mais que o dobro desse mesmo período do ano passado.

Gostou deste post? Então, assine a newsletter do iDinheiro e receba todas as novidades em tempo real.

Publicidade

Logo iDinheiro

Newsletter iDinheiro: receba novidades sobre o que importa para o seu dinheiro.

    Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *